Não tem dinheiro?!

In Desmonte, Reportagens
Crédito: SUSConecta

Austeridade é debatida no Fórum Social Mundial

No #SUSConecta

“Austeridade fiscal e o desmonte do Estado Nacional” foi o tema do debate na Tenda do Conselho Nacional de Saúde (CNS) na manhã desta quinta (15/03), durante o Fórum Social Mundial, que acontece na Universidade Federal da Bahia (UFBA), em Salvador. Diversos especialistas discutiram sobre o financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS) e o atual contexto de retrocessos nas políticas sociais, chegando à conclusão de que reduzir os investimentos públicos só agrava a crise social, política e econômica.

De acordo com Déborah Duprat, procuradora federal dos direitos do cidadão, a Constituição de 1988 é reflexo das lutas emancipatórios justamente porque o marco legal distribui direitos para vários grupos que antes não tinham acesso a eles. “A Constituição tem como princípio a redução das desigualdades, da discriminação, da miséria e da pobreza. Os cortes atuais reduzem os efeitos inflacionários, mas contribuem com o desemprego, o aumento do poder das instituições financeiras e a concentração de renda”, explica.

A procuradora apresentou dados mostrando que mais de 70 mil famílias perderam o Bolsa Família nesse contexto de retrocessos. Houve também redução em 30% da demarcação de terras em áreas quilombolas. Já a Fundação Nacional do Índico (Funai) está com orçamento de 10 vezes menor em relação ao ano de 2013. O professor Eduardo Fagnani, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), afirmou que a política de austeridade atual é uma forma de implantar um projeto de governo que não foi eleito democraticamente. Isso prejudica qualquer outro presidente que venha a governar o país nos próximos anos – principalmente por conta da Emenda Constitucional 95/2016, que congela investimentos em saúde e educação por duas décadas e já está em vigor.

Assine contra a EC 95/2016

Segundo ele, “o próximo presidente será prisioneiro de um arcabouço institucional favorável ao mercado. Austeridade é fingir que há responsabilidade econômica, mas é puro populismo”. Ele explica que “quando a economia está em baixa, o Estado precisa gastar mais com as pessoas. A austeridade faz o contrário, se o país está em crise, eles cortam investimentos pra aprofundar mais ainda a crise. O objetivo é combater a inflação, mas prejudica as pessoas. É uma estratégia para criminalizar as políticas distributivas. Populismo é tomar medidas irresponsáveis para ganhar eleição e desmontar o estado social”, afirmou.

A representante da plataforma Dhesca e do Coletivo Intervozes, Ana Cláudia Mielke, disse que a nova política econômica responsabiliza os trabalhadores e trabalhadoras, as pessoas mais pobres, além de criminalizar as políticas sociais. “A EC 95/2016 impede que haja um debate democrático sobre qual a política econômica que nós, eleitores, queremos”, critica.

Lúcia Souto, presidente do Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes), propôs: “Precisamos discutir nossa grande aliança global contra a política neoliberal aqui no Fórum Social Mundial 2018. Nosso desafio é ir ao encontro do povo brasileiro, que está sendo odiado pelas elites”. Denise Carreira, representante da ONG Ação Educativa e da Plataforma Dhesca, reafirmou a necessidade de todos e todas mobilizarem-se numa campanha Direitos Valem Mais, Não aos Cortes Sociais. “A situação política atual quer silenciar que existem alternativas e caminhos”. A atividade foi coordenada pelo conselheiro nacional de saúde Wanderlei Gomes de Souza.

O que significa o assassinato de Marielle Franco?

A vereadora do PSOL no Rio de Janeiro, Marielle Franco, executada a tiros na noite de ontem, foi homenageada pela plenária. A jovem fazia críticas à polícia, denunciando a morte de jovens negros na periferia. A suspeita é de que o crime tenha sido uma represália aos seus posicionamentos. “A agenda da segurança hoje tem no Rio de Janeiro o seu principal palco de atuação. As frentes populares e os movimentos sociais em contraponto ao medo e a insegurança é o ponto de fundo da política fascista e neoliberal no país. Nossa política amplia a consciência da sociedade, por isso querem acabar com  ela”, disse Carlos Ocké, representante da Associação Brasileira de Economia da Saúde (Abres).

 

 

  • 7
    Shares

NEWSLETTER | Outra Saúde | para começar o dia

Todas as manhãs, as principais notícias da saúde

You may also read!

Consulta pública afrouxa regras para agrotóxicos

A Anvisa lançou três consultas públicas para atualizar normas sobre os agrotóxicos e o prazo para envio de contribuições

Read More...

Taxa extra nos planos de saúde

Como ocorre com as seguradoras de automóveis, além da mensalidade, usuário deverá pagar nova taxa cada vez que fizer

Read More...

Maconha x Cerveja

A batalha contra a legalização nos estados norte-americanos tem muitas atores, e um deles é a indústria de bebidas

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu