Jesus subverte tudo: não há prêmio especial para os bons

Refugiados a bordo de um barco de pesca superlotado no Mar Mediterrâneo, 2015. Somos sensíveis ao sofrimento, como Jesus, ou acumulamos “méritos”? – Por Francisco Zizola

O Evangelho deste 25° Domingo do Tempo Comum é um dos mais paradoxais e incômodos para os cristãos (aqui). Ele rompe toda a lógica que permeia os sistemas de dominação ao longo da história e demole os edifícios da meritocracia e do toma-lá-dá-cá sobre os quais se assenta o conservadorismo na Igreja.

A história é conhecida e está no início do capítulo 20 do Evangelho de Mateus: o dono de uma vinha vai à praça de sua aldeia onde ficavam os trabalhadores que ofertavam sua força de trabalho para serviços do dia. Contrata os que estavam logo cedo no local e volta à praça mais três vezes, contratando todos. Faz isso mais uma vez, quando faltava apenas uma hora para o fim da jornada de trabalho, e convoca os que ainda estavam por ali. Na hora do pagamento, todos recebem a mesma quantia, uma moeda de prata, gerando revolta dos que haviam começado mais cedo.
Como ler este texto tão intrigante?
Uma proposta: a vinha é o Reino (imagem tradicional nos Evangelhos) e Deus toca os homens/mulheres com sua convocação para caminhar com ele na direção deste Reino de igualdade e justiça e paz.
Podemos nos sentir tocados aos 15 anos, aos 40 ou aos 90. O “prêmio” não é um “ingresso garantido” no Reino, como prega a teologia conservadora, com base numa coleção de méritos por conta de uma agenda calculista de fundo penitencial e assistencialista que nos torna “diferentes” dos demais.
Não, nada disso. Quando nos sentimos tocados e convocados, a vida muda, nosso olhar para o mundo, as pessoas é transformado pela Palavra compassiva de Deus -este é o “prêmio”, a transformação que se opera em nós! E ela acontece aos 15, aos 20, aos 40, aos 90 ou mesmo alguns minutos antes da morte.
É a mesma transformação, a mesma moeda que todos os meus irmãos e irmãs receberam. E ela vira-nos do avesso! E o que desejamos? Que outros irmãos e irmãs recebam a mesma moeda, nem mais, nem menos. Aqui não há espaço para a inveja, para o desejo de se sobrepor aos demais, para teses baseada no engodo da meritocracia. Prevalece a alegria de estarmos juntos  no Caminho com nossas qualidades e defeitos, com o jeito de ser de cada um.
Há leituras mais profundas e belas de biblistas fantásticos que vale muito a pena contemplar, se você deseja mergulhar um pouco mais neste trecho do Evangelho de Mateus:

Continue lendo “Jesus subverte tudo: não há prêmio especial para os bons”

Papa: Igreja é de todos e cheia de falhas “como no tempo de são Francisco”

O Papa neste domingo (27): Igreja precisa ser sempre reformada

O Papa fez neste domingo (27) um dos discursos mais explicitamente eclesiológicos de seu pontificado -referente a ekklesia, assembleia, palavra de onde se origina igreja. Na oração do meio-dia (o Ângelus), Francisco rejeitou as concepções conservadoras sobre a Igreja, consagradas por seus antecessores, e afirmou neste domingo (27) que ela é de todos, e não do clero, feita por “todos nós” que “nos tornamos ‘pedras vivas’”. Além disso, afastou a ideia da Igreja como “sociedade perfeita”, alentada pelos restauracionistas e afirmou que ela “sempre precisa ser reformada, reparada”, pois mesmo “com fundamentos sólidos”, tem “rachaduras, como nos tempos de são Francisco de Assis”.

O discurso foi todo voltado ao Evangelho deste que é o 21° Domingo do Tempo Comum, que relata um diálogo entre Jesus e seus discípulos, no qual ele indaga a visão dos seguidores sobre si (aqui ou no final). Ao remeter a são Francisco, o Papa, sem o mencionar diretamente referiu-se a uma das passagens mais conhecidas da vida do poverello de Assis, em 1205, quando, depois de um período de oração na pequenina e semidestruída igreja de São Damião, escutou uma voz saindo de um crucifixo bizantino caído ao lado do altar: “Vai, Francisco, e repara a minha casa que está em ruínas.” Dez séculos antes do Francisco, que lhe inspirou o nome papal, o Francisco de hoje encontrou uma Igreja também em ruínas, numa crise brutal.

Na conversa de Jesus com seus amigos, ao indagar de si “o Mestre esperava dos seus uma resposta alta e diferente daquelas da opinião pública”, afirmou Francisco, rejeitando as imagens de um Cristo soberano, cheio de poder e punitivo. “Simão Pedro encontra em seus lábios palavras que são maiores do que ele, palavras que não vem de suas capacidades naturais. Talvez ele não tenha feito a escola fundamental, e é capaz de dizer estas palavras, mais fortes do que ele! Mas são inspiradas pelo Pai celeste, que revela ao primeiro dos Doze a verdadeira identidade de Jesus”.

Nesta caminhada a partir dos pobres e simples e repleta de falhas edificou-se a Igreja dos seguidores de Jesus, onde todos, sem distinção entre leigos, leigas e hierarquia eclesial, são igualmente “pedras vivas”, na eclesiologia do Papa. Para Francisco, a partir da visão retomada no Vaticano II, a Igreja “é uma comunidade de vida, feita de muitíssimas pedras, todas diferentes, que formam um único edifício no signo da fraternidade e da união”.

Continue lendo “Papa: Igreja é de todos e cheia de falhas “como no tempo de são Francisco””

Guerras de religião? É a liberdade que é perseguida

Coroação de Espinhos, 1622-3, Dirck van Baburen (1595-1624)

Alberto Maggi é um biblista italiano excepcional. Ele bebe da mesma fonte da teologia latino-americana, especialmente da Teologia da Libertação: a busca incessante da originalidade da mensagem de Jesus. É sacerdote, religioso da Ordem dos Servos de Maria e diretor do Centro de Estudos Bíblicos G. Vannucci, localizado na minúscula aldeia de Montefano, na região do Marche, na Itália, de pouco mais de 3 mil habitantes.

Os padres Júlio Lancelotti e Francisco Cornélio são dois dos mais entusiasmados divulgadores de sua obra, no Brasil. Há três de seus livros editados no país: A loucura de Deus – O Cristo de João (Paulus, 2015), Nossa Senhora dos Heréticos (Paulinas, 1991) e Jesus e Belzebu, Satanás e Demônios (Santuário, 2003).

No artigo a seguir, Maggi escreve sobre a perseguição aos seguidores de Jesus: “Para o cristão, se ele for fiel ao Senhor e à sua mensagem, a perseguição, em suas mais variadas formas, abertas ou mascaradas, veladas ou evidentes, está sempre presente”. A razão é meridiana: “O mundo corteja e recompensa aqueles que não o incomodam, mas desencadeia toda sua ferocidade contra aqueles que, com sua própria existência são uma clara denúncia da injustiça do sistema”.

O biblista italiano indica que Jesus libertou a pessoa do cabresto da religião institucional: “Jesus, emancipando o homem da religião, das leis e das prescrições que regulavam a relação com a divindade – quer dizer, de tudo o que o crente era obrigado a fazer para agradar a seu deus – tem favorecido o desenvolvimento e o crescimento da pessoa. A maturidade, de fato, só acontece na afirmação crescente da própria liberdade de pensamento e autonomia de movimento sem ter que ser sujeito a restrições religiosas.” Por isso, as elites das religiões institucionais no âmbito do cristianismo têm perseguido sistematicamente as pessoas que desejam seguir os passos do Mestre, apropriando-se da liberdade que Jesus estimulou: “Essa liberdade é intolerável pela religião, que, para existir, deve dominar as pessoas, torná-las submissas e infantis, sempre necessitadas de uma autoridade superior que decida o quê e como fazê-lo.”

[Mauro Lopes]

Leia a íntegra do artigo abaixo (ou o original em italiano clicando aqui):

Continue lendo “Guerras de religião? É a liberdade que é perseguida”

Francisco acendeu a chama; e a Igreja-pipoca!

Celebração durante a 40ª Romaria da Terra e das Águas, em Bom Jesus da Lapa (BA), organizada pelas CEBs, CPT e movimentos populares organizados em várias dioceses baianas, com mais de 6 mil romeiras e romeiros, entre 7 e 9 de julho. Foto de Thomas Bauer/ CPT Bahia.

Não gosto de pipoca. E, por isso, sou visto como um estranho em minha família. Já me acostumei com os olhares de incompreensão toda vez que “não, obrigado, não gosto mesmo de pipoca”. Não sei, parece-me sem gosto, a textura é estranha. Não sei. Vai ver que é algum trauma da infância. Entretanto, mesmo não gostando de comer, sinto-me maravilhado toda vez que se faz pipoca em casa –e isso acontece muitas vezes por semana!

É um pequeno milagre.

No começo, não há nada, só o fogo aceso. Então uma pipoca estoura. Depois outra, mais uma, outra mais e de um instante para outro é uma profusão de múltiplas explosões. Quando se abre a panela, o que era um fundinho de grãos amarelos tornou-se uma abundância transbordante. É assim –finalmente- com a Igreja sob a liderança de Francisco.

Em 2013, Bergoglio acendeu a chama sob a panela com muitos grãos de aparência inerte, adormecidos, imóveis. Grãos mantidos guardados, trancados no armário por muito tempo. Então o calor começou a fazer efeito. Como cantou Caetano, tem pipocado aqui, ali, além. Pipoca, pipoca, até que a manhã começou a desanoitecer.

E temos de novo a Igreja-pipoca!

A ideia me veio imediatamente à cabeça quando recebi a notícia de que no próximo domingo (30) haverá missa e festa em Volta Redonda, no Rio de Janeiro.  Às 17h, padre Natanael de Moraes irá presidir a celebração em homenagem a seus 51 anos de sacerdócio. Ele estará de volta à cidade 47 anos depois de ser preso e barbaramente torturado durante a ditadura militar. Padre Natanael, agora no clero da Arquidiocese de Belo Horizonte (MG) era, na virada dos anos 1960/70, religioso verbita, diretor espiritual da Juventude Operária Católica (JOC) de Volta Redonda e um dos líderes católicos ao redor de dom Waldyr Calheiros (1923-2013), bispo de Volta Redonda e Barra do Piraí.

Dom Waldyr (à direita), num dos inúmeros depoimentos a que foi convocado pelos militares durante a ditadura

Dom Waldyr foi um dos signatários do Pacto das Catacumbas que reuniu 40 padres e bispos durante o Concílio Vaticano II: todos assumiram o compromisso de uma vida pobre com os pobres. Ao lado de dom Hélder Câmara, dom Pedro Casaldáliga, dom Paulo Evaristo Arns e outros formou a linha de frente da Igreja Católica contra a ditadura e protagonista da Teologia da Libertação.

Ambos, dom Waldyr e padre Natanael, conheceram no final dos anos 60 Estrella Bohadana, uma jovem de 19 anos, militante da Política Operária (Polop) na resistência à ditadura. O sacerdote e Estrella reencontraram-se em 1970 nas salas de tortura do antigo 1º Batalhão de Infantaria Blindado, em Barra Mansa/RJ. Foram submetidos a torturas brutais, de todo tipo.

Continue lendo “Francisco acendeu a chama; e a Igreja-pipoca!”

Quer saber de Jesus? O Manso e Humilde revela-se todo no Evangelho deste domingo

Detalhe do mural Guerra e Paz (1952-56) de Cândido Portinari, em exposição na sede da ONU

Todos aqueles e aquelas que forem à missa deste domingo (9), o 14º do Tempo Comum, ou meditarem o texto que será oferecido, terão oportunidade de um encontro raro. Nele, Jesus revela-se inteiramente. Se você tiver algum interesse em conhecer o Mestre de tanta gente, não deixe de ler. É um trecho curto do capítulo 11 de Mateus, versículos 25 a 30. Leia é tocante e chega a ser surpreendente:

Naquele tempo, Jesus pôs-se a dizer:

“Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos.

Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado.

Tudo me foi entregue por meu Pai, e ninguém conhece o Filho, senão o Pai, e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar.

Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso.

Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e vós encontrareis descanso.

Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.”

Jesus diz a quem veio. Quem são os seus escolhidos, a quem ele e seu Pai revelam-se: aos pequeninos. Quem são os “pequeninos”? Os pobres, os deserdados, os refugiados, as mulheres, os gays, as prostitutas, os doentes, os presos, os torturados, os que são reprimidos, os que são mortos pelos poderosos e seus agentes, os sem terra, os sem teto, os indígenas, os sem nada. São esses com quem Jesus conversou e conviveu ao longo dos três anos de sua missão. Veio para eles e não para os “grandes”, os ricos, os soberbos, os que matam, os poderosos –destes, Jesus e seu Pai escondem-se, recusam-se a se revelar.

Jesus diz porque veio. Para estar ao lado dos que carregam pesados fardos de tanto trabalho, tanta acusação, tanta condenação, tanta fome, tanto futuro negado. Convida a estar com eles os que ao longo da história carregaram e carregam o fardo da escravidão, das censuras dos falsos líderes religiosos de todas as igrejas, dos falsos moralistas, dos que têm poder de punir –e punem todo o tempo.

Jesus diz quem é. Ele é o Manso e Humilde de coração. Não é o rei, como a propaganda de tanta gente da Igreja Católica e de outras Igrejas apregoa. Não é o todo poderoso, como os têm desejo de controlar a vida falseiam. Não é o guerreiro contra os infiéis, como os que só respiram guerra, ódio e morte apregoam.

Jesus é o encontro com o descanso verdadeiro, a serenidade, o repouso necessário para seguir em frente.

Os controladores de todas as religiões cuidam de escondê-lo de você e de toda a humanidade. Morrem de medo de as pessoas saberem.

[Mauro Lopes]

Concelebração da missa: Francisco e seus líderes aprofundam ideia de Igreja circular

Um “documento de trabalho” (“working paper”) ainda sigiloso da Congregação para o Clero do Vaticano está circulando em Roma e representa uma aparentemente pequena, mas significativa revolução no desenho da Igreja Católica. Seu título: “Sobre a concelebração nos colégios sacerdotais em Roma”. Se for aprovado, irá distanciar a Igreja um pouco mais da concepção monárquica/vertical adotada a partir do segundo milênio e reafirmada por conservadores como os papas João Paulo II e Bento XVI. E representará uma aproximação com a ideia de uma Igreja circular/sinagogal, característica da relação de Jesus com seus amigos e amigas e adotada durante o primeiro milênio, sendo retomada no Vaticano II e, agora, por Francisco.

O tema do documento é uma nova diretriz para as missas quando há vários sacerdotes presentes, especialmente em seminários, mosteiros, reuniões, assembleias. Apesar de ser voltada a Roma, é certo que se a orientação for aprovada deverá espalhar-se pelo planeta. Diz o texto: “é preferível a Missa concelebrada à celebração individual”. Ou seja: quando há vários padres presentes, eles devem celebrar a Eucaristia juntos. É algo que se tornou corriqueiro no Brasil, especialmente durante os anos em que as correntes vinculadas ao Vaticano II eram hegemônicas, mas foi restringido mais e mais pela Cúria romana e, no Brasil, pela hegemonia restauracionista. A norma inverteu-se: é preferível a celebração individual à concelebração.

O texto reproduz trecho de um discurso do Papa Francisco aos sacerdotes, estudantes e formadores do Pontifício Colégio Espanhol de São José, em 1 de abril passado, em Roma (aqui a íntegra): “Trata-se de um desafio permanente para superar o individualismo e viver a diversidade como uma dádiva, procurando a unidade do presbitério, que é sinal da presença de Deus na vida da comunidade. O presbitério que não mantiver a unidade, na realidade expulsa Deus do próprio testemunho. Não dá testemunho da presença de Deus. Rejeita-o. Deste modo, congregados em nome do Senhor, de maneira particular quando celebrais a Eucaristia, manifestais inclusive sacramentalmente que Ele é o amor do vosso coração.” A concelebração simboliza e atualiza o espírito da missa como celebração festiva da presença amorosa de Jesus Cristo na comunidade de fiéis.

Segundo o documento, a missa, momento culminante da liturgia católica, deve, sempre que há uma concelebração, “converter-se em uma oportunidade de aprofundar a vida espiritual dos sacerdotes, com frutos importantes como a expressão da comunhão dos presbíteros das diversas igrejas particulares”. O texto, apesar de voltado para os centros de formação em Roma, alcança explicitamente o espírito da colegialidade que Francisco tem buscado implementar, como bispo de Roma, com os demais bispos do mundo: a concelebração expressa comunhão “que se manifesta de modo especial quando os bispos de distintas dioceses presidem a concelebração por motivo de suas visitas a Roma”.

Continue lendo “Concelebração da missa: Francisco e seus líderes aprofundam ideia de Igreja circular”

Shalôm: paz em plenitude, mesmo diante da opressão e do medo

Todos os Santos I, Wassily Kandinski, 1911, óleo sobre tela, Städtische Galerie in Lenbach, Munique, Alemanha.

Shalôm!

Shalôm aléikhèm!

Shalôm para vocês!

Neste domingo (23) os cristãos católicos encerram um período muito especial inserido nos 50 dias da celebração do Tempo da Páscoa: é denominado de Oitava da Páscoa. O sentido é místico (seguimento em grande proximidade os passos do Mestre): vivemos todos os dias desde o Domingo da Páscoa como se fosse um oitavo da semana, como se todo o tempo estivesse concentrado num único dia, o da Ressurreição e da grande alegria.

É um tempo raro, mais raro ainda é vive-lo nesta época frenética, colérica, na qual a fé parece ter se refugiado em fórmulas prontas sectárias. Viver este “oitavo dia da semana” como uma extensão do momento fundante do seguimento a Jesus Cristo, sua ressurreição, e a vitória da esperança sobre o medo e a dor.

A Liturgia da Palavra proposta pela Igreja acontece em torno de dois episódios ligados à ressurreição tomados do Evangelho de João (Jo 20, 19-31), o último deles um dos eventos mais conhecidos dos evangelhos, quando Tomé, que estivera ausente do primeiro encontro do Ressuscitado com os discípulos, encontra-o. É a origem das expressões “ver pra crer”, “sou como São Tomé” e assemelhadas.

Proponho que nos concentremos no primeiro encontro. Os discípulos estavam desnorteados e apavorados diante da perda de seu Mestre, preso, torturado e morto pelo consórcio entre as elites judaicas e o exército de ocupação romano, e pela onda de perseguições desencadeada a seguir.

Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana,

estando fechadas, por medo dos judeus,

as portas do lugar onde os discípulos se encontravam (v19)

Era um momento em tudo parecido com o que vivemos hoje, no Brasil e no mundo. A ameaça da trevas, a perseguição aos pobres e aos que os defendem a concentração do poder e da riqueza nas mãos das elites, a praga corrupção espalhada por toda a terra, os ricos a vender os pobres por um par de sandálias (Am 2,6), por uma emenda constitucional, pela terceirização das relações de trabalho, pela liquidação da Previdência Social.

Em meio ao fechamento e ao medo, Ele chegou. Sua presença e palavra mudaram tudo:

Shalôm aléikhèm! A paz esteja com vocês!

A tradicional saudação judaica não é apenas um cumprimento formal. Não é “olá! Como estão vocês?”. E não apenas um desejo de paz –ausência de brigas ou dissenções ou guerras. É muito mais..

É a expressão do desejo de que repouse a plenitude de todos os bens sobre aqueles a quem se dirige a saudação. É a manifestação de qual a vida deve ser pretendida.

Continue lendo “Shalôm: paz em plenitude, mesmo diante da opressão e do medo”

O Papa, no Domingo de Páscoa: defesa dos oprimidos e do Estado de Direito na AL

O Papa em sua homilia na missa de Páscoa na manhã deste domingo.

O Papa discursou por duas vezes numa manhã de sol que se seguiu a um aguaceiro neste Domingo de Páscoa (16) em Roma. Havia milhares de pessoas espremidas na Praça São Pedro, no Vaticano. Primeiro, numa homilia de improviso na Missa de Páscoa, quando afirmou que “a ressurreição de Cristo não é uma festa com muitas flores”, mas “o mistério da pedra descartada que torna-se o alicerce da nossa existência”. A seguir, na tradicional mensagem e bênção Urbi et Orbi (“à cidade e ao mundo”), Francisco disse que Cristo ressuscitado “cuida de quantos são  vítimas de escravidões antigas e novas”.

Ele mencionou diversos países e regiões na mensagem. Quanto à América Latina, pediu respeito ao Estado de Direito e chamou a atenção para as tensões políticas e sociais e para o tema da corrupção: “Jesus ressuscitado sustente os esforços de quantos estão empenhados, especialmente na América Latina, em garantir o bem comum das várias nações, por vezes marcadas por tensões políticas e sociais que, nalguns casos, desembocaram em violência. Que seja possível construir pontes de diálogo, perseverando na luta contra o flagelo da corrupção e na busca de soluções pacíficas viáveis para as controvérsias, para o progresso e a consolidação das instituições democráticas, no pleno respeito pelo Estado de Direito.”

Francisco clamou por paz na Síria e Oriente Médio, com menções diretas a Israel, Iraque e Iêmen. Pediu paz também à África, mencionando o Sudão do Sul, Sudão, Somália e República Democrática do Congo. Mencionou os conflitos na Ucrânia e abordou a crise econômica europeia, com destaque para tema do desemprego, pedindo emprego “sobretudo para os jovens”.

Continue lendo “O Papa, no Domingo de Páscoa: defesa dos oprimidos e do Estado de Direito na AL”

Sábado Santo: vivenciar o desespero do grande absurdo

Coliseo, William Congdon, 1951

Hoje, Sábado Santo (15) , é o dia em que os cristãos experimentam o grande absurdo da existência humana, o desespero da realidade terrível que marca nossa trajetória pessoal e coletiva; deparar-se com uma névoa tão densa que parece-nos, e assim tem sido ao longo da história da humanidade, nunca irá dissipar-se. O que vivemos os cristãos: Deus fez-se homem e foi preso, torturado, condenado, abandonado por seus amigos, deixado nu, à míngua, sem sequer as suas roupas, morto. E agora? Se Deus morreu e está enterrado num sepulcro, com uma monumental pedra sobre a entrada, o que resta?

O Tríduo Pascal, encerra-se na virada do Sábado Santo para o Domingo da Ressurreição. O Sábado Santo é o dia menos conhecido pelo público e foi, historicamente, menos valorizado. A atenção por séculos esteve concentrada na sexta-feira da Paixão, concentrada no suplício de Jesus, por conta de uma tradição dolorista construída pela Igreja ao longo da Idade Média. A Igreja institucional não inventou a tendência dolorista, mas aproveitou-se e potencializou o caráter neurótico  da civilização, que faz com que as imensa maioria das pessoas, castigadas por seu superego, vivam em culpa.

A exacerbação e individualização da celebração da Paixão tornou-se instrumento de controle e de desvinculação da morte de Jesus dos processos mais profundos, históricos, da trajetória humana. Mas o Sábado Santo, o dia do absurdo, convoca-nos a encarar esta realidade duríssima.

Continue lendo “Sábado Santo: vivenciar o desespero do grande absurdo”

Jesus: a morte de um preso político e não um “sacrifício religioso” ou “expiatório”

Victor Brecheret,Via Sacra, A Morte de Jesus na Pinacoteca de São Paulo (foto de minha autoria)

Sexta-feira da Paixão é como é conhecido o “miolo” do Tríduo Pascal cristão, situada entre a última refeição de Jesus com seus discípulos, quando ele reafirma seu ensinamento decisivo, o caminho do amor, e a virada do sábado para o domingo, momento de esperança de uma vida renovada. A sexta é dia de contemplar  a prisão, tortura, julgamento, pena (crucifixão) e morte de Jesus, destino comum ao de milhares, milhões de presos políticos antes e depois dele.

A cena é descrita em detalhes no Evangelho de João (Jo 18,1-19,42) e antecipada, na Primeira Leitura, pelo último Canto do Servo Sofredor ( o 4º), no qual o profeta Isaías antecipava, mais de 500 anos antes, que um Servo seria preso e torturado: “tão desfigurado ele estava que não parecia ser um homem ou ter aspecto humano -do mesmo modo ele espalhará sua fama entre os povos”. O profeta anunciava que ele seria desprezado,  esmagado e que, em sua entrega amorosa, radical e desafiadora do sistema, iria mostrar a nós, “ovelhas desgarradas” e acovardadas, o caminho da resistência e da justiça (Is 52,13 – 53,12).

Há uma maneira de encarar a caminhada decisiva de Jesus, resultado de suas escolhas ao longo da vida, com um pietismo adocicado-azedado e carregado de um falso moralismo, como se sua morte fosse culpa individual de cada pessoa simplesmente por termos nascido. Seria um “sacrifício religioso” expiatório para nos absolver, num ciclo que se torna punição eterna, sem absolvição, pois aprisiona os homens e mulheres a uma culpa sempre renovada, nunca purgada, sempre a necessitar o perdão do padre, do bispo da Igreja.

Continue lendo “Jesus: a morte de um preso político e não um “sacrifício religioso” ou “expiatório””