Papa: os pobres carregam a esperança e farão a revolução

O Papa com migrantes e refugiados na manhã desta quarta (27)

O Papa afirmou na manhã desta quarta (27) que “a esperança não é virtude para as pessoas com o estômago cheio”, que são  verdadeiros “inimigos da esperança”. Para Francisco, “os pobres são os primeiros portadores da esperança”, como José e Maria e os pastores de Belém. “Enquanto o mundo dormia recostado nas tantas certezas adquiridas, os humildes preparavam no silêncio a revolução da bondade. Eram pobres de tudo, mas eram ricos do bem mais precioso que existe no mundo, isto é, o desejo de mudança”.

As declarações de Francisco foram feitas na Praça São Pedro no lançamento da campana “Partilhar a viagem” da Caritas Internacionalis, voltada aos migrantes e ao tema do acolhimento aos refugiados.  Além da direção das Caritas, havia um sem número de migrantes e refugiados na praça, durante a Audiência Geral que marcou o início da campanha.

 Ao referir-se ao poeta francês Charles Péguy – “que deixou páginas estupendas sobre a esperança” –  o Papa observou que a imagem de um de seus textos evoca “os rostos de tanta gente que passou por este mundo – agricultores, pobres, operários, migrantes em busca de um futuro melhor e que lutaram tenazmente não obstante a amargura de um hoje difícil, cheio de tantas provações, animados porém pela confiança de que os filhos teriam uma vida mais justa e mais serena”.

Continue lendo “Papa: os pobres carregam a esperança e farão a revolução”

Caritas: nunca houve tantos muros no mundo – já são 66

Criança à sombra do muro na Cisjordânia

A Caritas Italiana divulgou nesta sexta (15) o dossiê À sombra do muro,  durante o seminário  “Além dos muros: comunidades que se encontram e nos contam”,  que aconteceu nos últimos dois dias em Roma, com uma atenção especial aos muro edificados por Israel contra os palestinos. O dossiê aponta: nunca houve tantos muros a separar países, a impedir migrantes de buscarem uma chance de vida, a manter os pobres longe dos ricos. São 66 muros contra migrantes, pobres e vítimas de guerra no mundo hoje. Para que se tenha uma ideia do modelo gerado pelo capitalismo, havia em 1989, quando caiu o Muro de Berlim, 16 muros em todo o planeta.

O projeto neoliberal, depois da vitória sobre o “socialismo real” do Leste europeu, revelou-se uma antiutopia. Em vez de oportunidades, progresso e riqueza, miséria , restrições cada vez maiores às liberdades e muros. Segundo o dossiê, ”a globalização, que deveria ter levado a uma eliminação progressiva das barreiras remanescentes,  foi na realidade a causa do renascimento dos temores sobre a segurança. Um terço dos países do mundo possui atualmente barreiras, de diversas tipologias, ao longo de suas fronteiras”.

Para além da divisão entre os que estão de cada lado dos muros, a separação em concreto e cercas remete a dois projetos, como afirmou o Papa Francisco no encerramento do III Encontro Mundial dos Movimentos Populares, em 5 de novembro de 2016, no Vaticano: “Um projeto-ponte dos povos diante do projeto-muro do dinheiro”.

Os 66 muros estão assim divididos: 36 na Ásia e Oriente Médio; 16 na Europa; 12 na África; e dois na América (Estados Unidos/México e México/Guatemala). Veja no quadro abaixo:

Continue lendo “Caritas: nunca houve tantos muros no mundo – já são 66”

Mensagem do Papa para o Dia do Migrante e do Refugiado: acolher, proteger, promover e integrar

O Vaticano divulgou nesta segunda (21) a mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado, a ser celebrado em 14 de janeiro de 2018. São quatro dimensões temáticas da celebração: os verbos acolher, proteger, promover e integrar. Grupos conservadores imediatamente levantaram-se contra a mensagem papal. O texto, belo e assertivo, busca apresentar de maneira resumida as posturas que se esperam dos governos e dos povos no acolhimento aos que chegam expulsos de seus países de origem, num triste “sinal dos tempos” do novo século. Francisco deseja que os países atuem com generosidade e priorizem a segurança pessoal dos refugiados à nacional -no final, a íntegra da mensagem.

Acolher – segundo o Papa, esta dimensão significa “oferecer a migrantes e refugiados possibilidades mais amplas de entrada segura e legal nos países de destino” com medidas concretas como a concessão rápida de vistos humanitários que garantam “a reunificação familiar” ou a abertura de corredores humanitários “para os refugiados mais vulneráveis”.

Proteger – Francisco enumerou uma série de ações de proteção que devem ser estimuladas: assistência consular adequada, “direito de manter sempre consigo os documentos de identidade pessoal”, acesso equitativo à justiça, “a possibilidade de abrir contas bancárias pessoais e a garantia duma subsistência vital mínima”. Na dimensão da proteção, o Papa ressaltou o direito dos refugiados ao trabalho, ao “acesso aos meios de telecomunicação”, a liberdade de movimento no país de destino e uma série de ações em defesa das crianças.

Promover – para o Papa, é preciso garantir aos migrantes e refugiados a liberdade religiosa e a liberdade de exercício profissional, com a facilitação das certificações obtidas nos países de origem. Um tema-chave para Francisco na esfera da promoção é a promoção da “reunificação familiar – incluindo avós, irmãos e netos – sem nunca o fazer depender de requisitos económicos”. Atenção e apoio mais dedicados devem ser reservados aos refugiados e migrantes portadores de deficiência.

Integrar – nesta dimensão, uma das formulações mais avançadas do Papa, para quem a integração dos refugiados e migrantes às sociedades que os acolhem não pode ser confundida com assimilação. “Insisto mais uma vez na necessidade de favorecer em todos os sentidos a cultura do encontro, multiplicando as oportunidades de intercâmbio cultural”, escreveu.

Poucas horas depois da divulgação do texto, as vozes conservadora já começaram a acusar o Papa. Um dos arautos do conservadorismo, o vaticanista italiano Marco Tosatti, logo acusou Francisco de ser contra a “a Europa e o Ocidente” –se quiser leia a íntegra do artigo no blog Stilum Curiae. A lógica do texto é a que impera na lógica conservadora, levada ao limite com Trump: os migrantes e refugiados são inimigos disfarçados de “coitadinhos”. Tosatti, num texto carregado de acusações e ironias, afirmou que o Papa indica “soluções ótimas e desejáveis ​​em um mundo idílico e utópico”. O Ocidente está em guerra, é o subtexto do artigo de Tosatti. Por isso, falar em integração e acolhimento é equivalente a traição. Para o colunista, o escândalo com a mensagem do Papa é ainda maior pelo fato de ela ser divulgada logo depois dos atentados de Barcelona e Turku (Finlândia). Para os conservadores, é tempo de Guerra Santa, e este Francisco, como o primeiro, insiste em falar de paz –eles odeiam o Francisco atual como odiaram o primeiro, e depois tentaram assimilá-lo e domesticá-lo.

[Mauro Lopes]

Continue lendo “Mensagem do Papa para o Dia do Migrante e do Refugiado: acolher, proteger, promover e integrar”