Dom Zumbi Maria Pires: a Igreja na senzala, com os seus, e não na Casa Grande

Dom José (Zumbi) Maria Pires, profeta da Igreja no seio do povo brasileiro

Leia ao final  o emocionante e emocionado texto-homenagem  de padre Gegê (Geraldo Natalino), negro como dom Zumbi Maria Pires, morador das favelas-senzalas-navios negreiros do Rio de Janeiro, terra de escravos que buscam afirmar sua resistência e altivez, neste momento enfrentando a ocupação dos capitães do mato/PMs-soldados do Exército.

Os profetas escolhem eternizar-se em 27 de agosto no Brasil. A síntese mais sensível deste dia, marcado em 2017 pela páscoa de dom José Maria Pires aos 98 anos, foi feita no texto de um padre, Luis Miguel Modino, pároco em São Gabriel da Cachoeira (AM), no coração da floresta amazônica, espanhol como dom Pedro Casaldáliga, em artigo para o site católico Religion Digital: 27 de agosto, dia em que os profetas vão ao céu. Sim, porque neste dia, dom Zumbi Maria Pires, o primeiro bispo negro da história do Brasil, decidiu celebrar no céu com dom Hélder Câmara e dom Luciano Mendes de Almeida, todos nascido para a eternidade num 27 do mês de agosto, em 1999 e 2006. Três dos maiores líderes da teologia latino-americana, da Teologia da Libertação.

Dom Zumbi e dom Hélder foram grandes amigos anos a fio. Os dois estiveram no Concílio Vaticano e ajudaram a acordar a Igreja de um longo sono ao qual ela voltaria tempos depois, quando  o cardeal Wojtyla decidiu que era tempo de disciplina e não de amor. Ambos celebraram o compromisso fundante da Igreja que retomou a trajetória das primeiras comunidades cristãs no principal evento do Concílio. Tão crucial foi o evento que aconteceu às margens da reunião oficial, reunindo 40 bispos e padres conciliares na Catacumba de Domitila, em 16 de novembro de 1965, às vésperas do encerramento do Concílio -as catacumbas eram locais de reunião secreta dos cristãos durante as perseguições do Império Romano.

Naquela noite, os 40 assinaram o Pacto das Catacumbas da Igreja Serva e Pobre, pelo qual comprometeram-se a uma vida eucarística, de pobreza, partilha, uma vida de lavar os pés dos pobres e com eles conviver.   Dos 40, oito eram brasileiros, entre eles exatamente dom Zumbi e dom Hélder. Eles assumiram 13 compromissos naquela noite histórica, dentre eles: viver como o povo, abrir mão dos títulos e roupas luxuosas, assim como do uso e ouro e prata (práticas ainda correntes na hierarquia católica), abrir mão de toda propriedade pessoal, estabelecer relações horizontais de diálogo em suas dioceses (leia este documento-chave para se entender a Igreja que Francisco busca resgatar clicando aqui).

Continue lendo “Dom Zumbi Maria Pires: a Igreja na senzala, com os seus, e não na Casa Grande”

Padres cantores – quando os ídolos caem e quebram

Padres Fábio Melo e Marcelo Rossi: o risco da idolatria

Padre Geraldo Natalino, conhecido como padre Gegê, é pároco da Paróquia Santa Bernadete, que abrange parte das comunidades de Higienópolis e Manguinhos, dois dos focos da ocupação militar em curso nas favelas do Rio de Janeiro.

Segundo a ONG Justiça Global, as operações militares que conjugam as tropas do Exército, PM e Polícia Civil, já causaram nos últimos dias sete mortes em Manguinhos e na favela vizinha, Jacarezinho. Em nota veiculada na segunda (21), a entidade afirmou que elas um “revide” após a morte de um policial da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core): “Não podemos admitir que os moradores das favelas do Jacarezinho e Manguinhos sejam vítimas de revide, tenham suas casas reviradas, suas escolas fechadas por tempo indeterminado e sejam impedidos de ir e vir. Não podemos mais aceitar que execuções sejam tratadas como ‘balas perdidas’ e não sejam investigadas. Repudiamos o avanço da militarização e todas as políticas a fim de asfixiar territórios negros! Toda solidariedade aos moradores das favelas do Jacarezinho e Manguinhos! Resistiremos as violências provocados pelo Estado! Resistiremos ao racismo!”

No mesmo espírito, padre Gegê havia saído (“Igreja em saída”, nos termos do Papa Franciso) às ruas das favelas, no domingo, para rezar e denunciar: “Importante dizer que é matança de pobre, é matança de preto, é política do Estado. Não é por acaso, não é do nada. Deus é contra essas mortes, mortes matada ferem a Deus”.

Veja o vídeo:

É com a autoridade de profeta inserido em seu povo e com a profundidade de teólogo e especialista em psicologia junguiana que ele escreveu este artigo instigante sobre as crises pessoais dos padres-cantores Marcelo Rossi e Fábio de Melo, que denunciam o próprio modelo dos padres pop star, transformados de padres-homens em padres-ídolos.

[Mauro Lopes]

Leia o artigo a seguir:

Continue lendo “Padres cantores – quando os ídolos caem e quebram”