Uma foto e um quadro-resumo de 16 pontos: os dois projetos em luta na Igreja

O “príncipe” Burke e o bispo do povo, dom Zumbi

A Igreja Católica vive hoje a disputa aberta entre dois projetos: um deles, liderado pelo Papa Francisco, pretende aprofundar o caminho aberto pelo Concílio Vaticano II (1962-1965); o segundo, liderado por um grupo de cardeais e bispos conservadores e por larga fatia da Cúria romana, pretende ver restaurado o espírito do Concílio de Trento (1545-1563).

Os dois projetos estão simbolizados pela foto acima, que reúne duas imagens: as do cardeal Raymond Burke, um dos líderes da oposição ao Papa Francisco e de dom José Maria Pires, o dom Zumbi, que participou do Vaticano II. A imagem de Burke é recente; a de dom Zumbi é dos anos 1970, quando era o arcebispo da Paraíba –ele morreu no último 27 de agosto, aos 98 anos.

Há um julgamento consensual entre os teólogos e a hierarquia sobre a relevância do Concílio de Trento, que viu-se obrigado a dar conta das novas realidades surgidas à época: o fim da Idade Média, a Reforma e o nascimento da Modernidade hostil à religião. A questão não é o julgamento histórico daquele concílio, mas o desejo dos segmentos conservadores da hierarquia e do laicato de restaurar seu espírito, transplantando para o século 21 a doutrina e o modo de ser e fazer Igreja de meio milênio atrás.

O julgamento sobre o Vaticano II não tem nada de consensual. Os segmentos progressistas, que apoiam o Papa Francisco, consideram-no com o evento que marcou a retomada do diálogo da Igreja com o tempo, a Modernidade e a pós-Modernidade. Os conservadores atacam-no duramente, de maneira velada (a maioria) ou aberta (caso de líderes como o cardeal Robert Sarah, atual prefeito da Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos do Vaticano): consideram o concílio liderado por João XXIII a “porta aberta” na Igreja para a licenciosidade, a anarquia, a “subversão”.

O centro de aglutinação e liderança conservadora na Igreja esteve (e ainda está) solidamente ancorado na Cúria romana. Não é à toa que o aspecto central do governo de Francisco no que toca à estrutura eclesial é a reforma radical da Cúria e o esvaziamento de seu poder, com a valorização das conferências eclesiais nacionais, conforme o projeto do Vaticano II e que foi abortado por João Paulo II e Bento XVI.

Leia o quadro-resumo abaixo e saiba quais são os 16 pontos que separam os restauradores tridentinos dos reformadores  do Vaticano II.

Continue lendo “Uma foto e um quadro-resumo de 16 pontos: os dois projetos em luta na Igreja”

Dom Zumbi Maria Pires: a Igreja na senzala, com os seus, e não na Casa Grande

Dom José (Zumbi) Maria Pires, profeta da Igreja no seio do povo brasileiro

Leia ao final  o emocionante e emocionado texto-homenagem  de padre Gegê (Geraldo Natalino), negro como dom Zumbi Maria Pires, morador das favelas-senzalas-navios negreiros do Rio de Janeiro, terra de escravos que buscam afirmar sua resistência e altivez, neste momento enfrentando a ocupação dos capitães do mato/PMs-soldados do Exército.

Os profetas escolhem eternizar-se em 27 de agosto no Brasil. A síntese mais sensível deste dia, marcado em 2017 pela páscoa de dom José Maria Pires aos 98 anos, foi feita no texto de um padre, Luis Miguel Modino, pároco em São Gabriel da Cachoeira (AM), no coração da floresta amazônica, espanhol como dom Pedro Casaldáliga, em artigo para o site católico Religion Digital: 27 de agosto, dia em que os profetas vão ao céu. Sim, porque neste dia, dom Zumbi Maria Pires, o primeiro bispo negro da história do Brasil, decidiu celebrar no céu com dom Hélder Câmara e dom Luciano Mendes de Almeida, todos nascido para a eternidade num 27 do mês de agosto, em 1999 e 2006. Três dos maiores líderes da teologia latino-americana, da Teologia da Libertação.

Dom Zumbi e dom Hélder foram grandes amigos anos a fio. Os dois estiveram no Concílio Vaticano e ajudaram a acordar a Igreja de um longo sono ao qual ela voltaria tempos depois, quando  o cardeal Wojtyla decidiu que era tempo de disciplina e não de amor. Ambos celebraram o compromisso fundante da Igreja que retomou a trajetória das primeiras comunidades cristãs no principal evento do Concílio. Tão crucial foi o evento que aconteceu às margens da reunião oficial, reunindo 40 bispos e padres conciliares na Catacumba de Domitila, em 16 de novembro de 1965, às vésperas do encerramento do Concílio -as catacumbas eram locais de reunião secreta dos cristãos durante as perseguições do Império Romano.

Naquela noite, os 40 assinaram o Pacto das Catacumbas da Igreja Serva e Pobre, pelo qual comprometeram-se a uma vida eucarística, de pobreza, partilha, uma vida de lavar os pés dos pobres e com eles conviver.   Dos 40, oito eram brasileiros, entre eles exatamente dom Zumbi e dom Hélder. Eles assumiram 13 compromissos naquela noite histórica, dentre eles: viver como o povo, abrir mão dos títulos e roupas luxuosas, assim como do uso e ouro e prata (práticas ainda correntes na hierarquia católica), abrir mão de toda propriedade pessoal, estabelecer relações horizontais de diálogo em suas dioceses (leia este documento-chave para se entender a Igreja que Francisco busca resgatar clicando aqui).

Continue lendo “Dom Zumbi Maria Pires: a Igreja na senzala, com os seus, e não na Casa Grande”