CNBB: quando a diplomacia não combina com a profecia e o Evangelho

Dom Sérgio da Rocha, presidente da CNBB

Padre Luis Miguel Modino avalia as duas notas lançadas nesta quinta-feira (19) pela CNBB para marcar o encerramento de sua 56ª Assembleia Geral, em Aparecida (SP). Falta profetismo e Evangelho à entidade dos bispos brasileiros; sobram diplomacia e silêncios cúmplices

Por padre Luis Miguel Modino, pároco na Diocese de São Gabriel da Cachoeira*

Sabemos que não é fácil chegar ao consenso dentro de uma Conferência Episcopal tão grande como a brasileira, com tendências, mentalidades e espiritualidades tão diversas. Porém, quando se escolhe o caminho da diplomacia, do “politicamente correto”, isso nos distancia da profecia e, por consequência, do Evangelho.

O episcopado brasileiro publicou neste 19 de abril duas notas nas quais pretende apresentar sua postura diante do momento sócio-político que o país atravessa e das eleições que devem acontecer em outubro. Os textos são resultado dos debates levados a cabo na 56ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que reuniu de 11 de abril até hoje (20) os prelados do país.

Eram pronunciamentos esperados, mas em muitos deixaram um gosto agridoce, com palavras temperadas que tentam agradar a todos, mas que acabam produzindo o efeito oposto.

Na primeira nota, sob o título de “Mensagem da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil ao Povo de Deus” (veja a íntegra no final), a CNBB começa defendendo-se dos ataques sofridos nas redes sociais, dos quais participam grupos conservadores e reacionários, com o apoio mais ou menos explícito de padres, alguns com grande popularidade, sem qualquer  atitude concreta por parte dos bispos dos quais dependem canonicamente. São estes os mesmos grupos nos quais confluem interesses políticos, econômicos e religiosos, que perseguem os bispos e a CNBB.

Continue lendo “CNBB: quando a diplomacia não combina com a profecia e o Evangelho”

Ao redor de Marielle, Lula e padre Amaro, uma Igreja dividida e que abandona os seus

Dom Angélico e Lula, na celebração ecumênica em São Bernardo

Vive-se uma situação paradoxal no Brasil. Lideranças populares com histórias profundamente ligadas à Igreja Católica foram mortas ou perseguidas sob o silêncio cúmplice da cúpula da Igreja, enquanto um segmento estridente de integristas aplaude os algozes. Marielle Franco foi martirizada numa execução brutal; Lula, vítima de uma perseguição sem tréguas até a prisão, assim como o padre José Amaro Lopes de Souza.

Em tornos deles, a Igreja brasileira dividiu-se entre uma postura de solidariedade e oração de segmentos vinculados à Teologia da Libertação; uma hostilidade agressiva dos tradicionalistas; e um distanciamento acovardado da cúpula. Incrivelmente, as mesmas reações foram observadas diante da prisão de um integrante do clero, o padre José Amaro Lopes de Souza, considerado sucessor de irmã Dorothy Stang em Anapu (PA), e detido desde 27 de março último numa articulação entre latifundiários e a polícia do Pará.

Como em raros momentos, a Igreja mostra sua fratura à sociedade à luz do dia e, mais grave, apresenta-se como instituição que não acolhe os seus.  Ao mesmo tempo, o Papa acaba de lançar uma Exortação Apostólica dizendo que o único caminho da santidade cristã é a vida com os pobres contra as injustiças.

Por Mauro Lopes

Marielle Franco foi catequista e participou da Pastoral da Juventude na favela da Maré, na adolescência; mesmo depois de adulta, quando se afastou da Igreja por ser lésbica e militante de esquerda numa Arquidiocese dominada por integristas, não abdicou da fé. Criada numa família católica, manteve-se às margens, aproximou-se da religiosidade de matriz afro-brasileira e continuou a frequentar igrejas, especialmente ao lado da irmã, Anielle.

Luis Inácio Lula da Silva também foi criado numa família católica. Sua mulher, Marisa Letícia, católica desde a infância –seu avô, Giovanni, ergueu uma capela em homenagem a Santo Antônio, no sítio da família, em São Bernardo do Campo, que está de pé até hoje. A aproximação maior de Lula com o catolicismo deu-se no processo das lutas sindicais no final dos anos 1970 e a seguir na fundação do PT, quando teve apoio das bases da Igreja, especialmente as Comunidades Eclesiais e Base teólogos e teólogas vinculados à Teologia da Libertação.

Padre Amaro e Dorothy Stang

Padre José Amaro é um homem da Igreja há décadas. Uma nota da Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM-Brasil) resume bem a trajetória do sacerdote: “Milhares de trilhas iniciadas por irmã Dorothy Stang, continuam abertas depois de seu martírio em 12 de fevereiro de 2005, no município de Anapu, Estado do Pará. Trilhas estas continuadas pelo padre Amaro Lopes, conhecido, amado e respeitado por sua incansável luta em defesa dos direitos humanos, especialmente dos camponeses, pequenos agricultores da região de Anapu. Gente simples e de grande valor na defesa da Amazônia e da ecologia integral. Dando continuidade ao trabalho de irmã Dorothy, padre Amaro atua no município de Anapu (PA), na Paróquia Santa Luzia, como líder comunitário e coordenador da Comissão Pastoral da Terra (CPT) na região.”

Continue lendo “Ao redor de Marielle, Lula e padre Amaro, uma Igreja dividida e que abandona os seus”

Sínodo do jovens: no ritmo da primavera de Francisco, rejeição à agenda conservadora

Por Mauro Lopes

Mais de 300 jovens de todo o mundo estiveram reunidos em Roma na semana passada (de 19 a 24 de março) e aprovaram um documento para o Sínodo dos Bispos sobre a juventude e a fé convocado pelo Papa para outubro próximo. O documento foi resultado de discussões em dezenas de países e sugestões recolhidas em grupos formados no Facebook por mais de 15 mil jovens. Toda a agenda integrista-conservadora de oposição ao Papa foi rechaçada; no texto não se fala de guerra ao aborto, aos gays, aos muçulmanos, aos pobres ou os ideais socialistas. Ao contrário, o documento é uma confirmação da primavera de Francisco entre o que pode ser descrita como a “juventude católica”.

Os pontos centrais do documento são: diálogo, compaixão, apelos por uma Igreja menos severa e moralista, exigência de abertura eclesial, aos gays ao tema do aborto e às questões de gênero em geral, prioridade à questão ambiental e à solidariedade aos pobres e perseguidos pelo sistema. O tema de maior destaque no texto confronta o clericalismo: por três vezes, os jovens e as jovens exigem direito ao protagonismo da a mulher no interior da Igreja. O encontro preparatório do Sínodo acolhe um movimento que tem sido ensaiado pelo Papa e representaria uma mudança histórica no interior da Igreja: uma aliança entre os carismáticos e os segmentos progressistas, rompendo o alinhamento daqueles com as teses integristas. Se tal movimento ocorrer, desenhará um novo perfil da Igreja católica no século 21.

É espantoso ler o documento aprovado em comparação com a cruzada moralista dos integristas que, por sua agressividade e volume, parecem por vezes vocalizar a opinião da maioria dos católicos e católicas. Não é isso o que indica o documento dos jovens. Eles reconhecem que “há um grande desacordo entre os jovens, tanto dentro da Igreja quanto no resto do mundo, sobre alguns de seus ensinamentos que são especialmente controversos hoje em dia”. Alguns exemplos listados no documento: “contracepção, aborto, homossexualidade, uniões sem casamento formal, casamento e como o sacerdócio é percebido em diferentes realidades da Igreja.” O texto reconhece que “muitos jovens  desejam que a Igreja mude seu ensinamento ou, pelo menos, explique-lhes melhor sua posição. Embora haja um debate interno, jovens católicos cujas convicções estão em conflito com o ensino oficial ainda desejam fazer parte da Igreja.” Continue lendo “Sínodo do jovens: no ritmo da primavera de Francisco, rejeição à agenda conservadora”

Telefonema do Papa à família de Marielle foi articulado na Argentina

Dona Marinete da Silva, mãe de Marielle Franco, revelou na missa de sétimo dia da filha que a família recebeu um telefonema de solidariedade do Papa. A iniciativa de Francisco foi resultado de uma articulação acontecida na Argentina, sem qualquer participação da Arquidiocese do Rio ou da CNBB.

Por Mauro Lopes

A mãe de Marielle Franco, Marinete da Silva, falou aos presentes à missa de sétimo dia celebrada ontem (20) na Igreja Nossa Senhora do Parto, no centro do Rio – a missa foi transferida da Maré para que todos pudessem em seguida participar do ato/culto ecumênico na Cinelândia.  Ao final da celebração, o sacerdote convidou a família a se pronunciar, caso desejasse. Dona Marinete agradeceu o carinho recebido e informou então que o Papa Francisco havia telefonado.

A última foto que Marielle mandou para a irmã, Anielle

A família de Marielle é católica. Sua mãe é devota de Nossa Senhora Aparecida e foi ministra da Eucaristia na Maré. A última foto que Anielle recebeu de sua irmã, ainda viva, horas antes do assassinato, foi das duas diante de um altar em uma igreja no Rio. Marielle foi catequista e ativa participante da Pastoral da Juventude ainda adolescente. Depois, afastou-se da Igreja Católica que vive, no Rio, um clima quase irrespirável de conservadorismo e censuras e condenações e falso rigorismo moral.

Continue lendo “Telefonema do Papa à família de Marielle foi articulado na Argentina”

Um novo tipo de padres e leigos na Igreja: vivem de ódio

Olavo de Carvalho (esquerda) e padre Paulo Ricardo (centro): dois líderes do catolicismo de ódio e perseguições

Há um fenômeno novo na Igreja Católica: padres, leigos e leigas intregristas que se movem em violentas campanhas contra tudo o que represente um risco para a idealização de uma igreja branca, “pura”, “imaculada”, misógina.  Olham os pobres com repulsa e aqueles que se levantam para  Ignoram o Evangelho, hostilizam a teologia latino-americana e guiam-se por  documentos de recorte medieval/europeu. Católicos e católicas assim sempre existiram, mas com as redes sociais e o aprofundamento da luta de classes no Brasil e no mundo, saíram a público e empunham a bandeira do catolicismo como uma religião em plena Cruzada contra os “infiéis”.

Perseguiram dom Oscar Romero, dom Paulo Evaristo Arns, dom Hélder Câmara, dom Luciano Mendes de Almeida no passado, com base em intrigas e maledicências pronunciadas a meia voz. Entre outros, são perseguidos hoje,  xingados e ameaçados de agressões e morte: frei Leonardo Boff, Frei Betto,  a freira Ivone Gebara, padre Júlio Lancellotti, padre Paulo Sérgio Bezerra , leigos, leigas, padres, freiras e bispos que defendem os indígenas, os sem terram os sem teto, os favelados país adentro, além dos franciscanos e da própria CNBB. Dom Pedro Casaldáliga foi perseguido no “velho estilo” e hoje, aos 90 anos, sofre também com a onda de ódio estridente. 

Padre França e o então bispo Bergoglio

No último domingo (17), o padre e teólogo Mário de França Miranda foi xingado em altos brados por dois homens durante missa na Paróquia da Ressurreição, em Ipanema (Rio), ao comparar o martírio de Marielle Franco aos de Martin Luther King e dom Oscar Romero.  Aos 81 anos, é um teólogo de referência no mundo. Graduado em Filosofia pela Faculdade de Filosofia Nossa Senhora Medianeira,  mestre em Teologia pela Faculdade de Teologia da Universidade de Innsbruck, Áustria, e doutor em Teologia pela Universidade Gregoriana de Roma, Itália. Amigo do Papa Francisco, ambos jesuítas, atuou no grupo de trabalho como o que elaborou o Documento da Conferência de Aparecida, em 2007, sob a coordenação do então Cardeal Jorge Mário Bergoglio. Foi membro da Comissão Teológica Internacional durante 11 anos, de 1992 a 2002. 

Leia o artigo de padre Gegê (Geraldo Natalino) sobre este “tipo emergente de clero e laicato”:

Tive o sagrado privilégio te ter como professor e orientador de mestrado na PUC-RJ a figura reconhecida internacionalmente do padre, pastor e intelectual França Miranda. Seguramente, uma das personalidades teologicamente mais importantes da igreja do Brasil e da América Latina. Com lamentável tristeza li a notícia de que foi durante a missa chamado de “padre filho da p…” por dois homens depois de se referir a Marielle (também a Mather Luther King e dom Oscar Romero) como defensora dos socialmente banidos. Lamentável, estimado França!

Porém, em meu escrito de solidariedade e repúdio, não posso, em estado de PROTESTO, deixar de dizer que essa ação insana sofrida pelo ilustre e respeitadíssimo sacerdote, não constitui uma atitude isolada no contexto atual da IGREJA. Há um grupo crescente de padres e leigos(as) no interior da Igreja fomentando aberta e publicamente o ódio, a intolerância, o desrespeito e a guerra nas redes sociais, pregações etc. Repito: há um tipo EMERGENTE de clero e laicato, intolerantes e beligerantes in extremis. Assim: in extremis, a despeito do caminho inversamente oposto trilhado e exigido pelo Papa Francisco. Esse segmento eclesial aguerrido faz da Igreja, sobretudo no mundo virtual (mas não só), um “PEIXE BETA”, peixe belíssimo e encantador, mas pouquíssimo capaz de convivialidade.

Continue lendo “Um novo tipo de padres e leigos na Igreja: vivem de ódio”

Franciscanos e padres periféricos protagonizam missas e cultos ecumênicos de 7º dia de Marielle e Anderson

Missa de sétimo dia em celebração da vida de Marielle e Anderson será na próxima terça (20) às 12h na Igreja de São Francisco no centro de São Paulo, lugar histórico dos franciscanos –devem ocorrer missas em Igrejas espalhadas pelo país. Padre Júlio Lancellotti e IPDM (Igreja Povo de Deus em Movimento) em São Paulo e os padres periféricos e perseguidos pela Arquidiocese do Rio assumem protagonismo. Haverá orações e cultos ecumênicos campais no fim da tarde de terça no vão do MASP (SP) e na Cinelândia (Rio) -o franciscano Leonardo Boff estará lá. Jornal do Vaticano fez enfática defesa de Marielle, enquanto CNBB continua calada e Arquidiocese do Rio tergiversa e permite que padres ao redor de dom Orani Tempesta ataquem a memória da líder assassinada.

Por Mauro Lopes

No vazio aberto pela ausência da CNBB e pela distância fria dos cardeais das duas maiores arquidioceses do país (São Paulo e Rio), a Ordem dos Frades Menores, conhecida como Ordem dos Franciscanos, ao lado de padres periféricos, assumiu o protagonismo histórico da Igreja Católica no Brasil num momento especialmente trágico, com a intervenção federal/militar no Rio e as execuções de Marielle Franco e Anderson .

Está marcada para a próxima terça-feira (20), às 12h, uma missa de sétimo dia para celebrar a vida de Marielle Franco e Anderson Pedro Gomes. Foi marcada pela Província Franciscana da Imaculada Conceição, que reúne em torno de si centenas de homens e mulheres, ordenados ou leigos (e leigas), nos Estados de São Paulo, Rio, Espírito Santo, Paraná e Santa Catarina. Será presidida pelo líder máximo da província, frei Fidêncio Vanboemmel, e concelebrada por dezenas de sacerdotes franciscanos e padres de outras ordens, congregações e paróquias. Será, talvez, a celebração mais relevante da Igreja em São Paulo em décadas.

Um dos articuladores da missa é padre Júlio Lancellotti, vigário da Pastoral do Povo da Rua de São Paulo e discípulo de dom Luciano Mendes de Almeida e de dom Paulo Evaristo Arns e uma referência fundamenta da Igreja “em saída” propugnada pelo Papa Francisco. Padre Júlio é perseguido cotidianamente pelo poder econômico e político de São Paulo, assim como pelos integristas católicos –nas últimas semanas sofreu ameaças de morte pelas redes sociais. “O momento é grave, os ataques aos direitos dos mais frágeis não param e, se a Igreja precisa estar com os menores todo o tempo, ainda mais nesta hora”, disse padre Júlio ao Caminho Pra Casa. Frei Fidêncio afirmou ao blog que é hora de afrontar o medo: “É um momento em que nós pastores devemos ser proféticos e deixar o medo de lado”.

Além da missa, haverá em São Paulo uma oração ecumênica de sétimo dia na abertura de uma manifestação no vão do MASP às 17h de terça. Lá estarão, entre outros:  o padre Paulo Sérgio Bezerra, um dos líderes do IPMD (Igreja Povo de Deus em Movimento)e pároco da Paróquia Nossa Senhora das Graças, na zona leste de São Paulo; há anos perseguido, caluniado e ameaçado por grupos de católicos integristas; o padre  Antônio Naves, da Comissão Pastoral da Terra; Walmir Damasceno, sacerdote de Tradição Bantu; e o pastor  Fábio Bezerril Cardoso, da CCPV (Comunidade Cristã Palavra e Vida).

Padre Bezerra cita a Exortação Apostólica Evangelii Gaudium (Alegria do Evangelho) que, lançada em novembro de 2013, foi como um programa de governo do Papa Francisco, dizendo que ela “deveria animar a Igreja no Brasil”. “O Papa escreveu assim: ‘prefiro uma Igreja acidentada, ferida e enlameada por ter saído pelas estradas, a uma Igreja enferma pelo fechamento e a comodidade de se agarrar às próprias seguranças’ (EG 49). É terrível, mas chega a ter dimensão de cumplicidade diplomática o silêncio e a omissão dos bispos de SP e RJ que, como cardeais, devem dar até o sangue pelo seu povo, e não se manifestaram explicitamente contra a barbaridade do assassinato político de Marielle Franco. A evidência do fato desbanca o silêncio diplomático ou a ambiguidade das palavras subentendidas. Por outro lado, a voz do povo é mais corajosa que a dos seus pastores. Aí o descompasso é evidente e progressivo.”

Continue lendo “Franciscanos e padres periféricos protagonizam missas e cultos ecumênicos de 7º dia de Marielle e Anderson”

A segunda morte de Marielle

Os conservadores e fundamentalistas, não contentes com a execução de Marielle Franco, querem matá-la pela segunda vez, condenando-a por ser mulher, negra, pobre, de esquerda, feminista e homoafetiva

Um artigo do teólogo César Kuzma*

Há um sistema que mata! Mas há um fundamentalismo e conservadorismo (político e religioso) que insistem em matar ainda mais, mesmo depois, tem que sangrar. Incrível!

Há limite para o ódio? Chega a ser assustador.

Interessante como alguns rótulos colocados tentam definir e marcar as pessoas. Não se vê mais nada além, são respostas impostas de fora, taxativas e preconceituosas. Triste! Absurdo!

Enquanto alguns choram a morte de Marielle, sendo ela simbólica pela forma como aconteceu e por ser ela a pessoa que era (pela história, vida e opções que a precederam), outros, sem compaixão, ou com um pseudo-autoritarismo, até cristão, dizem: mulher, negra, pobre, de esquerda, feminista, defensora dos DH, lésbica…. Ofensas que matam! De novo! E outra vez!

Estes jargões atirados são na verdade causas de luta e protesto contra uma sociedade que “mata” mulheres, negando e abusando de seus direitos, ainda mais se forem negras e pobres, quanto mais vindas de comunidades carentes que denunciam qualquer “bom costume” perante a violência e injustiça que são submetidas diariamente. Para ter e ser voz tem que lutar, tem que sair sem abandonar a casa e a causa, sem negar a si mesma, na sua condição de mulher. Negra mulher, preta na cor.

Continue lendo “A segunda morte de Marielle”

Violência: Igreja Católica divide-se entre indignação e silêncio cúmplice

A professora Luciana e a vereadora Marielle -mulheres lideram e pagam alto preço

CNBB mais uma vez silencia diante da violência. Franciscanos levantam-se e acusam: “malditas as armas que ferem e matam, maldito o dinheiro que oprime ao invés de servir, malditas estruturas que roubam a humanidade das pessoas”. Arquidiocese do Rio chegou a relacionar execuções de Marielle  e Anderson ao tema do aborto 

Por Mauro Lopes

Passadas 20 horas da execução da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista  Anderson Pedro Gomes no Rio de Janeiro, a direção nacional da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB),  permanecia em silêncio na tarde de quinta-feira (15) -em pleno transcurso da Campanha da Fraternidade dedicada ao tema da violência. Da mesma forma, mais de 24 horas depois da violência brutal da PM e da GCM que se abateu sobre servidoras e servidores municipais de São Paulo, a Arquidiocese da capital paulista permanecia silente.

A CNBB parece acuada diante das agressões seguidas que tem sofrido da direita católica –e reage recolhendo-se ao silêncio, em vez de colocar-se ao lado dos pobres do país, como fizeram as gestões da Conferência em outros tempos e como faz Francisco. O Papa é um exemplo: não se intimida diante da campanha que lhe movem os integristas católicos, e está onde os cristãos devem estar, sempre: com a vítimas.

Quem assumiu a frente da Igreja Católica no país, mais uma vez, foram os franciscanos.  Frei Fidêncio Vanboemmel, OFM, líder da Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil, divulgou na manhã desta quinta (15) uma nota vigorosa, contra a execução de Marielle e o ataque em de São Paulo, expressando a “indignação e tristeza” dos franciscanos.  “Malditas as armas que ferem e matam” é o título da nota. No texto, os franciscanos acrescentaram: “maldito o dinheiro que oprime ao invés de servir, malditas estruturas que roubam a humanidade das pessoas e as transformam em objetos usados de acordo com a conveniência de quem domina”.

Continue lendo “Violência: Igreja Católica divide-se entre indignação e silêncio cúmplice”

Do Papa à Cúria no discurso de Natal: não às intrigas e aos traidores

Francisco à Cúria na manhã desta quinta: reafirmação de seu papado

Por Mauro Lopes, com Religion Digital e agências

O Papa Francisco voltou a criticar a Cúria romana no tradicional discurso de Natal na manhã desta quinta-feira (21). Advertiu os hierarcas sobre os dois “perigos” que rondam a burocracia vaticana: 1) a lógica das intrigas e dos “pequenos grupos” que levam à “autorreferencialidade”, enquanto o Papa anuncia uma “Igreja em saída” e  2) a presença de “traidores da confiança” que solapam a reforma da Igreja e atacam Francisco diuturnamente.

Desde o histórico discurso  de Natal de 22 de dezembro de 2014, quando o Papa, diante dos todo-poderosos bispos e cardeais curiais, apresentou o que denominou como “catálogo” das 15 “doenças mais habituais na nossa vida de Cúria”, a hierarquia vaticana fica em suspense à espera do  evento tradicional -que sempre foi uma autocongratulação, especialmente nos papados de Wojtyla e Ratzinger. Em 2014, Francisco acusou os burocratas de endurecimento do coração, «alzheimer espiritual», vanglória, indiferença ao sofrimento dos pobres, apego às riquezas, entre outros “pecados”.

Em um discurso vigoroso, Francisco denunciou hoje “aqueles que se aproveitam da maternidade da Igreja,” pessoas “que foram cuidadosamente selecionadas para dar maior força ao corpo e à reforma, mas- ao não entender a importância de suas responsabilidades- deixaram-se corromper por ambição ou vanglória “.

Aqueles que traíram a confiança do Papa e que, “quando são delicadamente afastador, declaram-se equivocadamente mártires do sistema, do “Papa desinformado “, da” velha guarda “, em vez apresentar seu “mea culpa” – foi uma resposta de Francisco aos seguidos ataques do cardeal Gerhard Ludwig Müller que, desde seu afastamento da Congregação para a Doutrina da Fé,  em julho último, tornou-se um loquaz crítico do Papa, alinhando-se com os ultraconservadores católicos.

Continue lendo “Do Papa à Cúria no discurso de Natal: não às intrigas e aos traidores”

Os projetos em disputa: uma Igreja em saída ou a Igreja-empresa

O Papa e a Cúria romana: dois projetos de Igreja em disputa

O padre Eduardo Hoornaert, um dos maiores historiadores da Igreja, escreve um artigo exemplar sobre os dois projetos de Igreja em disputa neste momento: o da “Igreja em saída”, do Papa Francisco, a partir do Concílio Vaticano II, e o da “Igreja-empresa”, levado ao auge nos séculos XII e XIII, alicerçado numa estrutura de controle e terror, a Inquisição.

“O Papa Francisco sabe o que está dizendo e é exatamente isso o que o faz encontrar  oposição em certos setores da igreja”, escreve o padre Hoornaert. Houve luta contra o projeto dominante de Igreja, como o registra a “história fraca” do cristianismo, dos franciscanos aos valdenses até João XXIII. Ela só aflorou com força em 1968, na América Latina, na Conferência de Medellín, que assumiu a escolha de uma Igreja pobre de pobres –conforme a expressão do “papa bom”, João XXIII.

Casado, o padre Hoonaert vive a mesma situação de mais 100 mil padres ao redor do mundo:  nunca abandonaram a Igreja. Eles representam 25% do total de sacerdotes no mundo, ao redor de 400 mil. No Brasil, aproximam-se de 1/3 do total de sacerdotes: 5 mil em 18 mil. Esses números não incluem os padres que são casados informalmente ou mantêm atividade sexual regular de maneira mais ou menos clandestina.

Belga de nascimento, aos 77 anos o padre Hoonaert tem uma trajetória impressionante na Igreja. Chegou ao Brasil em 1958 e aqui ficou. Foi professor nos históricos institutos de teologia de João Pessoa (1958-1964), Recife (1964-1982), e Fortaleza (1982- 1991), todos fechados pelo inverno conservador sob o Papa João Paulo II. Foi um dos fundadores da Comissão de Estudos da História da Igreja na América Latina (CEHILA), sendo seu  coordenador para o Brasil entre 1973 e 1978, responsável pelo projeto de edições populares entre 1978 e 1992, e entre 1993 e 2002 responsável pelo projeto História do Cristianismo e é coordenador do projeto História do Cristianismo no 3º Mundo, que publicou em 1995 o livro O Movimento de Jesus (Vozes). É requisitado em todo o país como assessor das Comunidades Eclesiais de Base , as CEB’s.

Autor de vários artigos e livros sobre História do Cristianismo Antigo, História da Igreja e História da Igreja na América Latina e no Brasil. Alguns deles: Formação do Catolicismo Brasileiro – 1550 – 1800 (Vozes, 1978), A Memoria do Povo Cristão (Zahar, 1986), O Cristianismo Moreno do Brasil (Vozes, 1990), Origens do Cristianismo (Paulus, 2016) e Em busca de Jesus de Nazaré – uma análise literária (Paulus, 2017).

Leia o brilhante artigo do padre Hoonaert (publicado originalmente em seu blog e depois em Ameríndia):

Continue lendo “Os projetos em disputa: uma Igreja em saída ou a Igreja-empresa”