Nas missas, proclama-se a divisão do pão e do peixe; mas a Igreja escuta cada vez menos

Foto de João Zinclar

A mais explícita indicação da consequência do amor proclamado por Jesus é repetida por seis vezes nos Evangelhos: a  partilha do pão e do peixe. Isso não acontece com nada mais nos textos de Mateus, Marcos, Lucas e João. As primeiras comunidades cristãs assumiram essa mensagem e praticaram um tipo de comunismo primitivo. Uma dessas  narrativas foi proclamada nas missas deste domingo (29); mas a Igreja quase não escuta mais

Por Mauro Lopes

Não há nada parecido nos Evangelhos: apenas a passagem da divisão dos pães e dos peixes é narrada seis vezes, sendo duas vezes em Mateus e Marcos. Neste 17º Domingo do Tempo Comum, ouviu-se nas missas na Igreja Católica e de algumas outras denominações o mais longo dos relatos, do Evangelho de João (leia ao final ou aqui).

É a expressão mais concretizada da mensagem central de Jesus: o amor só se realiza na partilha, no movimento que realizamos na direção do outro, da outra. Não há cristianismo quando vige a insensibilidade diante da miséria e da fome, das doenças que as acompanham, da opressão e humilhação dos mais pobres.

As primeira comunidades cristãs entenderam isso de maneira radical (indo à raiz) e, no relato dos primeiros dias, os Atos dos Apóstolos, por duas vezes está descrito como a mensagem de Jesus foi entendida, numa espécie de comunismo primitivo:

“Todos os fiéis viviam unidos e tinham tudo em comum. Vendiam as suas propriedades e os seus bens, e dividiam-nos por todos, segundo a necessidade de cada um.” (Atos 2, 44-45)

“A multidão dos fiéis era um só coração e uma só alma. Ninguém dizia que eram suas as coisas que possuía, mas tudo entre eles era comum. Com grande coragem os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus. Em todos eles era grande a graça. Nem havia entre eles nenhum necessitado, porque todos os que possuíam terras e casas vendiam-nas, e traziam o preço do que tinham vendido e depositavam-no aos pés dos apóstolos. Repartia-se então a cada um deles conforme a sua necessidade.” (Atos 4, 32-35)

Este comunismo primitivo foi brilhantemente anotado num pequeno livro de Rosa Luxemburgo, de 1905: O socialismo e as igrejas – o comunismo dos primeiros cristãos (Rio de Janeiro, Dois Pontos, 1986).

Continue lendo “Nas missas, proclama-se a divisão do pão e do peixe; mas a Igreja escuta cada vez menos”

Os leigos da pequena Osorno são os líderes da Igreja neste momento

Protesto de leigas e leigos em Osorno contra nomeação do bispo Juan Barros

Esculpida a mão por João Paulo II, a Igreja chilena encontra-se em estado terminal. Os corajosos leigos e leigas da pequenina Osorno são os grandes líderes do catolicismo no atual momento. Eles ousaram dizer NÃO ao clericalismo e à “cultura do Templo”. Para a hierarquia católica, os leigos e leigas são pessoas desprezíveis, incômodas, um estorvo. Mas Jesus era leigo, como seus discípulos e o maior santo da história, Francisco. Uma reflexão apresentada à comunidade da Paróquia Nossa Senhora do Carmo, em Itaquera, na zona leste de São Paulo.

Por Mauro Lopes

Neste domingo (10) tive a enorme alegria de ir à Igreja de Nossa Senhora do Carmo, em Itaquera, na zona leste de São Paulo, para participar de uma das sete celebrações eucarísticas o redor do 90 anos da paróquia. Foi um convite amigo do pároco, padre Paulo Sérgio Bezerra, das lideranças comunitárias do grupo Igreja Povo de Deus em Movimento (IPDM). Participei da missa e, logo depois da saudação inicial, apresentei à assembleia uma reflexão sobre o tema dos leigos e leigas na Igreja hoje.

A seguir, a íntegra do que falei lá:

Caros irmãos e irmãs, paz.

Estou aqui hoje com a missão de apresentar a vocês uma reflexão sobre a questão dos leigos e leigas na Igreja nos dias de hoje.

Começo com uma notícia estrondos: o Mestre de vocês era leigo.

Os discípulos do Mestre, seus primeiros seguidores, eram todos leigos.

O maior santo da Igreja, que ultrapassa as fronteiras do catolicismo e mesmo do cristianismo, São Francisco, era leigo.

Quando Maria Madalena encontrou Jesus no momento crucial da ressurreição, em João, como ela saudou-o? Não o foi como Vossa Santidade, Papa, eminente cardeal, ou, mais apropriadamente, como convém a um católico obediente, Vossa Eminência Reverendíssima, dom Jesus, senhor bispo ou simplesmente padre ou Vossa Reverendíssima. Nem o chamou, como eram expressões correntes à época de grande rabino ou ilustre mestre da lei ou sacerdote afamado.

Nada disso. Saudou-o, entre surpreendida, alegre e assustada, o que índica extrema espontaneidade, de Rabuni! O que quer dizer mestre, grande mestre ou ainda mais própria e intimamente, meu mestre, meu grande mestre.

Jesus sentava-se para conversar com seus amigos em roda. Ceava com eles em roda. Não havia um lugar mais elevado ou um trono reservado a ele para partilharem pão e vinho.

Continue lendo “Os leigos da pequena Osorno são os líderes da Igreja neste momento”

Corpus Christi: de uma “festa de guerra” ao encontro com o outro

A solenidade de Corpus Christi, criada no auge da cristandade para afirmar um catolicismo hegemônico com “espírito de guerra”, serviu ao desenvolvimento de uma religião na qual imagina-se comungar com Cristo no íntimo do coração, num rito ensimesmado,  sem preocupação com os que sofrem. Partilha-se o pão da eucaristia ignorando a fome de milhões de irmãos privados de pão, de justiça e de futuro. No Vaticano II, buscou-se reformar este espirito, aproximando a solenidade do centro da mensagem de Jesus Cristo: a doação de si para o outro, na convicção de que apenas a relação com o outro nos torna capazes de humanidade -e, portanto, de divindade.

Por Mauro Lopes, com texto de José Antonio Pagola | Ilustração: Guy Veloso,  da série “Penitentes”, Belém, Pará, Brasil (2006), tomado de Matersol  

A solenidade de Corpus Christi (Corpo de Cristo) celebrada hoje (31) foi estabelecida no século XII, auge da cristandade, como uma “festa de guerra”, animada por um espirito apologético. A dinâmica de sua criação foi a da afirmação da hegemonia da Igreja Católica, numa lógica ensimesmada que buscava fazer da missa o centro da vida do católico e do rito da comunhão um privilégio que conduzia ao ensimesmamento.

No Concílio Vaticano II foi reformada, tornou-se a solenidade do Corpo e Sangue de Cristo. Apesar de os conservadores buscarem manter este caráter de uma “festa de guerra”, ela é hoje, depois do Vaticano II, uma celebração do centro da mensagem de Jesus Cristo: a doação de si para o outro, na convicção de que apenas a relação com o outro nos torna capazes de humanidade -e, portanto, divindade.

Continue lendo “Corpus Christi: de uma “festa de guerra” ao encontro com o outro”

No fim, Jesus não mandou olhar pro céu, erguer palácios ou promover guerras

Um peregrino segura uma folha para receber o darsham matinal (a oferenda de comida), no Templo de Ouro dos Sikhs, Amritsar, Índia, foto de Abbas Attar (1944-2018), Magnum Photos, Irã. Publicada em Matersol, Manos da Terna Solidão (http://matersol.blogspot.com.br/)

Neste domingo (13) já no finzinho do Tempo da Páscoa, cristãos de diversas denominações, como os católicos, celebram a solenidade  conhecida como Ascensão do Senhor. Ela refere-se à conclusão da missão de Jesus, que “passa o bastão” para seus amigos e amigas. Jesus enviou-os a mudar o mundo e a si próprios, a disseminar a Boa Nova de um tempo-lugar chamado “Reino de Deus”. Não mandou ninguém ficar olhando para os céus, orar piedosamente, erguer palácios ou promover campanhas de ódio. 

Por Mauro Lopes

O texto sobre o qual se medita nas missas deste dia é extraído do Evangelho de Marcos (Mc 16,15-20), exatamente a passagem da ascensão. Como observou o excelente biblista da novíssima geração no Brasil, padre Francisco Cornélio, depois dos estudos bíblicos dos últimos 100 anos já se dá como certo que este trecho não estava no texto original do Evangelho e foi acrescentado décadas depois.

O episódio da ascensão de Jesus aparece em Marcos (como adendo posterior) e em Lucas (Lc 24, 50-53)  e há referência a ele no início do texto que relata a missão e vida das primeiras comunidades cristãs, o Atos dos Apóstolos (At 1, 9-11), cuja redação usualmente atribui-se ao mesmo Lucas. Não há qualquer referência ao episódio em Mateus ou João.

Há consenso também de que as passagens de Marcos, Lucas e dos Atos dos Apóstolos sobre a ascensão não são relatos jornalísticos, mas teológicos, voltados à animação das comunidades nascentes que sobreviviam debaixo de perseguição, divisões e ondas de desânimo.

Continue lendo “No fim, Jesus não mandou olhar pro céu, erguer palácios ou promover guerras”

Jesus não morreu pelos “nossos pecados” e sim por enfrentar o sistema

Cruz (detalhe), Arcabas (Jean-Marie Pirot), Igreja do Espírito Santo e de S. Alessandro Mártir, Arquidiocese de Portoviejo, Equador

Nesta Sexta-Feira da Paixão, Caminho Pra Casa publica artigo exclusivo de um dos maiores biblistas vivos, o frade italiano Alberto Maggi. A tradução é do biblista brasileiro padre Francisco Cornélio. No texto, Maggi demole duas ideias que estão na base do cristianismo falsificado que os integristas sustentam há séculos:  1) Jesus teria sido morto “pelos nossos pecados”;  2) essa seria “a  vontade de Deus”. A versão é insustentável com um exame realista e honesto dos textos bíblicos.  Os Evangelhos são claríssimos: Jesus morreu porque confrontou o Templo, um sistema de dominação e exploração dos pobres de Israel. Jesus não inaugurou o tempo da culpa, mas o da misericórdia e o da vida plena para os pobres. A íntegra do artigo a seguir.

Por Alberto Maggi   | Tradução: Francisco Cornélio

Jesus Cristo morreu pelos nossos pecados. Essa é a resposta que normalmente se dá para aqueles que perguntam por que o Filho de Deus terminou seus dias na forma mais infame para um judeu, o patíbulo da cruz, a morte dos amaldiçoados por Deus (Gl 3,13).

Jesus morreu pelos nossos pecados. Não só pelos nossos, mas também por aqueles homens e mulheres que viveram antes dele e, portanto, não o conheceram e, enfim, por toda a humanidade vindoura. Sendo assim, é inevitável que olhando para o crucifixo, com aquele corpo que foi torturado, ferido, riscado de correntes e coágulos de sangue expostos, aqueles pregos que perfuram a carne, aqueles espinhos presos na cabeça de Jesus, qualquer um se sinta culpado … o Filho de Deus acabou no patíbulo pelos nossos pecados! Corre-se o risco de sentimentos de culpa infiltrarem-se como um tóxico nas profundezas da psiquê humana, tornando-se irreversíveis, a ponto de condicionar permanentemente a existência do indivíduo, como bem sabem psicólogos e psiquiatras, que não param de atender pessoas religiosas devastadas por medos e distúrbios. Continue lendo “Jesus não morreu pelos “nossos pecados” e sim por enfrentar o sistema”

Na perseguição a Lancellotti, o desejo de esmagar os pobres

Padre Júlio Lancellotti, responsável pela Pastoral do Povo da Rua em São Paulo, tem sofrido seguidas ameaças de morte nas últimas semanas. A perseguição a Lancellotti é uma faceta do desejo de descartar e esmagar os mais pobres, o “lixo” da sociedade para as elites. Qual a razão disso? Pode parecer paradoxal, mas é medo. Pois os pobres não carregam apenas suas dores. Carregam as de toda a sociedade. Mas não podemos olhar para elas. Precisamos ganhar o dia, sonhar com a ilusão da riqueza, matar nossa humanidade para subir na vida, negar nossas angústias e apagar qualquer traço de solidariedade que nos torne próximos do pobre. Devemos a todo custo liquidar  com o terror, ou seja, a possibilidade desesperadora de nos tornarmos pobres. Para afastar este medo-pânico é necessário esmagar aqueles e aquelas que nos denunciam essa possibilidade. E os que os defendem.

Por Mauro Lopes

Neste domingo (25) haverá uma manifestação de solidariedade e em defesa do padre Júlio Lancellotti. Será às 9h da manhã, na Igreja São MIguel Arcanjo, no bairro do Belém, em São Paulo -Lancellotti é pároco lá. Se você quiser saber de mais detalhes do evento, clique  aqui.

Júlio Lancellotti foi ordenado sacerdote em 1985, pelas mãos de um dos maiores líderes da Igreja no Brasil, dom Luciano Mendes de Almeida. Fez-se padre no seguimento de dom Luciano e de dom Paulo Evaristo Arns. Desde sempre esteve com os últimos da sociedade. Foi um dos fundadores da Pastoral do Menor em São Paulo.

No início dos anos 1990, padre Júlio tomou tomou uma atitude que traçou uma identidade indelével entre ele e São Francisco de Assis. Era o auge da crise da AIDS, vista por parte da sociedade como uma “peste” e, por um segmento, como uma “peste gay”. Na Febem, os bebês e crianças com Aids -exatamente os mais frágeis-  não eram tratados pelos profissionais, com pavor de se contaminarem pelo vírus. Eram deixados de lado, sem banho, sem colo, sem nada. Lancellotti resgatou os bebês e crianças e fundou a Casa Vida I e depois a Casa Vida II, perto de sua paróquia.  Elas passaram a ser cuidadas. Muitas morreram -mas muitas sobreviveram à doença e hoje são adultos e adultas. Como São Francisco no abraço aos leprosos, Júlio Lancellotti abraçou os bebês aidéticos.

Continue lendo “Na perseguição a Lancellotti, o desejo de esmagar os pobres”

Neste Domingo, o Evangelho segundo Marielle

Neste Quinto Domingo da Quaresma, (18) cristãs e cristãos católicos rezam o Evangelho segundo Marielle. Nele, tomado do evangelista João, Jesus falava de si próprio e saltando acima do Tempo e do Espaço, profetizava sobre uma Negra Favelada que, como ele, afrontou o Império e, com sua morte, “produzirá muito fruto”

Por Mauro Lopes

O Evangelho deste domingo é João 12,20-33. Marca o fim de sua vida pública e o início de sua Páscoa (paixão e morte). Nas igrejas, informa-se à assembleia reunida: “Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João”. Mas, neste domingo 18 de março de 2018, as palavras poderiam ser –e, de fato, são: “Proclamação do Evangelho de Jesus segundo Marielle”. Ou ainda: “Proclamação do Evangelho de Jesus e sua filha Marielle”.

Pois o Evangelho (Boa Notícia) deste domingo não marca apenas o fim da vida pública de Jesus e sua Páscoa (paixão e morte); marcou, na noite de quarta-feira,  o fim da vida pública de Marielle e sua Páscoa (paixão e morte).

As palavras que, segundo a comunidade joanina, Jesus teria pronunciado naquele momento crucial, eram sobre seu futuro próximo e os anos, séculos e milênios seguintes . Mas –e o Brasil presencia isso agora- era também uma profecia sobre uma Negra Favelada que, como ele, ousou afrontar o Império, as elites, a miséria, a fome, o desespero, a desesperança, o golpe contra seus irmãs e irmãos mais frágeis, as botas sujas de sangue invadindo os morros.

Disse Jesus –na interpretação da comunidade de João (versículos 24 a 28):

Em verdade, em verdade vos digo: Se o grão de trigo que cai na terra não morrer, permanecerá só; mas, se morrer, então produzirá muito fruto. Quem se apega à sua vida, perde-a; mas quem faz pouca conta de sua vida neste mundo, conservá-la-á para a vida eterna. Se alguém me quer seguir, siga-me, e onde eu estou estará também o meu servo. Se alguém me serve, meu Pai o honrará. Agora sinto-me angustiado. E que direi? ‘Pai, livra-me desta hora?’ Mas foi precisamente para esta hora que eu vim. Pai, glorifica o teu nome!” Então, veio uma voz do céu: “Eu o glorifiquei e o glorificarei de novo!”

Qual o testemunho da vida/morte de Marielle?

Foi ela, passados mais de dois mil anos daquele momento, o grão de trigo que morreu para produzir muito fruto; foi ela que não se apegou à sua vida, entregando-a à vida eterna (ao futuro de seu povo). Não foi uma decisão fácil para Marielle, como não foi para Jesus. Da angústia que ele reconheceu viver naquela hora, Marielle não deve ter escapado na sua hora. Como o Mestre, ela não escolheu livrar-se de sua escolha, pois viveu por ela e para ela –“foi precisamente para esta hora que eu vim”.

Continue lendo “Neste Domingo, o Evangelho segundo Marielle”

Coroa do Advento: redescobrir seu sentido na liturgia e na vida

Neste domingo (3), cristãos de várias Igrejas começam a se preparar para o Natal. Inicia-se o Tempo Litúrgico do Advento, de espera/esperança O uso da coroa do Advento é costume de anglicanos, batistas, católicos, luteranos, metodistas, presbiterianos, gentes da Ordem Evangélica dos Servos Intercessores e de outras denominações. A origem da coroa remete à Alemanha, no século XIX, por iniciativa de um pastor luterano, Johann Heinrich Wichern

Leia artigo de Cátia Cristina Tavares da Silva*, da Congregação de Nossa Senhora – Cônegas de Santo Agostinho, sobre a coroa do Advento. Escrito a partir da perspectiva católica, é um texto no espírito de amizade e convergência com todas as Igrejas-irmãs.

 A íntegra do artigo: 

O tempo do Advento está chegando e com ele o convite da liturgia a uma preparação interior para vivermos bem o Natal, a festa da encarnação do Filho de Deus em nossa humana história. A palavra Advento significa vinda. Nós, cristãs e cristãos, reconhecemos que Jesus em  sua primeira vinda fez-se presente na carne, está continuamente conosco quando nos reunimos em nome dele e virá na plenitude dos tempos para estabelecer definitivamente seu Reino entre nós.

Continue lendo “Coroa do Advento: redescobrir seu sentido na liturgia e na vida”