Jesus não morreu pelos “nossos pecados” e sim por enfrentar o sistema

Cruz (detalhe), Arcabas (Jean-Marie Pirot), Igreja do Espírito Santo e de S. Alessandro Mártir, Arquidiocese de Portoviejo, Equador

Nesta Sexta-Feira da Paixão, Caminho Pra Casa publica artigo exclusivo de um dos maiores biblistas vivos, o frade italiano Alberto Maggi. A tradução é do biblista brasileiro padre Francisco Cornélio. No texto, Maggi demole duas ideias que estão na base do cristianismo falsificado que os integristas sustentam há séculos:  1) Jesus teria sido morto “pelos nossos pecados”;  2) essa seria “a  vontade de Deus”. A versão é insustentável com um exame realista e honesto dos textos bíblicos.  Os Evangelhos são claríssimos: Jesus morreu porque confrontou o Templo, um sistema de dominação e exploração dos pobres de Israel. Jesus não inaugurou o tempo da culpa, mas o da misericórdia e o da vida plena para os pobres. A íntegra do artigo a seguir.

Por Alberto Maggi   | Tradução: Francisco Cornélio

Jesus Cristo morreu pelos nossos pecados. Essa é a resposta que normalmente se dá para aqueles que perguntam por que o Filho de Deus terminou seus dias na forma mais infame para um judeu, o patíbulo da cruz, a morte dos amaldiçoados por Deus (Gl 3,13).

Jesus morreu pelos nossos pecados. Não só pelos nossos, mas também por aqueles homens e mulheres que viveram antes dele e, portanto, não o conheceram e, enfim, por toda a humanidade vindoura. Sendo assim, é inevitável que olhando para o crucifixo, com aquele corpo que foi torturado, ferido, riscado de correntes e coágulos de sangue expostos, aqueles pregos que perfuram a carne, aqueles espinhos presos na cabeça de Jesus, qualquer um se sinta culpado … o Filho de Deus acabou no patíbulo pelos nossos pecados! Corre-se o risco de sentimentos de culpa infiltrarem-se como um tóxico nas profundezas da psiquê humana, tornando-se irreversíveis, a ponto de condicionar permanentemente a existência do indivíduo, como bem sabem psicólogos e psiquiatras, que não param de atender pessoas religiosas devastadas por medos e distúrbios.

No entanto, basta ler os Evangelhos para ver que as coisas são diferentes. Jesus foi assassinado pelos interesses da casta sacerdotal no poder, aterrorizada pelo medo de perder o domínio sobre o povo e, sobretudo, de ver desaparecer a riqueza acumulada às custas da fé das pessoas.

A morte de Jesus não se deve apenas a um problema teológico, mas econômico. O Cristo não era um perigo para a teologia (no judaísmo havia muitas correntes espirituais que competiam entre si, mas que eram toleradas pelas autoridades), mas para a economia. O crime pelo qual Jesus foi eliminado foi ter apresentado um Deus completamente diferente daquele imposto pelos líderes religiosos, um Pai que nunca pede a seus filhos, mas que sempre dá.

A próspera economia do templo de Jerusalém, que o tornava o banco mais forte em todo o Oriente Médio, era sustentada pelos impostos, ofertas e, acima de tudo, pelos rituais para obter, mediante pagamento, o perdão de Deus. Era todo um comércio de animais, de peles, de ofertas em dinheiro, frutos, grãos, tudo para a “honra de Deus” e os bolsos dos sacerdotes, nunca saturados: “cães vorazes: desconhecem a saciedade; são pastores sem entendimento; todos seguem seu próprio caminho, cada um procura vantagem própria”  (Is 56, 11).

Quando os escribas, a mais alta autoridade teológica no país, considerando o ensinamento infalível da Lei, vêem Jesus perdoar os pecados a um paralítico, imediatamente sentenciam: “Este homem está blasfemando!” (Mt 9,3). E os blasfemos devem ser mortos imediatamente (Lv 24,11-14). A indignação dos escribas pode parecer uma defesa da ortodoxia, mas na verdade, visa salvaguardar a economia. Para receber o perdão dos pecados, de fato, o pecador tinha que ir ao templo e oferecer aquilo que o tarifário das culpas prescrevia, de acordo com a categoria do pecado, listando detalhadamente quantas cabras, galinhas, pombos ou outras coisas se deveria oferecer em reparação pela ofensa ao Senhor. E Jesus, pelo contrário, perdoa gratuitamente, sem convidar o perdoado a subir ao templo para levar a sua oferta.

“Perdoai e sereis perdoados” (Lc 6,37) é, de fato, o chocante anúncio de Jesus: apenas duas palavras que, no entanto, ameaçaram desestabilizar toda a economia de Jerusalém. Para obter o perdão de Deus, não havia mais necessidade de ir ao templo levando ofertas, nem de submeter-se a ritos de purificação, nada disso. Não, bastava perdoar para ser imediatamente perdoado…

O alarme cresceu, os sumos sacerdotes e escribas, os fariseus e saduceus ficaram todos inquietos, sentiram o chão afundar sob seus pés, até que, em uma reunião dramática do Sinédrio, o mais alto órgão jurídico do país, o sumo sacerdote Caifás tomou a decisão. “Jesus deve ser morto”, e não apenas ele, mas também todos os discípulos porque não era perigoso apenas o Nazareno, mas a sua doutrina, e enquanto houvesse apenas um seguidor capaz de propagá-la, as autoridades não dormiriram tranquilas (“Se deixarmos ele continuar, todos acreditarão nele … “, Jo 11,48). Para convencer o Sinédrio da urgência de eliminar Jesus, Caifás não se referiu a temas teológicos, espirituais; não, o sumo sacerdote conhecia bem os seus, então brutalmente pôs em jogo o que mais estava em seu coração, o interesse: “Não compreendeis que é de vosso interesse que um só homem morra pelo povo e não pereça a nação toda?” (Jo 11,50).

Jesus não morreu pelos nossos pecados, e muito menos por ser essa a vontade de Deus, mas pela ganância da instituição religiosa, capaz de eliminar qualquer um que interfira em seus interesses, até mesmo o Filho de Deus: “Este é o herdeiro: vamos! Matemo-lo e apoderemo-nos da sua herança” (Mt 21,38). O verdadeiro inimigo de Deus não é o pecado, que o Senhor em sua misericórdia sempre consegue apagar, mas o interesse, a conveniência e a cobiça que tornam os homens completamente refratários à ação divina.

_____________________________

Alberto Maggi, biblista italiano, frade da Ordem dos Servos de Maria, estudou nas Pontíficias Faculdades Teológicas Marianum e Gregoriana de Roma e na Escola Bíblica e Arqueológica Francesa de Jerusalém. É autor de diversos livros, como A loucura de Deus: o Cristo de João, Nossa Senhora dos heréticos

Francisco Cornélio, sacerdote e biblista brasileiro, é professor no curso de Teologia da Faculdade Diocesana de Mossoró (RN). Fez seu bacharelado no Ateneo Pontificio Regina Apostolorum, em Roma. Atualmente, está em Roma novamente, para o doutorado no Angelicum (Pontifícia Universidade Santo Tomás de Aquino), onde fez seu mestrado

 

156 respostas para “Jesus não morreu pelos “nossos pecados” e sim por enfrentar o sistema”

  1. Excelente reflexão, artigo desmistifica dor, a tempo eu também já questionava o significado da expressão Jesus morreu por nossos pecados. O autor do artigo consegue apontar para o papel ideológico da narrativa popularmente aceita sobre as causas da morte de Jesus

    1. O artigo mostra um ponto excelente a respeito do contexto terreno, político, econômico e religioso, mas esquece o espíritual, o que e quem transcende.

      1. As religiões agonizam. E não é sem tempo! Conduzem seus fiéis a não refletir, a crer num céu inexistente, num inferno agourento e culposo e a massa idiotizada crê numa salvação libertadora. Afinal libertar do que? O que é pecado? Alguém explica a santíssima trindade?
        Começo a saber (e não a crer) que dentro da palavra Deus, tem um EU para governar o homem que me manifesta!

        1. Na verdade a palavra Trindade não existe na Bíblia, mas quando se fala em Pai, Filho e Espírito Santo falamos de maneiras de Deus se manifestar ao homem… E em João 14 Filipe pede para Jesus mostrar o Pai e Jesus diz: estou a tanto tempo com vocês e ainda não me conhecem? ….. Pois Jesus é a imagem do Deus invisível e como ele morreu e ressuscitou agora ele mora dentro de nós pelo Espírito Santo…..
          Atos 2:38 arrependam-se e sejam batizados em nome do Senhor Jesus Cristo para remissão dos pecados e recebereis o Espírito Santo, e essa promessa é para todos os que Deus chamar.

          O homem se corrompeu e gosta do pecado por causa dos desejos da carne, pois em João 1 diz que a luz veio ao mundo e os homens preferiram as trevas do que a luz…
          E o salário do pecado é a morte, se vc não acredita que Jesus é o Cordeiro que tira o pecado do mundo só lhe resta a noite eterna…

          Portanto, quando falamos, nós usamos palavras ensinadas pelo Espírito de Deus e não palavras ensinadas pela sabedoria humana. Assim explicamos as verdades espirituais aos que são espirituais. Mas quem não tem o Espírito de Deus não pode receber os dons que vêm do Espírito e, de fato, nem mesmo pode entendê-los. Essas verdades são loucura para essa pessoa porque o sentido delas só pode ser entendido de modo espiritual.
          1Coríntios 2:13‭-‬14 NTLH

    2. As “boas Novas” parece que ainda não encontrou espaço em nosso atual mundo religioso, em que, os fiéis, principalmente seguidores de igrejas evangélicas – quase todos de camadas mais humildes e menos educada – são massacrados por essa ideologia retrógada e condenatória, cultuadas por culpas, levando o rebanho ao extase e ao choro televisivo, possibilitando aos sacerdotes a dominação e exploração do rebanho que, na ratoeira psicológica, não encontra alternativas a não ser a submissão.

      1. Jesus morreu por causa da ganância dos religiosos da época, mas não foi só por isso leia Isaías 53 v4,5,6,7,8 e Efésios CP 2 v1 a 10 e existem outras referências no novo testamento e no antigo testamento , porque a Bíblia tem que se analisada de forma crítica e coerente ,e não em textos isolados Jesus veio com a missão de redimir o pecador ,com o seu sangue derramado na cruz. Jesus já sabia a sua missão é por isso compriu a sua tarefa .que foi morrer em nosso lugar.

        1. Nunca aceitei a noção de pecado, pq ela contradiz o conceito de um pai que criou e compreende os erros dos filhos. Um pai assim leva filhas e filhos ao caminho do bem e não ao do pecado, punindo-o. Não acredito no Deus bíblico, mas isso não me impediu de ler a Torá e os Evangelhos nem de verificar os paradoxos dos textos sagrados. O artigo, assim, desfaz a contradição bíblica e o mito que tanto mal causou e causa aos fiéis.

          1. A Bíblia é uma só, e não mente..”Por que Deus amou o mundo de tal maneira, que deu seu filho unigênito, para todo aquele q nEle crer, não pereça mas tenha a vida eterna” …E aqui Ele da o livre arbítrio: “Quem crer será salvo, mas quem não crer, será condenado”.
            Então não adianta debaterem, se a verdade é uma só, Jesus morreu por amar a humanidade, para garantir o direito da salvação, hoje o que fazem é distorcer a verdade, a Bíblia já dizia, virão falsos profetas e enganarão a muitos e Assim está sendo, muitos com falta de entendimento e focado só no bem estar interior, afinal, nem todos acham q seria ruins demais para causarem a morte de Jesus não é? Pois foi isso q Ele fez, morreu por nós. Mas por amor, por que é o Salvador do mundo.

        2. A ganância dos religiosos da época, foi a arma de satanás para levar Jesus a se render a seus ardis,pois queria derrotar Jesus fazendo-o pecar e assim acabar com os planos de Deus para nós salvar.
          No que até hoje ele (Satanás) tenta tirar os seres humanos da salvação que existe na fé quê temos em Jesus Cristo.
          Por isso
          a crença e a fé no poder financeiro ainda existe pois Satanás não quer que sejamos salvos.
          Somente um ser espiritual pode entender o sacrifício da cruz…
          Bom esta é minha opinião

        3. Jesus não morreu em nosso lugar, ele nos ensinou principalmente que temos que amar ao próximo, quando pregou uma das mais bonitas mensagens de paz e de amor, que até hoje não foi totalmente assimilada pela humanidade, quando ensinava: AMAI COMO EU VOS AMEI, E PERDOAI COMO EU VOS PERDOEI , pouquíssimos entenderam. Pois grande parte ainda pensa que é nas oferendas que se têm a remissão dos pecados, e acreditam que amando a Deus sobre todas as coisas, está seguindo os ensinamentos de um dos maiores seres humanos que habituou este pequenino planeta.

        4. Deus e Maria não criaram Jesus para o abate. Ele não foi o Harry Potter dos nossos tempos. O sistema egoísta e centralizador O matou e como matam gente inocente…Reflita…A.T. deu ao Novo…

          1. Então, o que a Bíblia diz é uma mentira na sua opinião?
            Há muitos versículos que diz que Jesus veio para se sacrificar pela humanidade.
            Se quiser, mostro novamente os versículos que falam a respeito.

        5. Leia o Livro Para Além da Bíblia que você perceberá que a política econômica de dominação de um povo e raça sempre está em.toda a história bíblica e fora dela. É apenas 480 páginas! Topa? O autor do artigo tem uma bagagem de estudo…e não duvidaria. Sou bacharel em Teologia ee curvo do autor deste artigo!

      2. Eu acho que há um equívoco em seu comentário, quanto à evangélicos humildes e menos educados.
        É muito relativo o seu conceito de humildade e educação.
        Existem muitos advogados, médicos, juízes, cientistas, professores e outros profissionais evangélicos.

        1. Tb acho, sou católica e tb vejo q humildade não quer dizer falta de instrução.Comentarios inúteis e fúteis, está o se achando mto bonzinhos ou Deus tem o dever de perdoa-Los.Jesus morreu sim por nós pelos nossos pecados.Tenham mais fé em Deus é reflitam a vida de Jesus E terão a resposta.Desculpa amiga pegar um pouco do seu espaço e.desabafar.

      3. Menos educada? Bem se vê que você pouco reconhece o que realmente é ser “humilde” em meio aos cristãos… Se você a tivesse meu amado irmão, não permitiria que seu ” alto nível intelectual porém orgulhoso”, expusesse um comentário tão preconceituoso assim. Jesus te ama, e também pode te salvar.

      4. Vc está enganado, igual a mim, q tb pensava assim. Existem, realmente, alguma seitas q conseguem ludibriar muitos os q não lêem a Bíblia, pois sua leitura promove é a abertura dos olhos para q ninguém seja enganado, pois o q ela ensina não condiz com o q se vê por aí, a usurpação dos bens daqueles q não entendem q Deus NÃO é um Deus de barganha! Errais em não ler as escrituras, já dizia Jesus!

    3. Bonito texto, bem escrito e defendido em sua ideia, não costumo me manifestar diante de textos religiosos, dizem que religião não se descute, mas não consegui me conter diante uma inverdade tão absurda.
      Só tenho uma indagação a fazer: Vocês realmente acham que os homens mataram a Jesus? Como vocês podem acreditar que Ele era o filho de Deus e ao mesmo tempo acreditar que os homens conseguiriam ceifar sua vida?
      Ele é a ressurreição e a vida, lembram? Ele era o verbo e o verbo estava com Deus, o autor da vida não pode ser morto porque ele é a própria vida!!!! Pasmem ele não foi morto ele ENTREGOU sua vida!!!!! Não foi “conspiração” foi plano divino!!! O salário do pecado é a morte!!! Lembram ? Se comeres do fruto Certamente morrerás!!! Deus em sua infinita misericórdia e amor providenciou o substituto da nossa morte, não da morte física e terrena pois Adão e Eva sim morreram , Jesus é o substituto da morte eterna!!!

      1. Perfeito!! Toda a trajetória do Filho foi determinada pelo Pai.
        O Filho obedece. Negar que Jesus aceitou morrer pelo meu pecado, é negar que Deus é o próprio Amor. Jesus é Deus. Deus É.

    4. O “sistema” deste mundo é Satanás e o diabo, onde a Bíblia diz que ele reina por um tempo determinado, Jesus veio pra quem quiser ser ligado ao Reino de Deus se arrependa de seus pecados e esteja nEle naquele Dia e quando o Reino será estabelecido aqui na terra, queiramos ou não, quem quiser carregue sua Cruz e siga-me, disse Jesus

    5. Excelente reflexão, também sempre achei o sistema papista de sacerdócio um pretexto para mercantilização da fé, desde o pagamento das indulgências na idade média que tormaram a Igreja Milionária e viabilizou o Vaticano e seus bancos, esse sistema canceriano impregnou até protestantes com raríssimas exceções.

    1. Penso que, da mesma forma como o Templo Judeu era o “caixa forte” do mundo naquela época, a instituição Vaticano também o é nos dias de hoje… e sendo assim, caso Jesus retornasse hoje, os mesmos que por séculos se beneficiam com a sua vida e ensinamentos, o pregariam em uma cruz.

    2. Porque os padres e a maioria dos pastores exercem a função dos fariseus hoje! Fazendo junto com o Vaticano o saque às pessoas fracas de entendimento. O perdão que Jesus oferecia sem sacrifícios e oferendas, a igreja hoje reinvindica para si com o inescrupuloso argumento de que o Papa é o único representante do filho de Deus, quando na verdade ele disse que qualquer um poderia ser, basta ouvir e praticar (Lucas 8: 21. Ele, porém, lhes respondeu: Minha mãe e meus irmãos são estes que ouvem a palavra de Deus e a praticam). Assim, tomam posse da “herança do filho de Deus” como bem vemos através do luxo em que a igreja está assentada.

      1. Concordo com isso e mais: analisando sob essa premissa retrocessa, Pilatos fica numa boa,sai de fininho,e isenta a Santa Madre das barbáries que cometeu e vem cometendo ao longo da história. Fica fácil não pensar na culpa dessa forma. Vamos culpar somente aos judeus,assim Roma se safa,e a psicologia de massa ,se sentindo melhor, absolve Pilatos. Ter medo do Altíssimo, e temê-lO são coisas diametralmente opostas, mas colocadas habilmente no mesmo pacote católico apostólico romano.Jesus morreu pelos nossos pecados sim. Senão não teria tido autoridade divina de enfrentar o sheol e a morte.Ele não seria a única porta até Deus Cujo Nome É Pai.Mas Ele É.Posicão divina incômoda para o Vaticano. O que ele faz com a divindade de Maria ? Percebem a finalidade da teoria?

    3. Ele estava a serviço do Pai evangelizando ,como ele ficar quietinho ?? Como você evangeliza quietinho em seu canto ?? Ou você prefere rezar e querer que a Graça somente alcance você ? Jesus não quis isso !!
      Se você pensa desta forma está sendo egoísta.

    4. Jesus veio para cumprir uma missão, e como todas as missões, a dele foi exposta. O texto é bastante claro e objetivo, Jesus veio para dar livre acesso tanto ao douto quanto ao leigo, para chegar a Deus, ter acesso a Deus sem a necessidade de passar pelos sacerdotes oferecendo dinheiros e sacrifícios.

      1. Nunca entendi muitas coisas. Por exemplo: por que o Todo Poderoso não usou de seus poderes e fez o que pretendia diretamente, sem precisar do sofrimento de alguém que se fez humano.

    5. E não teríamos a mínima chance de ser salvos.
      SUA MORTE, NOSSA VIDA!

      “Certamente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido.
      Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.” (Isaías 53:4-5)

      Por muitos homens e em muitas ocasiões, DEUS tentara restabelecer a comunhão com a humanidade quando a morte pelo pecado entra na história da vida humana (Gênesis 3; Romanos 3:23 e 6:23) e o cálice de sua ira prestes a ser derramado sobre nós (Jeremias 25:15).
      Para isto, apresentou santos homens a esta missão:
      Noé e o novo recomeço; Abraão e a promessa de uma numerosa nação; Isaque e o povo escolhido (judeus); Jacó e o estabelecimento das 12 tribos de Israel; José e o mantimento da promessa; Moisés e a libertação do cativeiro; Josué e a peregrinação a terra prometida; Samuel e a preparação de um rei para esta nação; Davi e o reinado de união e conquista; Salomão e a construção do templo de adoração… enfim, esse e muitos outros homens, mulheres, profetas foram usados, certamente com uma importante missão, porém apenas o próprio DEUS poderia concluir a promessa feita em Gênesis 3:15 “Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.” ou seja, apenas o próprio DEUS poderia livrar-nos da morte eterna.
      Assim, Ele habitou entre nós “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai.” (João 1:14), mas a dívida ainda continuava e sangue deveria ser derramado para perdoar essa dívida, a nossa dívida do pecado “sem derramamento de sangue não há perdão” (Hebreus 9:22).
      Por isso, Ele morreu por nós “O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos” (Mateus 20:28), desviando para si a punição “a quem Deus propôs, no seu sangue, como propiciação, mediante a fé, para manifestar a sua justiça, por ter Deus, na sua tolerância, deixado impunes os pecados anteriormente cometidos” (Romanos 3:25), completando assim aquilo que ninguém mais podia fazer, ou seja, resgatar a humanidade da morte eterna.
      Agora, depois do triunfo de sua morte, que é a nossa vitória, podemos gritar juntos com Ele
      “TETELESTAI” ou seja “ESTÁ CONSUMADO”.

      🎶”Porque Ele vive, posso crer no amanhã”🎶

      Dennis Varela

      1. Perfeito, pois o artigo em questão faz sentido sob o ponto de vista histórico, que culminou com a morte brutal de Cristo por um objetivo espiritual, ou seja, era lógico que naquele cenário, com a missão que ele tinha de trazer a mensagem do Pai, ele seria eliminado.

    6. Meus caros. Se fosse p jesus vir ao mundo e ficar quieto, tenha a certeza q ele nao perderia seu tempo. Ele veio p falar a verdade, denunciar e corrigir o q estava errado, sem medo de ser martieterna, ele veio p botar ordem nesse mundo baguncado. Cristao de verdade nao pode ter medo da morte e sim acreditar na recompensa futura q e a vida eterna.

  2. Uma reflexão digna de entendimento…mas claro…como o próprio Cristo, é contrária à ideologia vigente neste mundo capitalista e de novo e muitas outras vezes Cristo continuará a ser brutalmente assassinado, o que nos resta é a esperança da sua ressurreição…Aqui nada mais…

  3. Nós só aprendemos sobre a morte de Jesus , e muitas outras coisas da Bíblia, qdo participamos de cursos bíblicos que se propõem a prestar as verdadeiras informações. Tenho a alegria de fazer parte de um grupo de alunos de uma escola em minha cidade (Fortaleza) onde colhemos todos os ensinamentos de maneira clara. Realmente, Jesus morreu porque pregou um Reino de Deus que afrontava sacerdotes e o Império Romano.

  4. Excelente explicação. Fica mais evidente e Real o motivo dr sua morte.Infelizmente nossos Padres evPastores preferem falar de um modo mais romântico

  5. Importante texto sobre a trajetória de Jesus Cristo. Mesmo que ainda a Igreja não traga tão atona este ponto de vista, o Papa Francisco, tem, cada vez mais, passado essa mensagem não apenas em palavras, mas também em ações contundentes contra os desvios da Instituição! Grato pelo importante texto.

  6. A causa não elimina o propósito , a causa da sua morte também foi a economia , mas o propósito foi e é salvar o pecador , filipenses 2:5-11 , Isaías 53 , Gênesis 3:15 , e mais..

    1. Concordo, acredito que Jesus veio ao mundo com um propósito, o que o levou a cruz pode ter sido um fator econômico, mas isso é o de menos, pois é o lado humano. O que realmente importa é o lado espiritual e que as profecias se cumpriram através de seu sacrifício, sua dor e seu sangue derramado na cruz para a nossa salvação!

  7. O artigo do Pe. Alberto Maggi, deixa claro a plenitude de um novo tempo, que Jesus inaugurou. MISERICÓRDIA, nossa humanidade tão carente!!!!
    O Poder arrogante em todos as esferas tenta tirar do caminho todos que anunciam esse Mestre Jesus!!!

  8. Fiquei muito feliz por confirmar o que já pensava mas ainda acreditava que poderia estar me equivocando. Isso de fato tem sentido e de agora pra frente me fortalecerá na revisão de conceitos encrustados que precisam ser mudados e atualizados. Com isso estou certa que minha fé fica mais forte e vibrante e motiva minha militância na busca de um mundo justo e melhor para todos e todas.
    Deveria ser dito e ensinado que:
    “Jesus morreu por querer livrar o mundo de todas as injustiças e maldades do Sistema Imperialista e Perverso da época, sobre as populações;
    Por querer abrir os olhos das pessoas, homens e mulheres contra os preconceitos de toda natureza, racismos, entre outras violências;
    Por amar as crianças e valorizá-las, coisa que naquela época era um impropério; enfim pela igualdade de direitos e condições entre homens e mulheres cuja vida fosse vivida com dignidade”…

    “O que pode ter levado a humanidade ao sentimento de culpa na época, portanto a se contentar com o argumento da salvação, esclarece pra mim, é o mesmo que provoca esse sentimento hoje: a nossa omissão diante dos acontecimentos, seja por quais motivos forem. E Jesus então doa o seu perdão por compreender que parte da humanidade não sabia o que estava fazendo. A essa ele abre o coração e perdoa;
    Mas à outra ele clama por Misericórdia, porque só na Misericórdia se salvará “!

  9. O verdadeiro yeshua há notzri , foi um sábio cabalista , e fundador e líder da seita dos nazarenos , um grupo de religiosos radicais , , foi acusado por dois crimes, ter se proclamado ser deus, “o Messias”, e por ser um subversivo ,com tentativa de crime contra o estado

    1. Aquele que não tinha pecado , Deus o fez pecado por nós, para que nele fossemos feitos justiça de Deus .
      2 corintions 5.21
      Andai em amor , como também Cristo nos amou e se entregou a si mesmo por nós , em oferta e sacrifício a Deus , em cheiro suave .
      Efésios 5.2
      Respeitosamente discordo totalmente do artigo , Cristo na verdade não foi morto , mas se entregou , porque era a vontade do Pai , para salvar,perdoar e redimir aqueles que o aceitam como Senhor, e salvador de suas vidas .

  10. Se a morte de Jesus não era da vontade de Deus… Porque Deus não fez nada pra impedi-la? Ou acaso o sinedrio ou caifas era mais poderoso que Deus!?

    1. Deus permitiu, porque, pra ele, a morte não é nada. Ele ressuscitou. Tudo isso estava escrito que aconteceria, para mostrar até que ponto é capaz de ir o pecador: matar aquele que lutava em defesa dos oprimidos, do povo, mas o próprio povo, que se beneficiava de suas lutas, revoltou-se contra ele e se juntou àqueles que tinham interesses econômicos, mascarados de interesses religiosos. Aqueles que nunca se importaram com o povo se aproveitaram da ingenuidade de um povo desinformado, vendo assim, a oportunidade de moldar o raciocínio dessa classe, transformando as suas ações, fazendo com esse povo que havia gritado louvores a Cristo, de repente, gritasse “crucifica -o”. E assim, os abutres, que estavam no poder, ficariam livres e continuariam a desfrutar, sem culpa nenhuma, de tudo da mesma forma. Continuava tudo como antes, mas com Jesus, agora, fora do caminho. E se surgisse alguma culpa, essa cairia sobre o próprio povo, e não sobre os abutres do poder. Isso só nos mostra que tudo continua da mesma forma. Jesus veio, passou por tudo, fazia parte do plano de salvação de Deus, mas as ações que resultaram na morte se Jesus, não acredito que era da vontade de Deus, mas era o que aconteceria, porque Deus sabia que era nisso que se resultaria tudo. Deus sabia até onde vai a cobiça humana. Então, ele já previa os acontecimentos e estava tudo nas profecias. Jesus não deixa de ser Deus porque Deus não evitou sua morte. Jesus ensinou, tentou mudar tudo. Veio para nos salvar de todo o pecado, mas não é só porque ele morreu que já estejamos todos salvos e pronto como se ele já tivesse feito tudo por nós e não precisamos mais fazer nada para sermos salvos. Nós precisamos aceitar deus ensinamesntos. A sua morte foi uma consequência de ter enfrentado o pecador, mostrando até onde vai um pecador. Deus nos deu livre arbítrio até para matá-lo. E ele se sujeitou a isso para nos dar possibilidade de refletir com todas as ações de Cristo e as reações dos pecadores, e, quem sabe assim, perceber o quanto nossas omissões e egoísmos são capazes de ferir alguém e nos tornar pessoas tão contrárias ao que foi idealizado por Deus. E se com tudo o que aconteceu, chegando até o extremos da morte de Cristo, não for suficiente para entendermos isso, ahhhhh, meu irmão, sinto muito em te falar isso, não seremos salvos mesmo. Mesmo Cristo tendo morrido por nós, pois esse morrer por nós, para nos salvar de todo o pecado, requer que aceitemos seus ensinamentos e mudemos nossas ações de perversas e sem amor para ações semelhantes às de Cristo, ações amorosas que, consequentemente, precisam ser ações ativas, como a própria palavra já significa. Ações requer ação, agir, luta contra o que é errado e resultaria em algo contrário aos seus ensinamentos, prática do que ele ensinou. Portanto, não fiquemos de “mimimi”, repetindo versículos como papagaios, mas reflitamos sobre tudo. Sobre nossas próprias ações! Estariam elas em conformidade com tudo aquilo que Jesus pregou, sujeitando-se a passar por todos os sofrimentos até a própria morte, na tentativa de que compreendéssemos o que ele andava a falar? Ou todas as ações de Cristo e até mesmo sua morte estaria sendo inútil para o meu, o seu, o nosso processo de salvação?

  11. Não basta mostrar ao povo a verdade. Estamos acostumados a pensar como padres e pastores “autorizam” que pensemos.
    Depois de tão clara exposição, tem gente que pergunta: “por que a igreja não nos ensina isso através das homilias…”
    Mais do que óbvio; porque eles querem seu dinheiro, seu fanatismo, sua burrice….

  12. E essa lógica “religiosa-capitalista” segue, muitos padres ricos, com fiéis que lhes dão bons apartamentos, pagam condomínio/iptu/agua/luz, as Assembléias de Deus, onde tudo se paga, tudo material se oferece…os líderes riquíssimos! Me assusta ver que as pessoas não veem. Deus não está fora, está dentro, mas nós nos achamos pequenos demais, não merecedores e seguimos buscando fora. 🙁

  13. Perfeito em relação ao motivo que o mataram, porém Jesus só morreu por que entregou a propia vida, João 10,17-18, diz assim ,Dou a minha vida para tornar a tomá-la. Ninguém ma tira de mim, mas eu de mim mesmo a dou; tenho poder para a dar e poder para tornar a tomá-la. Esse mandamento recebi de meu Pai, sendo assim ele morreu sim por nossos pecados.

  14. Uma coisa é por que os homens o mataram, outra é porque ele morreu, pra redimir o pecado da humanidade sim!!!!!!caso contrário teria sido tudo em vão…..

  15. Concordo, mas Jesus já sabia que isso iria acontecer, ele tinha que se sacrificar para salvar o mundo do pecado, assim como os animais eram sacrificados naquela época para limpar os pecados do povo de Israel. Tanto é que antes de Jesus ser preso Pedro cortou a orelha de um dos guardas que vieram prendê-lo, e em vez de Jesus fugir, ele repreendeu Pedro, curou a orelha do guarda e se deixou prender.

  16. Mas isso é muito claro.
    Concordo em parte com o texto acima, Jesus realmente morreu por enfrentar o sistema religioso da época. Todavia, essa morte foi o cumprimento das profecias antigas acerca do messias o qual haveria de padecer e essa morte significava o sacrifício do próprio Jesus pelos pecados daqueles que crêem. Essa morte somente poderia acontecer se assim fosse da vontade de Deus, ou vocês acham que Deus cometeu o maior erro que poderia acontecer, mandar seu filho para terra e esse viesse a morrer por pregar a verdade? E digo mais se Deus cometeu esse erro Ele não é mais Deus, porque Deus não pode e nem vai errar. Entretanto isso nao aconteceu, Deus é Perfeito, Justo e Fiel, senão vejamos:
    1°) O cristo tinha que padecer ( Isaias 53)
    2°) O senhor Jesus quis ser preso, pois ele poderia pedir uma legiao de anjos a Deus para o proteger, se Ele assim desejasse( Mateus 26:53)
    3°) O senhor Jesus desde o início de seu ministério ja havia deixado bem claro que Ele haveria de sofrer em Jerusalem, e morrer nas mãos das autoridades religiosas e ressucitaria no terceiro dia ( Mateus 16:21)

    Sendo assim, o artigo exposto acima trás somente uma visão geo-politica da morte de Cristo, ocultando assim a visão majoritária, que seria a visão profética da morte do senhor Jesus.
    Que a paz do senhor Jesus esteja com todos!

  17. Gostei muito do texto, mas não do título.

    O aspecto POLÍTICO da condenação de Jesus, ou a motivação dessa condenação, está muito bem explicado aí. Aliás, nunca li explicação melhor. Mas tal aspecto (o político) desfaz o Divino? Por quê as duas coisas (causa política e causa divina) não podem coexistir? Trata-se de uma boa discussão, penso…

    De qualquer forma, é triste que a Igreja não dê ênfase à questão política, tão bem abordada no texto, envolvendo o martírio do nosso Senhor. Com certeza não é interesse dos setores ortodoxos. Assim como não é interessante aos golpistas aqui do brazil politizar a morte da vereadora Marielle Franco.

    Mas parabéns pelo blog. Assim que eu estiver empregado novamente, vou passar a contribuir.

  18. Jesus morreu por nossos pecados e obviamente os nossos pecados incluem a ganancia pelo poder dos socerdotes Judeus (líderes religiosos), de Caifás e do Sinédrio. Jesus incomodou a política desde seu nascimento, quando anunciado como Rei, isso todo estudante de teólogia sabe. Mas dizer que Jesus não morreu por nossos pecados é uma heresia.

  19. Jesus já nasceu como propósito de salvar a humanidade. Jesus morreu sim, para nos salvar, por causa de nossos pecados. ” Eis o cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.” João 1: 29

  20. Mas então como o autor vê:
    Isaías 53: 4. Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e carregou com as nossas dores; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. 5. Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e esmagado por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.

    por exemplo?

  21. Quem sou eu na fila do pão para tentar contradizer um biblista? Mas a reflexão do texto ignorou completamente as profecias do Antigo Testamento sobre o Messias . Desde Gênesis temos profecias de como seria a vida e a morte Dele. Por outro lado, é claro que Jesus se opôs fortemente aos sistemas religioso, político e econômico de Sua época e isso culminou com a Sua morte. No entanto, tudo isso fez parte de Seu propósito de vida e morte.
    Dizer que Jesus não morreu por nossos pecados é negar as escrituras, principalmente Isaías 53. Certamente deve-se fazer uma reflexão/crítica aos sistemas de Sua época, mas jamais deve-se atribuir a Sua morte a isso.

  22. Mataram Jesus, por maldade, perversidade, qtos homens de bens continuam sendo assassinados, enquanto vivermos em pecado continuaremos matando Jesus. Mataram Jesus por que ele é Santo, justo e defendia os oprimidos. No natal todos são bons, na semana santa todos são santos. Todos os dias nós matamos Cristo, todas às vezes que somos injusto com o próximo estamos crucificando Cristo.

  23. Ótima explanação histórica !
    Jesus bateu de frente com o sistema sim ! A bíblia deixa claro isso nos mínimos detalhes de Gênesis a Apocalipse, da mesma maneira que também esclarece o propósito de Jesus na terra: “salvar o pecador”.
    A mesma fonte usada para explanar o artigo descrito acima esclarece também o propósito de sua morte.

  24. Em Gênesis 3 encontramos a primeira profecia sobre a vinda de Jesus… Ele é a semente da mulher que ferirá a cabeça da serpente!
    Em Êxodos 12 Jesus é o cordeiro pascoal cujo sangue livrou os israelitas da praga da mortandade!
    Em Números 21 Ele é a serpente levantada no deserto para salvar da morte aqueles que olhassem para ela!

    “Verdadeiramente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputamos por aflito, ferido de Deus e oprimido. Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e, pelas suas pisaduras, fomos sarados”. Is 53

    Quem tem ouvidos… ouça!

  25. Como sempre a igreja católica querendo eliminar da teologia a importância do sacrificio de Jesus,varios textos demostram a necessidade do sacrificio do filho pelos nossos pecados e hoje sim temos essa liberdade de não precisar oferecer sacrificios de bodes e carneiros , mas o sangue era necessario ser derramado, ” sem sangue não há remissão dw pecados “outra coisa que é verdade,Jesus realmente enfrentou o sistema religioso da época,eles pensavam nos lucros, vendiam pombas e eram cambistas no templo,concordo mas no getsemani Jesus prestes a tomar o calice disse: PAI AFASTA DE MIM ESTE CALICE , PORÉM SEJA FEITA A SUA VONTADE, as profecias apontam para a cruz,para o sacrificio,para a morte e ressureição do filho.

    Um excelente texto que contém algumas verdades mais em seus pontos chaves tiram de Deus o controle absoluto sobre o ser humano, tirando a necessidade do sacrificio, retiram de Deus o direito do louvor e da Glória,essa é a igreja que se comporta como os fariseus,sacerdotes e saduceus daquela mesma epoca.

    1. Leandro,
      A Igreja católica não quer mudar nada.
      Acontece que o “teólogos” liberais e/ou adeptos da Teologia da Libertação, querem subverter a visão das coisas.
      Agradeço a Deus, que com o advento das Redes Sociais, finalmente os fieis estão entendendo a desgraça que é a TdL.
      O sr Mauro é um apoiador desta “ideologia” travestida de teologia.

  26. Só falta explicar pelo que ele Ressuscitou. Rs.
    O contexto político da morte de Cristo não anula o contexto espiritual dela. O ministério de Jesus foi falar de perdão, arrependimento, amor, coisas totalmente opostas a ganância. Se Ele tivesse ficado calado? O Messias não ficaria calado, pois Ele tinha uma missão. Separar a espiritualidade da vida cotidiana é o que faz a cristandade ser motivo de vergonha ao evangelho.

  27. Excelente pensamento e de grande importância para a meditação sobre o assunto. MAS se vermos por outro lado, tudo o que foi dito volta ao mesmo ponto em que discordavam: Jesus morreu por nossos pecados. Se refletirmos vamos entender que o motivo que criaram para matar Jesus foi econômico, mas fizeram com base no que Jesus fazia: Perdoava pecados gratuitamente. Sendo assim, levando em consideração o que é dito na bíblia, que Deus deu poder ao seu filho, nos leva a pensar que se Jesus não tivesse a intenção de levar a morte dele como uma mensagem e eternizar seus motivos de estar na terra, poderia simplesmente pedir a Deus para que destruisse quem queria o matar. Portanto Jesus foi morto por nosso pecados. A partir de sua ressurreição nenhum povo teria de pagar pelo perdão de Deus, pois a ressurreição significaria o cumprimento da palavra do senhor e todos que procurassem o perdão, o teria gratuitamente.

  28. Jesus não morreu, mas sim foi assassinado. Outro ponto a melhorar, ele era sim uma ameaça a religião institucional, na medida que seu modo de crer dispensava mediadores, como o templo e os sacerdotes. Como nesta época, religião política e dinheiro andavam de mãos dadas, pode se dizer que foi assassinado pelo sistema. Dizer que seu sacrifício (sacrum facere- fazer sagrado) nos salvou não está errado na medida em que, compreendemos que foi assassinado em função de sua coerência. Belo texto!

  29. Do ponto de vista de como o homem carnal e terreno enxerga pode-se dizer que foi isso o que aconteceu. Mas Jesus veio mostrar a verdade e é essa verdade que confronta o sistema.
    E do ponto de vista espiritual, a única coisa que eu vi foi depreciação ao sacrifício vivo de Jesus. Fazendo pensar, pelo ponto de vista que foi colocado, que a humanidade não tem um Salvador. O que é uma heresia.

  30. Com o tempo comecei a desconfiar da versão oficial, depois fui me certificando por fontes mais consistentes e que nos explicam de uma maneira mais sensata.

    A questão é: A a versão é mais útil ao sistema do que a “verdadeira verdade”, mas como diz a canção da banda Cidade Negra, mas nós estamos aí, afim de saber, afim de saber. Afim de propagar, afim de propagar.

  31. Não era o propósito dele continuar vivo, ele veio justamente cumprir um propósito de morrer por vc. Um dia todos vamos precisar da sua morte…

  32. Até pode ter havido em parte da morte dele com o sistema que ele ia contra,mas o principal motivo de Jesus Cristo ter morrido na cruz foi pela remissão dos nossos pecados,se não todos já estariam condenados ao inferno porque diz na bíblia que a morte passou a todos os honens e todos estavam separados da glória de Deus.eu acredito na bíblia e não no que o homem diz e acha.

  33. Através de um homem entrou o pecado no mundo,e Deus enviou seu Filho Unigênito,puro, perfeito,sem pecado para que através do sacrifício vivo Dele na cruz do Calvário tenhamos a vida eterna.Pois antes deste sacrifício éramos todos condenados ao inferno.

  34. Ele não ao morreu pelos nossos pecados mas para o do mundo inteiro ..
    O sistema não , os seus não o aceitaram. E se cumpriu a profecia ..se fosse pelo sistema Ele não teria vindo.
    Romanos 4:25
    O qual foi entregue por causa das nossas transgressões, e ressuscitado para a nossa justificação.

  35. Não importa o que os estudiosos acham ou não.
    O que importa na morte do filho de Deus. Foi o seu propósito
    E este planejado e arquitetado pelo próprio Deus.
    Se alguns acham que o sangue derramado de Jesus naquela cruz foi apenas uma disputa do sistema politico daquela época sinto muito , mas os tais não alcançaram ainda a imensurável profundidade dos planos desse grande Deus.
    Lembrando que no evangelho de João capítulo 3 versículo 16 esta escrito.:
    Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito para que todo aquele que nele crê não PEREÇA , mas tenha a vida eterna.
    Para os homens a morte de Jesus, pode até ter tido esse sentido materialista.
    Mas para o dono do céu o grande Deus de amor que planejou tudo por amor do homem perdido o sentido é outro completamente diferente.
    E este É unicamente livrar o homem perdido em seus pecados da condenação eterna. E nenhum ser humano na face da terra será capaz de invalidar essa grandiosa obra redentora que Jesus. realizou naquela rude cruz .
    Cuja a mesma tinha um objetivo definido; nascido no coração de um Grande Deus, e criador. Salvar e livrar o homem do inferno. Através do perdão de seus pecados através do Derramamento do sangue imaculado de seu filho Unigênito Jesus Cristo.

  36. Quem le a biblia guiada pelo Espirito Santo ,sabe que a morte de Jesus Cristo foi um plano de Deus,desde o pecado de Adao e Eva o homem pecou ,e a unica forma de reconciliaçao era enviar seu filho ,enquanto na terra só fez o bem ,morreu sim pelos pecadores ,ressucitou. E todo que nele crer e for batizado tera vida eterna se for fiel ,reinara com ele em espirito no céu. É. nisso que creio .!

  37. Concordo plenamente contigo. Se Jesus não morreu pelos nossos pecados, onde está o servo sofredor de que fala Isaías? Ou porque João Batista o chamou: Cordeiro de Deus?

  38. Não gostei. Não podemos esvaziar o sacrifício de Jesus com idéias desse tipo. Jesus não veio ao mundo para trazer igualdade social. No fim desse texto o autor diz interesse, conveniência e cobiça, que no meu entender são pecados. Jesus trouxe-nos uma forma de viver na liberdade de filhos. E ser podemos ser livres se o Filho nos libertar.

  39. Até mesmo nos dias de hoje, vemos distorções bíblicas propagando dogmas falsos contrários a palavra de Deus pelo interesse político, interesse financeiro.

  40. Concordo em partes, porém: Jesus morreu sim pelos nossos pecados, isso é heresia afirmar algo assim…
    “Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.”
    Isaías 53:5
    Foram os nossos pecados que fez Jesus Cristo morrer, se fosse somente o sistema político ele teria resolvido de outra forma, assim como ele entrou no templo destruindo os que estavam vendendo e comprando no templo, tem que ter muito cuidado para uma afirmação dessas!

  41. Pelo sistema injusto eu já sabia mas ainda entendo essa morte pelos nossos pecados sim. Quem olha para o crucificado sabe que Ele morreu sim por mim, para me ensinar a amar. E toda vez que eu buscar amar verdadeiramente pode acontecer o mesmo comigo:morte.

  42. Eu discordo em ver O Deus encarnado desta forma, não vamos vitimizar Jesus ele morreu por que assim quis Deus! Se não como pode Deus pai que é todo poderoso não puder salvar o seu filho de meros mortais… E verdade que os religiosos não se preocupavam com a lei e os mandamentos, mas sim com os ganhos, mas eles só conseguiram matar Jesus por que ele veio pra isso, por que nem uma folha cai ao chão se não for a vontade de Deus! Jesus é o Cordeiro Santo que foi oferecido como expiação para os nossos pecados, seu Sangue nos lavou de toda imundície e é salvo todo aquele que nele crer… Deus usa quem ele quer, eles foram instrumentos de Deus para que fosse feito a vontade do Pai Celeste…

  43. Muito bom, tão logo iniciei meus estudos e reflexão religiosa, passei a entender dessa forma, o Egoísmo, a arrogância, a ganãncia humana matou Jesus

  44. Me explica ,porque pregam Jesus Cristo morto sendo que ele ressuscitou ,e os santos apóstolos são testemunha fiel da verdade ,e que o Espírito Santo e a marca da promessa ,para aqueles que esperam a volta de Jesus ,

  45. De fato o sistema matou Jesus e esse sistema nada mais é do que o resultado da natureza pecaminosa do ser humano. A Biblia mesmo afirma em Rm 3:23 que todos somos pecadores. Entretanto Jesus, sendo Deus sabia que o sistema o crucificaria e decidiu mesmo assim deixar a sua glória e se tornar um homem como nós, nos ensinar sobre o seu Reino e o seu amor e ser crucificado. Sim, Ele foi o cordeiro por nossos pecados e isso foi profetizado em Isaias 53:5 que diz: Mas ele foi transpassado por causa das nossas transgressões, foi esmagado por causa de nossas iniqüidades; o castigo que nos trouxe paz estava sobre ele, e pelas suas feridas fomos curados.” Em Mateus 16:21, Ele predisse sua morte e ressureiçao e que era necessario passar por todo o sofrimento. Entao, nao digam que nao foi pelos nossos pecados tambem. Somente aceitem esse sacrificio e tentem seguir o que Ele ensinou quando esteve aqui. Fiquem na paz.

  46. Em João capítulo 3 versículo 16 diz:
    Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito para que todo aquele que nele crer não pereça mas tenha a vida eterna.
    Os homens distorcem a palavra de Deus.
    Mas o que importa mesmo é que o autor da salvação que planejou e arquitetou a nossa Redenção.
    Tinha um objetivo completamente diferente na morte de seu filho Jesus.
    E este era nos livrar da condenação eterna.
    Conceito de homens não podem invalidar o verdadeiro sentido e objetivo dessa grandiosa obra Salvadora. Realizada pelo filho de Deus.
    A BÍBLIA Sagrada comprova tudo isso.
    E ela é a inerrante palavra de Deus.

  47. Achei interessante o artigo, mas não é nenhuma novidade para nós, católicos da América Latina, que fomos formados na teologia da Libertação e buscamos o Cristo vivo na luta contra o sistema opressor, que submete o povo de Deus à miséria material e espiritual. Hoje mesmo, na cerimônia da contemplação da Cruz, aqui, na comunidade de São Miguel, em Mangue Seco, Vitória-ES, meditamos sobre o poder opressivo que condenou Jesus à tortura e à morte. O sistema que matou Jesus e oprime a maioria da humanidade é o nosso verdadeiro pecado. E a morte de Cristo nos liberta dessa culpa. E livres dessa culpa podemos combater melhor esse sistema opressivo e preparar a humanidade para as alegrias celestiais, já experimentadas na luta pela justiça social e no amparo aos nossos irmãos que sofrem, pois eles são o próprio Cristo vivo. “Tive fome e não me deste de comer. Tive sede e não me deste de beber. Estive preso e não me visitaste…”

  48. A Bíblia é enfática , Jesus morreu pelos nossos pecados ,e não somente pelos nossos , mas de toda humanidade , A Bíblia nos informa q aquele q sabe fazer o bem e não faz comete pecado , e que o próximo não é o outro , mas a religião tem feito marionete , e como tal gera pessoas zumbis sem escolhas , escravos de regras que tem matado , e tem levado tanta gente para clinicas psiquiátricas , Jesus foi morto pelos nossos pecados , pois a Palavra é clara em dizer q ele veio e cumpriu o q veio pra fazer , lógico q o contexto deveria ter uma historia de como ELE morreria ou quem o mataria , mas o q importa q o sacrifício foi feito , independente de como foi ou que contribuiu pra isso , mas q já tinha e já sabia e se intregaria a si mesmo em lugar da humanidade , foi nosso substituto , naquele madeiro . ELE é o cordeiro q foi isolado antes da fundação do mundo , não foi a dois mil anos , foi na eternidade , ELE já havia sido morto quando o sacrifício naquele Está Consumado foi bradado do alto da Cruz .

  49. Não adianta uma pessoa achar que pode compreender definitivamente os escritos bíblicos, sem ajuda do Espírito Santo! De fato sabemos que Jesus morre por pregar o evangelho de forma que os sacerdotes viam como sendo algo que fugia do normal. O problema é que o estudo feito, não levou em consideração acho o resto da Bíblia onde diz que Jesus era Deus e se fez maldito pelas nossas maldições, o castigo que nos traz a paz estava sobre ele! De fato, ele morre por que os que se diziam seus não o conheciam de fato! Deus o mandou pra cumprir um plano e não apenas pq ele pregava, e mataram! Não tentem modificar o evangelho! Pois aí da quele que acrencenta algo que no evangelho não esteja! O plano foi perfeito ! Ele o cumpriu morreu e ressuscitou e independe de tudo, ou o que todos digam, a palavra que o define e amor. Tenho a plena convicção que ele morreu e sofreu por mim. E por todos os que vivem! Pois ele nos ama ! E seu amor o define

  50. Quem creu em nossa mensagem? E a quem foi revelado o braço do Senhor ? Ele cresceu diante dele como um broto tenro e como uma raiz saída de uma terra seca. Ele não tinha qualquer beleza ou majestade que nos atraísse, nada havia em sua aparência para que o desejássemos. Foi desprezado e rejeitado pelos homens, um homem de dores e experimentado no sofrimento. Como alguém de quem os homens escondem o rosto, foi desprezado, e nós não o tínhamos em estima. Certamente ele tomou sobre si as nossas enfermidades e sobre si levou as nossas doenças; contudo nós o consideramos castigado por Deus, por Deus atingido e afligido. Mas ele foi traspassado por causa das nossas transgressões, foi esmagado por causa de nossas iniquidades; o castigo que nos trouxe paz estava sobre ele, e pelas suas feridas fomos curados. Todos nós, como ovelhas, nos desviamos, cada um de nós se voltou para o seu próprio caminho; e o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós. Ele foi oprimido e afligido; e, contudo, não abriu a sua boca; como um cordeiro, foi levado para o matadouro; e, como uma ovelha que diante de seus tosquiadores fica calada, ele não abriu a sua boca. Com julgamento opressivo ele foi levado. E quem pode falar dos seus descendentes? Pois ele foi eliminado da terra dos viventes; por causa da transgressão do meu povo ele foi golpeado. Foi-lhe dado um túmulo com os ímpios e com os ricos em sua morte, embora não tivesse cometido nenhuma violência nem houvesse nenhuma mentira em sua boca. Contudo, foi da vontade do Senhor esmagá-lo e fazê-lo sofrer, e, embora o Senhor tenha feito da vida dele uma oferta pela culpa, ele verá sua prole e prolongará seus dias, e a vontade do Senhor prosperará em sua mão. Depois do sofrimento de sua alma, ele verá a luz e ficará satisfeito; pelo seu conhecimento meu servo justo justificará a muitos e levará a iniquidade deles. Por isso eu lhe darei uma porção entre os grandes , e ele dividirá os despojos com os fortes , porquanto ele derramou sua vida até a morte e foi contado entre os transgressores. Pois ele levou o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu.
    Isaías 53:1‭-‬12 NVI

  51. Descorde de algumas coisas, é claro como o sol que Jesus morreu sim pelos nossos pecados, se o homem não tivesse pecado não haveria a necessidade de Deus ter envido seu filho pra morrer por nós, e se ELE não tivesse morrido pelos nossos pecados ainda estariamos indo atrás dos sacerdotes levando ofertas e bens pra que eles intercedecem a Deus por nós para que nossos pecados fossem perdoados, mas agora sabemos que somente através de Jesus podemos alcançar perdão e salvação
    Vejam o que Deus revelou pelo seu servo o profeta Isaías no capitulo 53 do livro de Isaías na biblia
    5 Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.
    6 Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo caminho, mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos.
    E por aí vai

  52. Olha eu nem li tudo o que esta escrito no comentário, porém é óbvio que Jesus foi morto pelo desejo das autoridades judaicas devidos a seus interesses politicos e não precisa ser belicista pra entender isso desde que eu não acredite no projeto redentor de Deus. Portanto ser livre significa muitas vezes dizer o que eu quero sem que contudo seja uma verdade plena.

  53. Jesus foi um visionário
    Um revolucionário. E quem tem culpa pela sua morte é o sistema. Seus seguidores não. Quem culpa tem culpa. O sistema confunde as missas. Por isso faz acreditar nessas inversões. Certíssima esplanacao.

  54. Esse texto se trata de uma verdade parcial. Havia a ganância, sim. Havia os interesses políticos, sim. Havia o ensinamento de Cristo baseado no amor, compaixão e compromisso fiel com as escrituras, sim. Havia a falsidade do próprio povo judeu, sim. Mas, Cristo morreu na cruz por nossos pecados, pois os sacrifícios não serviam ao propósito da salvação, é isso é fato. A trajetoria de como seria a vida e morte de Cristo está descrita em Isaías. O cordeiro imolado na primeira Páscoa, que permitiu que os primogênitos hebreus não morressem no Egito, foi uma “sombra” do que Cristo faria por nós. E Deus não quis a crucificação de Cristo, mas a justiça de Deus é incompatível com o pecado, por isso o sangue derramado purifica, nos purifica do pecado, pois nós merecemos a morte, e Cristo por seu amor permitiu que seu sangue nos purificasse do pecado. Ninguém é merecedor da salvação, mas Cristo nosso intermediador permite que cheguemos a Deus. Deus nos ama, e sempre se aproxima, nosso pecado é que nós afasta. Que possamos aceitar o Filho e sua salvação. E conhecer mais das escrituras. Oséias 4:6, fala exatamente sobre isso, conhecer a palavra de Deus de forma correta. Feliz Páscoa.

  55. Jesus morreu pelos nossos pecados sim, o texto está certo em termos, mas isso todos que lêem a bíblia já sabe, não é segredo pra ninguém que Jesus confrontava o sistema da época, Jesus veio com essa missão de morrer pela humanidade. E desde a fundação do mundo Deus que é Deus, já sabia como a a sua criação iria proceder e Ele já sabia que um dia Ele viria aqui na terra em forma de filho e (nasceu como homem), para mostrar para nos o que é o amor e essa tão grande salvação, que só vai ter quem crer que Ele é o salvador…… Temos que entender que o próprio Deus desceu e mostrou o que é o amor e que podemos amar tbem, e como Ele mostrou esse amor? Indo até as últimas consequências que foi a morte.

  56. A Cirene e a Eliana já falou tudo que eu quis dizer,e tudo que expliquei se o site aceitarem minhas outras postagens.
    São tantas postagens mas algo importante que eu vi foi um que disse que tem que ler a biblia com o espirito santo,se não é só mais um livro e não vão entender nada,só falo oque Lutero disse,somente as escrituras unica regra de fé,ou seja unica verdade é oque está escrito.
    Deus abençoe a todos

  57. Bem expressado o assunto acima…Respeito a opinião.Só que de igual maneira,Jesus seria sacrificado para perdão do pecado da humanidade,negar isso seria invalidar vários versículos de profecias ou invalidar a própria bíblia…Foi o sistema o causador da morte de Jesus,com certeza.Mas o objetivo por trás já estava estabelecido na eternidade…APROXIMAR A HUMANIDADE DO SEU CRIADOR
    É o que eu creio…Deus abençoe a todos.

  58. A colocação do texto acima é verdade para os que estudam e tentam aprofundar nas pesquisas sobre Jesus Histórico. Os estudos sociológicos, históricos e políticos da época nos mostra a realidade , muitos surgiram gritando contra o poder romano. Jesus incomodou muito . Existem muitas obras sobre o assunto, em Um judeu marginal de John Meyer ele tenta discutir o Jesus real-nasceu e viveu na Palestina e o Jesus da história, o do novo testamento construído pela fé dos antigos cristãos . Esse é um dos objetivos da Cristologia discutir o humano é o divino. O divino as igrejas priorizam e o humano ser político em busca de justiça falam pouco. Porque será?

    1. A colocação do título deveria ser mudado para Jesus morreu sim, pelos nossos pecados dentro de um sistema que enfrentou tanto Político, econômico e religioso. Até porque independente do sistema que resultou na morte de Cristo isso não, ou deixa de lado que a sua morte foi pelos nossos pecados e de toda a humanidade. Mas tirar o elemento mistico, isto é, desmistificar a morte de Cristo para poder compreender numa visão puramente humana e racional, sem o sentido espiritual que por trás estava acontecendo diante do sistema opressor que Cristo enfrentou, em todo contexto histórico e salvífico é sair do propósito original pela qual Cristo veio. Porque Ele veio para morreu numa cruz. Mas entenda, que eu não estou dizendo com isso desprezando o contexto histórico e a capacidade da razão humana para não entender os fatos que estava acontecendo por de trás de todo aquele sistema que existia numa força tanto sociológica, política, econômica e religioso por trás daquela morte de Jesus na cruz. Só que deveria os autores ter feito uma mudança na colação do título não apenas que aplicasse à condição de terceiro mundo, como os teólogos da libertação aderem a conceitos e pensamentos de teólogos liberais tanto no ramo católico quanto no protestante. Até onde há o erro? E onde fica a fronteira do acerto? Porque se fico apenas com o significado contemporâneo eu perco a essência que as Escrituras quer dizer sobre a morte e a crucificação de Jesus Cristo na cruz.
      Logo, os aspectos concretos e literais do texto se perdem em uma inundação de conceitos pessoais de teólogos liberais. E o conteúdo simbólico e eterno é substituído e desvirtuado, assumindo assim, uma forma arbitrária e completamente imaginativa, ao sabor do acaso circunstancial.
      Naquela época havia entre os judeus uma esperança, e mesmo que , percebida parcialmente, era uma esperança. Aguardavam um rei, politicamente identificado com o trono de Davi. Sonhavam com uma estabilidade política e econômico, com a chegada do Messias. Esperavam que viesse restaurar a hegemonia de dominação dos romanos sobre o povo Hebreu. Tinham expectativas desumanas de dominação e dependência. A diferença estava na expectativas como viria a ser apresentado esse Messias o chamado “Cristo”. A proporção que essa expectativa estava chegando por meio de Profetas, Sonhos, visões celestiais e na observação da torah a Identificação pelo Messias estava mais pelo que haveria de fazer em nome do poder e pelo poder, do que pelo que Ele realmente era. Mas pela projeção que o povo Judeu fazia do Messias isso fez tirar o foco do verdadeiro Messias que havia de vim na sua essência.
      Deus estava se manifestando na história humana como nunca. De várias maneiras havia tomado a iniciativa de se comunicar com os seres humanos. “Havendo Deus outrora falando de várias maneiras aos pais pelos profetas, nos últimos tempos nos falou pelo seu Filho a quem constituiu herdeiro de todas as coisas”. (Hebreus 1: 1-4). Todas as outras comunicações foram parciais e limitadas. E entre os hebreus a manifestação de Deus acontece nas ambiguidades militares, na filtração de ambiente de paganismo que confundia Deus com as divindades carentes de sacrifícios de holocaustos, como forma de moeda de troca. Isto é, dependência de trocas de favores, onde a espiritualidade religiosa da época era sem misericórdia com os doentes de portadores de várias moléstias, de deficiência física até com os desprezados como crianças; mulheres à margem da sociedade.
      A presença de Jesus Cristo era suficiente naquela manjedoura de Belém em uma criança envolta em panos, nascida em uma família sem prestigio social, onde os pais não tinha um conta bancária “gorda” que pudesse fazer referência relevante na sociedade do seu tempo. Era a presença humana de Deus sendo a boa nova de grande alegria. Jesus Ele é contracultural porque Ele veio já quebrando um dualismo grego já existia no seu tempo entre divindade versus humanidade. Em Jesus se podia identificar a essência de ser gente porque Deus estava nele, e ele estava em Deus. Ele mesmo transcende entre os seres humanos vivendo a possibilidade plena de nossa humanidade. Uma evidência real da imagem e semelhança de Deus expressando na sua pessoa. Como o apóstolo Paulo afirma: “Ele é a expressão exata do seu SER”. Paulo se referindo ao ser de Deus. Era uma forma de combater a todas as formas de imperialismo: não era uma divindade a serviços dos poderosos como caprichos de dominação romana na cultura helênica de um povo que estava dominando que era Israel. Por isso que Jesus Cristo havia chegado para servir, salvar, sofrer e padecer. É o que diz o Evangelho de João (Jo 1: 14) , era a “notícia de que Deus habitou entre nós cheio de graça e verdade e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai”.

  59. Muito honesto da parte de vcs aprovarem apenas comentários que concordam com as suas heresias, mataram muita aula de Teologia Moral no seminário em …

  60. Boa tarde vocês podem falar o que quiser a Bíblia é um livro santo e ela garante que JESUS é ó caminho a verdade é a vida é ninguém vai ao PAI se não por JESUS mais a Bíblia nos adverte que não é por força nem por imposição mais hoje é tempo do homem mais está próximo do tempo de DEUS aí não haverá mais tempo para blasfêmias aí a Bíblia garante que todo joelho se dobrará e toda língua confesara que só o SENHOR é DEUS só conhece o poder do nome de JESUS quem vive JESUS que ele vós perdoe vocês não sabem o que dizem nem nunca viverão milagres em nome de JESUS eu não vos falo do que houvi falar falo do que vive e vivo curado de câncer no estômago com diagnóstico médico sem nunca ter feito uma quimiterapia curado da dependençia química de quase quarenta anos sem nunca freqüentar uma clínica de recuperação só oração e jejum e invocação do nome de Jesus não são ipocrita mentirosos e estudiosos que tiraram o verdadeiro motivo da morte de JESUS não é o muito estuda porque o muito estudar é enfado da carne garante a Bíblia mais é lendo Bíblia do pentateuco as escartalogias que temos a certeza que virão homens avarentos presunçosos amantes de se mesmo mais do que de DEUS como fala no livro de Timóteo deixo a meditação para os padres acebispos cardeais e até o Sr. Papa a meditação em salmos 115 e o alerta só a dois caminhos céu é inferno lá na escartalogias no capítulo 22 apocalipse fala claramente quem erdara o REINO DOS CÉUS ainda a tempo e o caminho é JESUS porque ele é ó caminho a verdade é a vida é ninguém vai ao PAI se não por JESUS e ele está voutando é só olhar para o mundo.

  61. A argumentação abaixo foi feita para um amigo que enviou o link dessa matéria, assim este conteúdo foi produzido para alguém que ver o novo testamento como uma continuidade do novo e Cristo como o messias apontado pelo Antigo Testamento. Também não levei em consideração a argumentação de que Cristo combateu o sistema por levar em conta que o que já havia sido exposto era suficiente.

    Cristo Morreu Pelos Nossos Pecados?

    Trazendo essa expressão para um formato não teológico, poderíamos transcrever assim: “Cristo pagou o preço pelos nossos erros”. A expresso nossos pecados ou nosso erro é uma referência aos erros de toda a humanidade e não somente uma pessoa. E qual foi o nosso erro? Ou o erro da humanidade que não poderia ser pago por Ele mesmo? Para uma resposta mais precisa é necessário conhecer a referência que a bíblia faz a esse erro e a estratégia para “correção”. Afim de ganharmos tempo vou apenas citar os textos bíblicos sem citar a referência bíblica por completa. O Gênesis narra a desobediência do homem, e em consequência dessa, Deus já havia alertado que seria a morte, a morte deveria ser o fim. Em seu amor pela humanidades Deus esboçou um plano. O apóstolo Pedro diz que este plano havia sido feito “antes mesmo da fundação do mudo”. Pedro deixa isto Claro. Ao homem cometer o erro Deus expõe este plano para ele, de forma que este fosse apresentado a todos, e todos deviam viver na esperança desse plano que contemplava o viver e não a morte. O preço era a morte, assim naquele dia em que Adão e Eva pecaram, deviam morrer, porém o Gênesis nos diz que um Cordeiro foi sacrificado, morreu no lugar deles, sua fora usada como vestes para o casal que estava despido. Aquele Cordeiro era uma representação do sacrifício que Cristo faria por nós, pagaria um alto preço, faria a sua vida para que pudéssemos novamente viver para sempre. Quando os hebreus estavam prestes a sair do Egito, novamente o a figura do Cordeiro reaparece, todas casas deviam ser marcadas pelo sangue do cordeiro, o sangue era a única forma que salvaria todas as famílias. Quando saíram do Egito comemoraram a páscoa, o cordeiro novamente aparece como símbolo deliberação, não somente da vida da escravidão física imposta pelo Egito mas também apontando para o Salvador que viria nos libertar do “império do mal”. A expressão “Império do mal” é uma forte deixa para entender o questionamento sobre “CRISTO MORREU PELOS NOSSOS PECADOS”. A condição pecaminosa é universal: Segundo as Escrituras todo ser humano herdou a condição pecaminosa de Adão após a queda e “destituídos estão da glória de Deus” (Rm 3:23). Essa situação de pecado é comprovada incontestavelmente pela morte “por isso que todos pecaram” (Rm 5:12).

    Não há exceção: A declaração enfática de que “todos estão debaixo do pecado” (Rm 3:9) leva à conclusão óbvia de que “não há um só justo” (Rm 3:10) e “ninguém que faça o bem” (Rm 3:12). Em outra passagem Paulo menciona que temos uma inclinação para fazer o mal e somos impasses de fazermos o bem por nós mesmos, talvez tenha sido por isso que Cristo disse: “Sem mim nada podeis fazer”, a natureza mar está dentro de nós e não temos como nós libertar dela, assim também não mais temos como pagar um preço justo que devolva não somente para nós para para toda a humanidade uma vida ausente de morte, por isso fez-se necessário que Cristo morresse por nós, pagasse o preço que não poderíamos pagar. No que a bíblia apresenta fica Claro que Cristo Morreu Pelos Nossos Pecados. Mas há ainda uma citação muito clara do profeta Isaías citada de forma poética:

    NVI-br Isaías 53:3-7: “Foi desprezado e rejeitado pelos homens, um homem de dores e experimentado no sofrimento. Como alguém de quem os homens escondem o rosto, foi desprezado, e nós não o tínhamos em estima. Certamente ele tomou sobre si as nossas enfermidades e sobre si levou as nossas doenças; contudo nós o consideramos castigado por Deus, por Deus atingido e afligido. Mas ele foi traspassado por causa das nossas transgressões, foi esmagado por causa de nossas iniquidades; o castigo que nos trouxe paz estava sobre ele, e pelas suas feridas fomos curados. Todos nós, como ovelhas, nos desviamos, cada um de nós se voltou para o seu próprio caminho; e o SENHOR fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós. Ele foi oprimido e afligido; e, contudo, não abriu a sua boca; como um cordeiro, foi levado para o matadouro; e, como uma ovelha que diante de seus tosquiadores fica calada, ele não abriu a sua boca.”

    Veja essas expressões:

    – ele tomou sobre si as nossas enfermidades e sobre si levou as nossas doenças

    – Ele foi traspassado por causa das nossas transgressões

    – e pelas suas feridas fomos curados.

    – e o SENHOR fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós. Ele foi oprimido e afligido.

    Falando para você que é cristão e acredita no novo testamento como uma continuidade do antigo e sendo Cristo o messias apostado no antigo testamento, creio que o foi exposto acima é suficiente. Entretanto um investigação menuciosa nos relatos do NT mostrará de forma clara que ele Deu sua vida pela humanidade. Essa era a visão dos apóstolos e da igreja Cristã. Ao apóstolo João expressa essa compreensão ao dizer: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu único filho para que todo aquele que nEle crer não pereça mas tenha a vida eterna.”

  62. O texto é no mínimo interessante. Entretanto vcs esqueceram um detalhe. Jesus foi bem claro quando disse: Ninguém poderia tirar lhe a vida mas que ele mesmo a dava.

  63. O sistema é o nosso pecado, nós o criamos, nos subjulgamos, e o alimentamos, sendo assim morreu por nossos pecados por que enfrentou o sistema que criamos, simples, as duas afirmações são corretas se completam, mas as visões da conveniência é que as distorce….onde só há ódio como o Amor sobrevive?

  64. O importante que amamos uns aos outros como a nós mesmos, uns dos ensinamentos de Jesus Cristo a verdadeira paz é levando sua palavra sagrada a milhões de pessoas através de seus ensinamentos deixado no livro da vida que é a Bíblia Sagrada. Jesus Cristo é o amor entre nós Cristão sem ele não estaríamos nessa paz e harmonia nos convívios das famílias. Jesus Cristo foi , é e será sempre o nosso salvador. Glória voz ao senhor das alturas.

  65. Permita-me, como cristã reformada que sou, discordar do texto, especialmente quando afirma que a morte de Cristo não aconteceu pela vontade de Deus. Tal afirmação anula as verdades bíblicas desde gênesis à apocalipse, tendo em vista que nos primeiros capítulos de gênesis já é prevista a vinda do Messias, cujo nascimento é anunciado com detalhes precisos pelos profetas 600 anos antes dele vir ao mundo, inclusive as circunstâncias da sua morte e a razão pela qual Ele morreu. É na cruz que Deus realiza o plano da redenção.
    Quanto à afirmação de que Jesus foi assassinado pelos interesses da casta sacerdotal no poder, não há dúvidas de sua veracidade. De fato, a Bíblia não esconde as atitudes e a culpa dos fariseus e da corja política da época. Entretanto, isso não significa que toda essa situação fugiu sequer por um instante do conhecimento e do controle de Deus. Tal interpretação só pode ser feita por pessoas sem fé, que se utilizam tão somente de um conhecimento intelectual e emocional. Uma interpretação de natureza espiritual vai muito além, entretanto, só pode ser feita e entendida quando há fé em Jesus.
    Já a afirmação de que a morte de Jesus para pagar pelos nossos pecados provoca culpa nas pessoas é totalmente sem sentido, haja vista que a própria Escritura nos afirma que Ele venceu a morte e ressuscitou ao terceiro dia. O fato de Cristo voluntariamente ter se tornado maldição em nosso lugar, crucificando o nosso velho homem, é a base da nossa vitória contra o pecado, e a consequência disso é a liberdade que temos nEle, e jamais a culpa.
    Discordo totalmente do que o autor do texto disse porque vai de encontro com às Escrituras e não só diminui o sacrifício de Cristo, como anula a soberania de Deus quando ele afirma que “Jesus não morreu pelos nossos pecados, e muito menos por ser essa a vontade de Deus”. A verdade bíblica diz que: “Ele veio pelos nossos pecados. Trata-se da manifestação da sabedoria de Deus. É ali na cruz que Deus exibe ao mundo a profundeza do plano da redenção, que Ele concebeu desde a eternidade, em enviar seu próprio Filho em forma humana e que, condenado pela própria humanidade através dos dirigentes políticos da época, numa cruz, sofre a penalidade que os eleitos de Deus deveriam receber por causa dos seus pecados”.

  66. Bem, não concordo com todas as palavras do autor do texto, mas concordo com a ideia central, porém, há um questionamento nos comentários da página sobre o porquê de Deus ter permitido a morte de Cristo se não fosse da vontade dele que ele morresse.

    Deus permitiu, porque, pra ele, a morte não é nada. Ele é Deus. Ele ressuscitou. Tudo isso estava escrito que aconteceria, para mostrar até que ponto é capaz de ir o pecador: matar o próprio Deus, aquele que lutava em defesa dos oprimidos, do povo, mas o próprio povo, que se beneficiava de suas lutas, revoltou-se contra ele e se juntou àqueles que tinham interesses econômicos, mascarados de interesses religiosos.
    E aqueles poderosos que nunca se importaram com o povo se aproveitaram da ingenuidade de um povo desinformado, vendo em tudo, a oportunidade de moldar o raciocínio dessa massa popular, transformando as suas ações, fazendo com que esse povo que havia gritado louvores a Cristo, de repente, gritasse “crucifica -o”. E assim, os abutres, que estavam no poder, ficariam livres e continuariam a desfrutar, sem culpa nenhuma, de tudo da mesma forma como sempre foi. Continuava tudo como antes, mas com Jesus, agora, fora do caminho. E se surgisse alguma culpa, essa cairia sobre o próprio povo, e não sobre os abutres do poder. Isso só nos mostra que tudo continua da mesma forma. Infelizmente, pois a maioria ainda não o compreendeu. Jesus veio, passou por tudo o que passou, fazia parte do plano de salvação de Deus. Tudo estava escrito, porque era de se esperar, Deus conhece o seu povo, já previa, sabia quais seriam suas reações. As ações que resultaram na morte de Jesus, não acredito que eram da vontade de Deus, até porque Deus não é conivente com o pecado. Deus não faria uma pessoa pecar, mas era o que aconteceria, porque Deus sabia que era nisso que tudo resultaria. Deus sabia e sabe até onde vai a cobiça humana. Então, ele já previa os acontecimentos e estava tudo nas profecias. Deus não deixa de ser Deus só porque não evitou a morte de Jesus e também não se explica o não evitar sua morte com a ideia de que era da vontade de Deus. Deus apenas sabia o que aconteceria e permitiu, pois nos deu livre arbítrio. E quando decidiu enviar Jesus, sabia que haveria consequências, mas, mesmo assim, quis pagar o preço de ir até o fim com o seu plano. Jesus veio, ensinou, tentou mudar tudo. Veio para nos salvar de todo o pecado. Salvar do pecado como? Mostrando a verdade, denunciando o que estava errado, na esperança de nos fazer enxergar como ele, tirando-nos das trevas, trazendo-nos para a luz, para uma nova vida, iluminada pelos ensinamentos que ele nos trazia. Então, não é só porque ele morreu que já estaríamos todos salvos e pronto, como se ele já tivesse feito tudo por nós e não precisássemos fazer mais nada para sermos salvos, apenas aceitá-lo como senhor e crer nele. Veja! Precisamos aceitá-lo e crer, mas essa aceitação e crença vão além de simplesmente aceitá-lo e crer sem fazer nada que sustente essa aceitação e crença. Esses atos requerem outras ações consequentes, nós precisamos aceitar e praticar seus ensinamentos. A sua morte foi uma consequência de ter enfrentado os poderosos da época sim, de ter enfrentado os pecadores sim, mostrando até onde pode ir um pecador. Deus nos deu livre arbítrio até para matá-lo. E ele se sujeitou a isso para nos dar a possibilidade de refletir com todas as ações de Cristo e as reações dos pecadores, e, quem sabe assim, perceber o quanto nossas omissões e egoísmos são capazes de ferir alguém e nos tornar pessoas tão contrárias ao que foi idealizado por Ele. E se com tudo o que aconteceu, chegando até o extremo da morte de Cristo, não for suficiente para entendermos isso, ahhhhh, meu irmão, sinto muito em te falar isso, não seremos salvos mesmo. Mesmo Cristo tendo morrido por nós, para nos salvar, porque essa morte por nós, para nos salvar de todo o pecado, requer que aceitemos seus ensinamentos e mudemos nossas ações de perversas e sem amor para ações semelhantes às dele, ações amorosas que, consequentemente, precisam ser ações ativas, como a própria palavra já significa. Ações requerem ações, agir, lutar contra o que é errado e poderia resultar em algo contrário aos seus ensinamentos. É a prática do que ele ensinou. Portanto, não adianta ficarmos repetindo versículos como papagaios, mas precisamos refletir sobre tudo, sobre nossas próprias ações! Estariam elas em conformidade com tudo aquilo que Jesus pregou, sujeitando-se a passar por todos os sofrimentos até a própria morte, na tentativa de que compreendéssemos o que ele andava a falar? Ou todas as ações de Cristo e até mesmo sua morte estariam sendo inúteis para o meu, o seu, o nosso processo de salvação?
    Feliz Páscoa! Cristo Ressuscitou. Agora, é nossa vez de mostrar que tudo não foi em vão e ABRAÇAR a NOSSA SALVAÇÃO.

  67. Nos faz pensar o quanto a religião é importante para o homem. A pregação sobre a morte e ressurreição representa a necessidade que o homem tem de acreditar no que melhor for para o povo. Neste caso, passados 2000 anos, a história jamais foi alterada, mesmo tendo biblistas passando informações que fazem sentido. A religião e a fé são mais fortes mesmo que a história não seja a contada

  68. “O próprio conceito de pecado vem da bíblia. O cristianismo oferece resolver um problema que ele mesmo cria. Você ficaria grato a uma pessoa que te corta com uma faca afim de te vender um curativo?”
    – Dan Barker

    Cada um tem a liberdade de acreditar no que achar certo e válido. Quem somos para questionar esse direito?
    Quero apenas chamar a atenção do poder desse pensamento ignorante que perdura por milhares de anos em nossa civilização. Milhares de anos! O mesmo pensamento! A mesma ideia que faz com que procuremos soluções milagrosas para os nossos problemas.

    Felizmente muitos (eu preferencialmente) preferem acreditar que nossas mãos são mais importantes que asas, anjos, fadas e mitos.
    Enquanto vivo poderei me orgulhar de ter vivido o paraíso da vida. Ao contrário dos crentes em troca do desejo ardente do paraíso da morte. E desejo que vocês estejam conscientes de tudo.
    Quero que o leitor esteja ciente e entenda o que é RAZÃO, REALIDADE e LIBERDADE e o que é FÉ, ILUSÃO e ESCRAVIDÃO (baseada em dogmas, no sobrenatural em um amigo JC arquétipo sobrenatural e divindades imaginárias sejam um homem pregado em uma cruz ou um menino elefante), para que não caiam na mesma armadilha das crenças em MITOS, DEUSES MITOLÓGICOS, CONTOS DE FADAS e LENDAS em que todas as sociedades, todas as civilizações caíram nessa ficção.
    Tudo o que vocês necessitam é encontrar o caminho para a liberdade total, liberdade de todos os tipos de escravidão psicológica e espiritual, e vocês se tornarão seu próprio redentor. E serão de longe superiores ao que todos os seus antepassados jamais foram.
    Joguem fora tudo que os antigos sacerdotes e místicos puseram dentro de vocês, e à medida que se livrarem dessa carga começarão a ter vislumbres do seu puro ser. Na verdade, não existe outro paraíso, a menos que criemos um aqui!

  69. Na bíblia, por mais de uma vez temos a alerta, não devemos nem retirar nem acrescentar nada nela. Isso é responsabilidade de cada um. O título do texto já altera a própria Bíblia.

    Que saibamos ler outras fontes de apoio e entendimento da Palavra de Deus, mas que para isso sejamos todos guiados pelo Espírito Santo, o Espírito da Verdade. Com ele, teremos paz e a certeza de nossa busca pelo entendimento bíblico.

    “No entanto, era o nosso sofrimento que ele estava carregando, era a nossa dor que ele estava suportando. E nós pensávamos que era por causa das suas próprias culpas que Deus o estava castigando, que Deus o estava maltratando e ferindo. Porém ele estava sofrendo por causa dos nossos pecados, estava sendo castigado por causa das nossas maldades. Nós somos curados pelo castigo que ele sofreu, somos sarados pelos ferimentos que ele recebeu.
    Isaías 53:4‭-‬5

    A Paz.

  70. Portanto, quando falamos, nós usamos palavras ensinadas pelo Espírito de Deus e não palavras ensinadas pela sabedoria humana. Assim explicamos as verdades espirituais aos que são espirituais. Mas quem não tem o Espírito de Deus não pode receber os dons que vêm do Espírito e, de fato, nem mesmo pode entendê-los. Essas verdades são loucura para essa pessoa porque o sentido delas só pode ser entendido de modo espiritual.
    1Coríntios 2:13‭-‬14 NTLH
    https://bible.com/bible/211/1co.2.13-14.NTLH

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *