Cinco anos de Francisco: a Igreja de volta

Francisco em sua primeira aparição: curvado diante da humanidade

Em cinco anos, Francisco tirou a Igreja da irrelevância a que se reduzira. Recolocou os pobres no centro da mensagem, da ação e da oração de uma instituição que havia se rendido aos ricos e às regras -e desmoralizada pela falsidade e vida dupla de muitos de seus líderes 

Por Mauro Lopes

Neste 13 de março completam-se cinco anos do papado de Francisco. Tudo o que seria seu papado estava anunciado três gestos na noite em que apareceu diante do povo na Praça São Pedro. Estava tudo lá. Mas, somos cabeças duras –como o texto bíblico afirma textualmente por nada menos que quatro vezes em dois dos textos fundantes do judaísmo e, por consequência, do cristianismo, no Êxodo e no Deuteronômio. Não entendemos nada.

Mas Francisco apresentou o  seu “programa de governo” naquela noite, com três gestos simples:

1. Escolheu o nome de Francisco – foi uma confusão! Quando seu nome como papa foi anunciado pelo cardeal francês Jean Louis Tauran, antes da entrada de Bergoglio na praça, houve confusão, que se prolongou: seria o nome tomado de Francisco Xavier, um santo do início do século XVI, jesuíta como Bergoglio, e tido como aquele que mais gente converteu ao cristianismo na história? Seria Francisco I? A confusão demorou a dissipar-se. Era apenas Francisco, como o poverello de Assis. E este Francisco, como o outro, parece ter ouvido uma voz surgida das origens da caminhada: “Francisco, vai e reconstrói a minha Igreja que está em ruínas”. Simples, pobre entre os pobres, alegre e disponível.

2. Apareceu à praça vestido de branco – quando Francisco assomou ao púlpito naquela noite, foi um espanto. Esperava-se um papa como os demais: empetecado, dado ao ouro reluzente, cheio de sobrevestidos. No entanto, apareceu um homem vestido de branco, numa imagem surpreendente: cercado de cardeais, era ele o que se vestia de maneira mais simples. Há uma história que se conta sobre o momento em que Bergoglio foi vestido para aparecer ao povo, nunca comprovada; mas, como dizem os italianos, “se non è vero, è ben trovato” (se não é verdade, é um bom achado”: quando lhe chegaram com as roupas luxuosas para vesti-lo como papa, ele teria rejeitado com um gesto de mão e tido “não, não, acabou o Carnaval”. No peito, em vez da cruz de ouro dos papas anteriores, utilizada à farta por cardeais e bispos pelo mundo adentro, Francisco apareceu com a cruz peitoral que carrega desde os tempos de Buenos Aires, de ferro. Veja na foto abaixo os sapatos de Bento XVI e os de Francisco; a imagem carrega em si mesma dois projetos de papado.

Os sapatos de Bento XVI e os de Francisco: para caminhadas diferentes

3. Curvado diante da humanidade sofredora – nunca se viu nada parecido como o gesto que marcou sua “estreia” como papa. Em vez de um rei, de aspecto imperial, um homem humilde, que se curvou diante do povo reunido na praça –diante de boa parte da humanidade que assistia à cena naquela noite. Pediu que rezassem por ele. Pediu silêncio. Pediu abertura de coração. Veja o vídeo do momento –no oitavo minuto, o gesto.

Interrompendo 35 de inverno conservador, com João Paulo II e Bento XVI, Francisco retomou a primavera de João XXIII e tem buscado recolocar a Igreja nos passos do Concílio Vaticano II.

Olhar para Francisco é olhar para o Vaticano II. Mais que isso, é olhar para o que de mais importante aconteceu num concílio no qual o peso da Igreja imperial ainda se fez presente com desejo de continuação, como observou um dos grandes nomes do encontro, o padre dominicano Ives Congar, desgostoso com o desfile dos bispos e cardeais vestidos e comportando-se como príncipes:

“Vejo o peso daquilo a que nunca se renunciou, do período em que a Igreja se comportava como um senhor feudal, quando detinha poder temporal,  quando o papa e os bispos eram lordes que tinham suas cortes, eram mecenas de artistas e pretendiam uma pompa igual à dos Césares. A isso a Igreja nunca repudiou em Roma. Deixar o período constantino para trás nunca fez parte de seu programa”.[1]

O que de mais importante aconteceu no Vaticano não estava nos salões e sim nos subterrâneos. O coração do Concílio expressou-se nos subterrâneos. No Pacto das Catacumbas da Igreja Serva e Pobre firmado numa eucaristia, em uma basílica dentro da Catacumba de Domitila na noite de 16 de novembro de 1965, às vésperas do encerramento do Concílio -as catacumbas eram locais de reunião secreta dos cristãos durante as perseguições do Império Romano.

Naquela noite, 40 participantes assinaram texto, pelo qual comprometeram-se a uma vida eucarística, de pobreza, partilha, uma vida de lavar os pés dos pobres e com eles conviver. Os signatários assumiram 13 compromissos naquela noite histórica, dentre eles: viver como o povo, abrir mão dos títulos e roupas luxuosas, assim como do uso e ouro e prata, abrir mão de toda propriedade pessoal, estabelecer relações horizontais de diálogo em suas dioceses.

Eles curvaram-se em serviço amoroso diante de toda a humanidade. O gesto dos 40 das catacumbas finalmente veio à luz com Francisco, curvado na Praça São Pedro na noite de 13 de março de 2013.

Desde então, Francisco tem procurado arrancar a Igreja Católica da irrelevância a que se reduziu e recolocar os pobres no centro da mensagem, da ação e da oração de uma instituição se rendeu anos a fio aos ricos e às regras, desmoralizada pela falsidade e vida dupla de seus líderes. E tudo estava lá, nos primeiros minutos de seu papado -em três gestos.

 

___________________

[1] CONGAR, Ives. My Journal of the Council. 1ª ed. Adelaide: ATF Press, 2012. P. 124

 

 

7 respostas para “Cinco anos de Francisco: a Igreja de volta”

  1. Mauro. Somos todos felizes e com esses cinco anos de uma reorganização e reorientação da Igreja em saída para as periferias pobres e excluídos do toque do Mestre. Francisco continua os gestos proféticos hoje. Sinal de uma esperança continuada. É preciso fazer a nossa parte e com ousadia e amor por nossos pés nos passos de Jesus, animados com a inspiração de Francisco!

  2. A religiosidade é própria dos “inocentes”. Conhecer apenas um pouco da trajetória humana é suficiente para mostrar esta realidade. Os religiosos afirmam que o homem é o responsável por sua infelicidade, mas afirma ser vontade de Deus que o homem seja feliz. Isto é o mesmo que dizer ser a vontade do homem superior à vontade de Deus. Durma-se com tal barulho!

  3. Graças a Deus o Papa Francisco recolocou os pobres como prioridade. Está resgatando o verdadeiro sentido da palavra SALVAÇÃO, destruída ou empobrecida pelos servos rendidos dos ricos e poderosos. No evangelho há duas afirmações que denunciam a heresia tradicionalista: 1) Jesus salvador dos pecadores; 2) Jesus salvador dos pobres.
    Ora, eles concordam que salvar do pecado é tirar do pecado, libertar do pecado, mas não estão de acordo que salvar os pobres é tirar da pobreza, libertar da pobreza! Por que essa contradição, ou melhor dizendo, iniquidade? Sim, é uma iniquidade, eles escolheram uma só parte do evangelho e com isso estão sustentando os ricos e poderosos e oprimindo os pobres a mais de 2000 anos. Escolher uma parte que mais convém do evangelho define os hereges. Eles se escandalizam com o pecado, mas não se escandalizam com a fome! Mas a verdade é que quem trabalha para que as pessoas não pequem, também devem trabalhar para que as pessoas não passem fome! É preciso atitudes que favoreçam e não que desfavoreçam os pobres. Salvar os desempregados do desemprego! Salvar os analfabetos do analfabetismo! Isso e muito mais é preciso que a sociedade como um todo veja e lute para que “todos tenham vida” ao invés de se conformarem com a miséria. Eles pregam uma conformidade com a miséria, de aceitar isso como vontade de Deus. Se fosse vontade de Deus não ameaçaria com o inferno aos que negam dar de comer a quem tem fome, etc.

  4. Há 60 anos deixei de frequentar a missa, por não aceitar mais a Igreja Católica, nem os seus papas. Felizmente apareceu o Papa Francisco para salvar a igreja. Pensei que o tirariam logo do seu papado, mas foi Deus que o colocou lá para realizar uma tarefa divina, e enquanto não termina-la, certamente ele ficará lá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *