Carta de um jovem católico: da Renovação Carismática à descoberta da Teologia da Libertação

Jovens participam de uma romaria durante o I Encontro Nacional de Juventudes e Espiritualidade Libertadora

Dener Ricardo tem apenas 25 anos. Escreveu-me uma carta em tom pessoal, um relato pungente de sua trajetória na Igreja, da Renovação Carismática Católica e a rotina de adorações até a adesão à tradição da trajetória da Igreja latino-americana, à Teologia da Libertação –e à liderança do Papa Francisco.

No final do texto, uma convocação, um questionamento: “Vamos aspirar a uma Igreja simples, profética, que denuncia as injustiças contra os pobres e não se alia aos poderosos desta terra.”

Um jovem que torna verdade a profecia de Isaías no Segundo Canto do Servo Sofredor: “De minha boca fez uma espada cortante, abrigou-me na sombra da sua mão; fez de mim uma seta afiada, escondeu-me na sua aljava.” (Is 49, 2)

Uma carta-provocação, às vésperas do II Encontro Nacional de Juventudes e Espiritualidade Libertadora, que acontecerá entre 7 e 10 de setembro em Poá (SP).

Os ouvidos da Igreja estão se abrindo para a voz dos jovens que desejam o retorno à originalidade das primeiras comunidades cristãs? Os olhos da Igreja estão se abrindo para a luz que carregam os jovens? Já passa da hora.

[Mauro Lopes]

A íntegra da carta de Dener:

“Sou de São José do Rio Preto (SP), tenho 25 anos. Minha família sempre foi católica, mas, antes dos meus 14 anos, eu não praticava muito a religião: ia à Missa, fazia algumas poucas orações e só. Muito pouco me importava a dimensão comunitária da fé. Aos 15 anos me apresentaram a Renovação Carismática Católica (RCC). Adotei este tipo de espiritualidade com muito entusiasmo: participava ativamente dos grupos de orações e eventos da RCC. Tinha um apreço muito grande pela Canção Nova e outras emissoras de TV deste segmento. Durante três anos, a minha espiritualidade foi moldada neste contexto…até que algo começou a mudar.

Já na faculdade, passei a questionar o porquê de muitos irmãos (ãs) nada possuírem para comer ou viver com um patamar mínimo de dignidade, ao passo que uma minoria acumula rios de dinheiro. Comecei a me questionar, dentro da fé católica, se isso poderia ser justo. Mas nos grupos da RCC não encontrei nenhum tipo de resposta: pouco ou nada se falava sobre os pobres e seus mais diversos sofrimentos, quase nunca se incentivavam ações concretas para pelo menos aliviar as tribulações daqueles mais necessitados.

Em três anos de Renovação Carismática, NUNCA, repito, NUNCA houve um pregador sequer que tivesse pautado sua pregação em Mateus 25, 31-46 ou nos documentos sociais da Igreja, que eu sequer sabia que existiam. Muitas e muitas pregações, a massacrante maioria, era pautada num discurso extremamente moralizante, bem do tipo pode ou não pode, um discurso bélico e apologético. O resultado em minha espiritualidade você já pode imaginar: o meu cristianismo tinha pouco de Evangelho. Gostava de cruzadas religiosas, tinha aversão ao ecumenismo, a ponto de até recusar uma oração comum, com dois irmãos protestantes que faziam um trabalho de visita a um hospital onde eu estava internado. Discutia áspera e frequentemente com pessoas dos Testemunhas de Jeová que vinham à minha porta. Era moralista e algumas vezes gostava de julgar quem não pensava como eu. Graças a esse moralismo exacerbado deixei de viver muita coisa boa e saudável próprias do tempo de juventude.

Em um dado momento desta trajetória minha consciência começou cutucar se estas minhas atitudes eram mesmo alinhadas ao Evangelho de Nosso Senhor. Isso se somou aos questionamentos que eu fazia sobre a disparidade entre ricos e pobres. Um dia, fui apresentado à Teologia da Libertação e à Doutrina Social da Igreja. Comecei a ler os textos do padre Gustavo Gutierrez, frei Leonardo Boff, padre Jon Sobrino, Dom Helder Câmara, Dom Paulo Evaristo Arns, as ideias de São Vicente de Paulo e Beato Antonio Frederico Ozanam, entre outros. Por meio destes cheguei aos documentos que compõem o Compêndio da Doutrina Social da Igreja, bem como aos ensinamentos do Concílio Vaticano II e do CELAM.

O ponto culminante veio com o pontificado do Papa Francisco. Entrei de cabeça. Uma Igreja pobre para os pobres, uma Igreja misericordiosa, solidária, fraterna, de portas abertas e que denuncia profeticamente a injustiça social decorrente de um sistema que coloca o dinheiro no centro de tudo. Esse encontro me fez muito bem. Comecei a entender que Cristo se identifica nos pobres e sofredores do mundo e, dentro dos meus limites, comecei a dar início a pequenas ações concretas: visitar asilos, levar alimentos a instituições que atendem os pobres, inteirar-me da politica brasileira para ver o que eu podia fazer para cobrar dos governantes uma atenção privilegiada aos mais necessitados.

Neste caminho identifiquei-me com a Pastoral do Povo da Rua, onde hoje atuo com grande alegria. Confesso: Não há dinheiro no mundo que pague o trabalho junto e a favor dos pobres; ver o sorriso no rosto de um morador de rua quando encontra sorriso e amizade é algo excepcional. Passei aos poucos de uma espiritualidade pesada, intimista, preconceituosa e truncada para uma espiritualidade de partilha, comunhão, solidariedade e acolhimento. Hoje sou muito mais feliz com minha espiritualidade.

Ah, não poderia esquecer: comecei ganhar alguns rótulos de pessoas da ala conservadora da Igreja: herege, comunista, falso católico, entre outros. Confesso que fiquei um pouco chateado. Mas, se viver uma Igreja acolhedora, misericordiosa e que assume a opção preferencial pelos pobres é sinônimo de heresia, então sou um “herege”.

O caminho que se abriu permitiu-me participar melhor da Santa Missa, fazer minhas orações cotidianas e viver os sacramentos, entender que na vida nem tudo é preto no branco, por isso se faz importante o discernimento que é um dom do Espirito Santo… Minha relação com a Igreja ganhou em qualidade. Comecei a descobrir no Evangelho que Jesus sempre se colocava ao lado dos que sofriam e eram excluídos da sociedade daquela época. Provavelmente, foram estas escolhas que o levaram à cruz. JESUS ERA UM REVOLUCIONÁRIO e digo isso sem medo. De conservador ele não tinha absolutamente nada. Comecei a ver que o verdadeiro profetismo é denunciar os esquemas injustos e o acúmulo de riquezas, como fizeram os profetas do Antigo Testamento.

Contudo, não me engano: reconheço que tenho muito a melhorar como ser humano, tenho muito a converter dentro de mim, tenho muito o que aprender, para assim melhor me doar ao próximo. Peço que você reze por mim!

Por fim, se você publicar mesmo esta carta, gostaria de fazer um apelo a todos os leigos (as) e presbíteros que venham a ler esse depoimento: com palavras e atitudes vamos fazendo uma Igreja pobre, com os pobres e dos pobres. Vamos aspirar a uma Igreja simples, profética, que denuncia as injustiças contra os pobres e não se alia aos poderosos desta terra. Assim era no inicio do cristianismo e é assim que verdadeiramente iremos seguir os passos do Deus que se fez pobre, para nos enriquecer com sua pobreza.

Viva o Papa Francisco e que Deus o conceda longa vida, com muita saúde, conduzindo a Igreja pelas veredas da simplicidade do Evangelho!

Servo de Deus, Dom Helder Câmara e  Bem Aventurado Dom Oscar Romero, roguem por nós e especialmente pelos marginalizados, a quem devotaram as vossas vidas!

Dener Ricardo

54 respostas para “Carta de um jovem católico: da Renovação Carismática à descoberta da Teologia da Libertação”

  1. Muito bonito o testemunho, penso da mesma forma, porém estou firma na RCC. Venho que a grande ação de Deus é contínua e deseja e quer todos possam conhecê-lo, vivenciar a espiritualidade plena e liberta de preconceitos, dos “ismos”. O grande passo é um questionamento franco e sincero, entando no lado que estiver, no movimento que estiver.
    Mais uma vez parabéns pelo testemunho!

    1. Que maravilha irmão!
      Também louvo a Deus por me ter dado a graça de conciliar Renovação Carismática Católica e Teologia da Libertação. 🙂
      Deus abençoe!

        1. Perdão, padre! Mas acho muito difícil. ….. As posições são contraditórias, e uma conflita com a outra. Ao Dener so resta mesmo o Caminho… cada dia mais ao encontro dos fracos, pobres e marginalizados … porque esse é o apelo de Jesus. ….

    2. Muito bem, vc pode ser bastante incerido na doutrina social da Igreija, sem deixar de ser da renovação carismática! Em todos os grupos, q não são bem orientados poderá existir: incoerência, fanatismos, oba, oba……etc.

      1. Através dos séculos a Igreja compreendeu e abrigou a oração silenciosa, como a vigília da Paixão, e a ação do mandato, também cristão, de “não vim trazer a paz, mas a espada”, ou da multiplicação dos pães. Uma Igreja contemplativa e uma Igreja missionária que carrega o fardo da dor das injustiças de um viver desigual entre os filhos muito amados do nosso Deus misericordioso. É muito provável, meu caro Dener Ricardo, que você não escute, na Ação do Evangelho, uma pregação sobre o “sede perfeitos, como o meu Pai”, como você não ouviu na RCC a meditação da dor dos desamparados. Contudo, é uma mesma Igreja. Pense que a sua opção por uma Igreja na ação, ao invés da ascese do espírito que felizmente você conheceu, não é excludente e sequer contraditória. A busca da santidade pessoal é uma meta que carece de oração e de ação. Fico feliz por sua carta.

  2. Dener, é a vc que me dirijo: vc encontrou a Igreja! Graças a Deus! Corra atrás dela, ama-a e estarás amando como Jesus amou, pois estarás amando os preferencialmente queridos – os pobres! Os que nada ou muito pouco têm, não porque seu destino “era esse”, mas porque foram espoliados ao longo da história… Deixe que te rotulem! Jesus não foi igualmente rotulado?! Sempre que isso acontecer, saberás que estás no caminho certo, através do Caminho! Me orgulho de minha Igreja quando ela revela gente como vc! Demos graças a Deus!

    1. Irmã Marta, muito obrigado por suas palavras! Me encorajaram a continuar seguindo neste caminho! Por favor, reze por mim! Um forte e fraterno abraço e que Deus a abençoe!

      “Fora dos pobres não há salvação”. Padre Jon Sobrino

      1. Onde abundou o pecado, superabundou a graça de Deus.
        Hoje é o Dia da Graça.
        Hoje é o Dia da Salvação.
        Para pobres e para ricos.
        Deus te abençoe.

  3. que bom ver o Espírito continuar a sopra e renovar a Igreja dos Pobres! Paz e Bem meu irmão. Da Prelazia de são Félix do Araguaia Luís Claudio – agente pastoral

    1. Eu como você, apesar de ter quase o triplo da tua idade e vida atuante na igreja, sou igualmente chamada de comunista, etc,etc.
      A Igreja de Cristo é, e sempre foi opção pelos pobres mas tem alguns segmentos da nossa igreja que se parecem com os fundamentalistas evangélicos, vêm muito o lado financeiro pra não falar outra coisa!
      A maior felicidade é quando a gente se encontra. Seja na vida, na religião. …
      Bem vindo à luta Dener!

  4. Estimado Dener, como desejei abraçá-lo fortemente. Na realidade você está descobrindo Jesus Cristo e o seu Evangelho. Você está deixando de ser cristianista e passando a ser cristão. Adiante. Conte com minha prece e incondicional apoio às difíceis e indispensáveis reformas da Igreja.
    Deus o abençoe.
    Dom Mol

  5. Bela síntese de uma angústia superada, e ficou fácil de entender que você encontrou um caminho edificador, ou seja, algo que nasce em você, e você faz chegar até o seu próximo o seu irmão. Eu também acredito nesta igreja em saída, estamos juntos.

  6. Boa noite. Preciso conhecer este meu irmão Dener, já que sou padre aqui na cidade de Rio Preto. Fui padre missionário da Consolata e minha formação foi e sempre será terra terra. Sempre li e leio os grande da teologia da libertação do qual tem uma espiritualidade que me identifico muito. Sinto que de fato na Diocese de Rio preto é muito forte a renovação carismática do qual fazem um trabalho em geral muito bom. Claro que alguns líderes podem ser bem mais de uma linha doutrinal e menos pastoral, mas da Renovação saíram e saem trabalhos excelentes com os mais pobres. Por exemplo, tem uma escola que se chama Maria Peregrina e só tem crianças de famílias da região norte de Rio Preto, que são as famílias mais vulnerável…recebem uma educação de primeira e gratuita. Os fundadores vieram da renovação. O pessoal que trabalham na pastoral do menor (antiga Febem) são da renovação. Na minha paróquia tenho excelentes paroquianos que tiro o chapéu na evangelização e são da renovação e não vejo nada que afste de outras espiritualidade. Na minha paróquia e e na santa Edwuiges fazemos mais de 3 acampamentos por ano e muitos que lá me ajudam são da renovação. Por isso, depende de cada pessoa. De fato, a Canção Nova tem sua linha mais conservadora, mas tbém eles têm gente de primeira, de segunda…Como tbém tem gente da teologia da libertação que só fica no oba oba. Creio que cabe a nós padres dar uma direção eclesial com aquilo que pensa o Magistério Universal, como hoje, nosso querido papa Francisco, numa linha bem missionário, encarnada e depois as diretrizes CNBB e da Igreja local. Todo tipo de espiritualidade é bem vindo no seio da Igreja. Uma delas é da teologia da libertação, mas são dezenas ou centenas, mas todas têm que estar em sintonia com as opções da igreja em geral. Que deus possa suscitar sempre mais pessoas comprometidas pelo Reino de Deus. Deus abençoe a todos. Logo teremos um grande santo na Igreja: Dom Oscar Romero.

    1. Quanta sabedoria, padre. O sr conseguiu falar o que eu gostaria para este jovem. O cristianismo, o seguimento a Cristo, é exatamente o amor e a justiça a TODOS os homens, sejam pobres ou ricos, e esse amor e essa justiça concretos, verdadeiros, só podem ser o fruto de um encontro pessoal com Deus e de uma vida de oração profunda, com a vivência dos dons que devem ser serviço à Igreja e não espetáculo de um Deus poderoso, senão também a Teologia da Libertação terá seus excessos, desvios e acabará por defender ideias puramente humanas. O Evangelho de Jesus Cristo está acima de tudo isso, de qualquer divisão, seja ela de que lado venha. Na verdade, não deveria existir lado algum, porque deveríamos nos sentir todos do mesmo lado sem plaquinhas que nos identificassem, justamente porque, nas palavras de Jesus Cristo, o que mais evangelizará o mundo é a unidade dos cristãos. Eu, particularmente, passei toda a vida na RCC, e a partir dela de diversas pastorais da Igreja. A maioria dos meus familiares é da RCC e nenhum de nós desenvolveu uma espiritualidade intimista nem tampouco apenas política da mensagem de Jesus Cristo. Mas, enfim, Denver, ainda assim, seu testemunho e sua fé, seu engajamento, faz de vc um jovem maravilhoso. Que Deus o conserve assim e o proteja de todo mal. Um forte abraço a vc e a este padre bastante sensato e iluminado.

  7. Amei ler este testemunho . Sobretudo no contexto atual em que vivemos. Ver um jovem experienciar um encontro verdadeiro com Cristo. Real sobretudo no impulso de ir de encontro aos marginalizados, excluídos. Perceber uma fé viva que questiona busca, transforma- se é transformar o mundo a sua volta. Um verdadeiro itinerário de Iniciação a vida Cristã. Parabéns Dener é que o Espírito Santo o conduza sempre. Encontrar o Cristo não nos permite ver o mundo sem sentir o que Jesus sentiu. Abraços com fraternura e beijos no coração.

  8. O tempo de Deus é diferente do nosso. A Luz q vem do alto é chama viva no meio do povo. Que bom q o caminhar e o olhar de Deus em um irmão ou em uma irmã se identifica com o Deus vivo q habita no meu próximo. Foi com este olhar q Jesus se tornou ÚNICO no meio do povo. ÚNICO, q conseguiu dividir a história da humanidade A/C e D/C. O Deus q habita em mim saúda o Deus habita em vc.

  9. De verdade isso de fato é ser Igreja, visão ampla sobre tudo e todos, sem o pré conceito sobre as pessoas, de modo especial pelos mas carentes e sedentos da palavra do carinho em fim do acolhimento de nós Colocamos Apostólico Romanos.

  10. Olá Dener. Paz e bem!
    Quero cumprimentá-lo e parabenizar a você sobre este belo testemunho.
    Mas eu quero me apoiar um pouco sobre tudo aquilo que o Padre José Vinci escreveu na sua opinião neste,porque exprimiu tudo o que eu queria me dirigir a você.
    Eu como jovem,por bastante tempo participei da Pastoral da Juventude na Arquidiocese de Mariana: nela eu fiz ótimos amigos,fui assessor regional e adquiri muita coisa boa na caminhada. Só que eu me encontrei dentro da RCC. Conheço a realidade das novas comunidades católicas e vejo um grande trabalho com os pobres,como por exemplo: a Canção Nova,a Fraternidade O Caminho,a Toca de Assis,a Aliança de Misericórdia enfim,muitas outras pelo Brasil e mundo afora.
    Espero ter colaborado com alguma coisa,mas não se esqueça que a Igreja tem vários carismas e a messe é grande! Grande abraço

  11. Vejo que a Igreja ainda pode ter salvação… Gratidão! Sigo a Teologia da Libertação desde minha infância, mas, a igreja carismática que impera me expulsou dos templos, não me sinto bem… não compactuo da mesma fé. Continuei minha espiritualidade na rua, nas comunidades eclesiais de base, na roda com as crianças e adolescentes do Movimento de Adolescentes e Crianças http://www.mac.org.br , nos movimentos populares de saúde e práticas integrativas… O Papa Francisco é uma luz, mas a grande massa do clero é contrária a esta visão e perspectiva do Evangelho. São altamente excludentes, distantes do Evangelho Vivo. Por isso que muito me alegra sua carta. Espero poder voltar a frequentar os templos, do contrário prefiro frequentar os templos vivos no meio do povo sem necessariamente me apresentar com bandeira A ou B de religião, mas com a Bandeira em favor da VIDA em PLENITUDE. Abraços,

  12. Há 04 anos me tornei agnóstico. Eu fui católico desde criança e no momento e que comecei a me aprofundar na igreja percebi que a grande maioria dos que se dizem católicos” praticantes” não se importam com pobres gays negros e ao contrário discriminam julgam e quando você começa a questionar sobre isso elas te chamam de comunistas e blá bla bla.. Por isso o “Deus” da Bíblia é machista. Odeia gays tanto no velho como no novo testamento. É ciumento. Vingativo. Intolerante . Racista. O homem criou Deus a sua imagem e semelhança.

  13. Parabéns Dener, que Deus te abençoe sempre, como eu sempre digo dentro da Igreja nada é maior que a Santa Missa porém a vida está fora, e a obra Lucana é exclusiva ao pobre e ao Espírito Santo. Coma Maria e Marta devemos ser amigo de Jesus, Oração e Trabalho para os mais necessitados.

  14. Caro Dener! Não tem preço a sua opção. Pois ela é a descoberta da vida na sua essência. Nao ha espiritualidade sem oração revertida em ação. Veja ” Pai nosso que estais no céu, seja feita a sua vontade assim na terra como no céu… ” primeiro diz ” assim na terra ” e em seguida ” como no céu “. A terra précisa ser construída como um paraíso de amor real e realizado para que a nossa espiritualidade aconteça aqui mesmo e a paz do céu nos seja disponível. Você descobriu que cada vez que rezamos o Pai Nosso sem essa consciência de oracao voltada para a ação estamos nos condenando a uma vida vazia e inútil. Deus seja louvado e você muito abençoado como Francisco Bergolio, um homem do mundo… é de espiritualidade a imagem e semelhança de Jesus.

  15. O Espírito sopra onde quer.
    Como é bom ver esse crescimento. Por isso estudar e estar atento é muito bom. Espero que mais jovens façam essas descobertas no cristianismo. Parabéns garoto!

  16. Eu me arrepiei e me emocionei com esta carta. Porque eu também sou católico carismática e confesso que a maioria das pregações são moralistas e se você for vasculhar mais ainda, você vai perceber que a maioria dos pregadores que fazem pregações moralistas são hipócritas. Após, fazer uma experiência de morar sozinho no tempo de minha pós-graduação em outra cidade, eu frequentei uma igreja completamente diferente e a favor dos pobres e marginalizados, e sempre ao lado dos excluídos e se colocando sempre na vanguarda. Hoje eu luto para que mais pessoas, principalmente os jovens mudem de mentalidade aderindo a uma igreja simples, profética e combatente das injustiças sociais.

  17. Hoje, penso o grande desafio é a conciliação entre estas duas espiritualidades.

    A RCC como a espiritualidade dos dons e carismas do Espírito Santo, combatendo toda a alienação do emocionalismo, fanatismo, egocentrismo, idolatria…às quais a RCC tendeu ao longo desses anos.

    A Teologia da libertação e seu grande clamor pelo pobre, pela vítima, pela construção do Reino de Deus como um lugar mais solidário e justo que começa já, na comunidade e estende-se por todo o planeta. A maturidade de espiritualidades de doação ao outro como serviço de libertação, o compromisso social pela Vida, em sua integralidade, não só a espiritual, mas a vida em sua completude, em sua dignidade…Sem tender à política partidária, mas denunciando todos os mecanismos de morte, anunciando e construindo mecanismos de promoção da Vida em abundância.

    Que maravilha seria essa síntese, dando origem à novas espiritualidades, que ao mesmo tempo, sejam comprometidas com a vivência espiritual de Jesus e o testemunho disso na vida prática e serviço ao outro, visando a promoção da Vida Digna à todas as pessoas…

  18. Me afastei da Igreja e hoje retorno com este mesmo sentimento. O significado da espiritualidade encontra – se no pão e no prato de comida para aqueles que não tem.

    1. fique longe da Igreja, pois vc ainda não entendeu nada. Você vai profanar a eucaristia se comungar. Se vc quer as
      ajudar os pobres com todas as suas forças, acho ótimo, mas não reduza o sacramento da eucaristia e a função da Igreja apenas a isso. Rezo para que conheça a nossa fé.

      A PJ havia me afastado da Igreja com sua dessacralização.

      1. “Fique longe da Igreja”?????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????

  19. Louvado seja Deus, irmão.. me alegro por ter encontrado o seu jeito de ser Igreja! Digamos que eu tenha feito um caminho “inverso” ao seu – iniciei a caminhada através da Teologia da Liberação e hoje sou jovem carismático. Inclusive hoje sou coordenador Diocesano do Ministério Jovem.
    E nunca vou deixar de lutar e gritar pela dignidade do pobre, pois ali também encontro Jesus ❤

    Deus o abençoe

  20. Mas afinal o que é a Renovação Carismática Católica? Um movimento? Um grupo? Mas Papa Francisco, no último Pentecostes disse que ela se tratava de uma “corrente de graças”. Assim sendo é ampla e compreende inúmeras expressões e novas Comunidades. O testemunho é belo mas cai no erro da generalização. Seria melhor ter dito:” no meu grupo da RCC” ou na “RCC em minha cidade”… Bom, só um conselho: cautela para não julgar o todo, apenas por uma parte!

    1. Que é “ser rico”? Ter e ter e ter dinheiro, acabando por torná-lo um ídolo? Era muito jovem quando ouvi uma frase que me acompanha até hoje – e, talvez, até o fim de minha vida: “era tão rico que só tinha dinheiro”… A questão não é se rico se salva ou não… Creio que a questão de todos nós (que temos posse!) é saber onde (ou em Quem!) depositamos nossa confiança. E o que fazemos com as posses que temos: somos solidários? Somos abertos à luta pela justiça, por uma distribuição de renda e de bens deste mundo que não compactue com a “bandalheira” que joga os mais pobres a uma categoria abaixo de “lixos humanos”, “massa sobrante” – pois que, para muitos, não passam de massa de manobra… E, talvez, a grande questão existencial: o que temos, o que tem feito de nós? Quanto à pergunta, sugiro a quem se interessa realmente por esta questão que adquira um exemplar (ainda que emprestado!) do Compêndio da Doutrina Social da Igreja: sim, é um tesouro bem desconhecido que, por nossa ignorância (invencível?!) [email protected] não conhecem. Sejamos o que o Batismo fez de nós!!! Paz e Bem!
      Leiamos, para orar e pedir as Luzes do Senhor: Mt 19,16-26

  21. Quando questionamos começamos a pensar e se isso se transforma em ação, nasce um verdadeiro cristão. Um cristão universal, que não aceita a exclusão e o sacrifício de alguns porque outros não veem a verdade. Jesus está com você.

  22. Meus caros, quem se salva não é o pobre e nem o rico financeiramente, mas sim a criatura humana que verdadeiramente aceita a Cristo, bem como a Santa Igreja instituída por Ele aqui na Terra, e toma a sua Cruz rumo à Santidade. Uma pessoa que é milionária também é digna de ser aceita na Igreja, pois nem todo rico é ruim, e nem todo o pobre é bom; poderia citar vários exemplos de pessoas que tem uma conta bancária poupuda e que ajudam os necessitados. Afinal de contas, do que seriam os moradores de rua famintos sem aqueles que possuem um nível financeiros maior que o deles?? Simplesmente continuariam na fome!! Quando Cristo nos ensina que “benditos sejam os pobres, pois herdarão o Reino dos Céus”, Ele quer que tenhamos um espírito HUMILDE, ou seja, que tenhamos a hombridade de reconhecer os nossos pecados, não tem nada a ver com a questão financeira. Acordem!!!

  23. Aqui em Sete Lagoas a Renovação Carismática Católica está nos presididos 3 dias da semana. Pastoral de Rua quase todos os dias. Durante o tarde e a noite. Ainda temos dois grupos de orações que acontecem dentro do sistema carcerário APAC. Além disso, a Renovação Carismática de Sete Lagoas executa um trabalho de evangelização com irmãos homossexuais nas ruas da cidade. Sem falar de inúmeras assistências sociais a tantas famílias. Com doação de alimentação e ainda apoio nas áreas de saúde, assistência a creches e hospitais. Toda quinta feira a Rcc está auxiliando um asilo dentro da Cidade. Isso é um pouco do que acontece em Sete Lagoas. Mas poderia falar muito mais… Agora, eu endosso o que alguém já comentou acima. Esta situação pode ser dentro da sua realidade onde mora. O que não é a verdade. A ESCOLA DE FORMAÇÃO DA RCC- Mais conhecida com Paulo Apóstolo fala sobre as obras sociais desta corrente de graça. E o que é o trabalho em Marajó??? Qtas assistências sociais desenvovidos pela RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA naquele lugar?
    Além disso, eu sou fruto da oração e do amor recebido dentro de um grupo de oração. Não foi uma cesta básica que me fez sair das Drogas. Se pergutassem a minha mãe o que ele preferiria. Uma ajuda social material ou Uma ajuda social espiritual? Com certeza ela diria Espiritual. É claro que tudo é importante. Precisamos cuidar dos pobres, e fazemos isso, mas não despreze a riquesa da igreja que é a sua diversidade.

  24. Parabéns, penso da mesma maneira Denner,senti força do espírito santo, nas suas palavras, pensei em ser evangélico ,por causa de um padre que não gosta de pobre na minha cidade,se alia com quem tem dinheiro, ele me afastou dá igreja, porque não concordei com suas atitudes imprópria, gostei muito do seu testemunhos evangelho.

  25. Caro Denner,
    Seu depoimento foi maravilhoso. Não tem dúvida que muitas pessoas se encontram na RCC e fazem uma caminhada. Mas, sua descoberta da Igreja pobre dos pobres foi um grande dom de Deus na sua vida. Com Papa Francisco estamos experimentando uma nova e belíssima brisa suave nas nossas comunidades e fraternidades! Coragem! Continue descobrindo o Jesus da Palavra, colocando seus pés pobres nos passos de jesus, deixando para trás seu testemunho de vida nova. O Espírito Santo tem uma tríplice missão: Desmascarar a presença do sistema opressor no meio e nós (Jo 16,8); encaminhar para toda a verdade (Jo 16,13; Jo 8,12.31-32); e manifestar a glória de Deus (Jo 16,14). É este Espírito de Jesus de Nazaré que faz nascer um verdadeiro Pentecostes e carismáticos/as do jeito do nosso Mestre profeta e pobre! Paz e bem! Abraços Beto

  26. Dener querido seu testemunho é um bálsamo em tempos tão difíceis que vivemos seja na igreja como fora dela. Coragem, não tenhas medo, o Senhor caminha contigo. Deus o abençoe.

  27. Lindo testemunho. A RCC é movimento que nos ajuda na intimidade com Deus, mas dizer que nunca ouviu falar em ajudar o outro, os pobres, eu já ouvi e muito dentro da RCC. Mas que maravilha você ter descoberto esse dom e a se doar para os mais necessitados. É isso que Jesus quer de cada um de nós.

  28. Bom dia Dener!
    Paz e Bem!
    me orgulho muito do seu depoimento, saber que nossa igreja tem pessoas corajosa como você, m deixa muito feliz, parabéns por suas descobertas.
    Sua missionária e vejo quantas pessoas se diz ser católico mais não conhecem sua igreja, quanta riqueza nossa Igreja, só precisamos conhecer melhor, estudar os documentos que ela disponibiliza.
    Deus continuo te abençoando e te dando mas sabedoria!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *