Jesuítas do Brasil alinham-se ao Papa; atacam ricos e governo Temer, que serve para “atender ao mercado”

    Os jesuítas em sua Assembleia em Itaici – foto da sessão de abertura, em 25 de julho

Os jesuítas do Brasil encerraram sua II Assembleia Nacional nesta quinta (27) com um salto de qualidade em relação à sua posição quanto ao Brasil e manifestaram seu alinhamento integral ao Papa Francisco, igualmente jesuíta, o que vinham fazendo de maneira tímida nos últimos três anos. Afirmaram sua “indignação diante da maneira como as classes dominantes conduzem as crises econômica, social e política que assolam o país e afetam a população brasileira, sobretudo os mais empobrecidos”; explicitaram sua adesão à visão do Papa quanto à “idolatria do dinheiro”; acusaram “os ajustes desse (des)governo para atender ao mercado”; e denunciaram a criminalização dos movimentos sociais.

O encontro reuniu por três dias 340 dos 490 membros da Companhia de Jesus no Brasil na Casa de Retiros Vila Kostka, em Itaici (Indaiatuba/SP), tradicional centro de encontros da Ordem. O posicionamento é resultado da reorganização da Companhia de Jesus no país. Desde 2014 (um ano depois da eleição de Francisco), as três províncias existente foram unificadas na Província dos Jesuítas do Brasil – BRA e iniciou-se então uma lenta aproximação às posições do Papa e à liderança global jesuítica, com clara adesão à caminhada com os pobres, crítica ao capitalismo e radicalização na leitura do Evangelho. Até então, os jesuítas no país estavam voltados sobretudo às suas centenas de instituições educacionais (escolas e faculdades), com relacionamento privilegiado com as camadas médias da população, além de algumas importantes frente de ação na Região Missionária da Amazônia e periferias de algumas cidades.

A primeira expressão pública da renovação do posicionamento dos jesuítas foi o apoio ao Dia Nacional de Mobilização de 15 de março de 2017 contra o desmonte do Estado pelo do governo Temer (aqui), mas foi uma nota tímida, se comparada com a de agora.

Durante o encontro, os jesuítas tomaram importante decisão que não foi formalizada, mas tornou-se um pacto entre todos: apoiar decididamente o magistério do Papa Francisco e sua visão pastoral e eclesial. O pacto dos jesuítas poderá contribuir e muito para que a Igreja continue a despertar e reencontrar sua missão no Brasil.

A nota aprovada ontem contém, a partir das posições de Francisco, uma dura condenação ao espírito do capitalismo: “A idolatria do dinheiro, de acordo com o Papa Francisco, dá primazia ao mercado, tanto em detrimento da pessoa humana como em detrimento do trabalho (cf. Evangelii Gaudium, 53-57). Não é justo submeter o Estado ao mercado, em nome da retomada do desenvolvimento. Quando é o mercado que governa, o Estado torna-se fraco e acaba submetido a uma perversa lógica do capital financeiro. Como nos adverte o Papa Francisco, ‘o dinheiro é para servir e não para governar’ (Evangelii Gaudium 58)”.

Os jesuítas condenaram as reformas trabalhista e da Previdência, criticaram o aprofundamento da desigualdade no país, anotando que “muita gente, que tinha saído da miséria e da pobreza, está voltando à assistência social” e apontaram o “poder manipulador dos meios de comunicação social”.

Num trecho da nota, os jesuítas foram contundentes na denúncia do descalabro que atinge os mais pobres nas cidades e no campo, com todo tipo de favorecimento institucional aos mais ricos e perseguição aos movimentos sociais, rasgando a Constituição: “Outras propostas em tramitação no Congresso, não poucas vezes por medidas provisórias, como a ‘liberação’ do desmatamento, a ‘legalização’ da grilagem de terras urbanas e rurais, a mercantilização de terras para corporações estrangeiras e a ‘outorga’ das terras indígenas e quilombolas ao agronegócio, são afrontas à Constituição Federal que garante direitos e cidadania para todos. Os ajustes desse (des)governo para atender ao mercado, assim como o domínio do agronegócio, explicitado na CPI da Funai e do Incra, abrem espaço para mais violência e mortes no campo e nas cidades, como noticiado nestes últimos tempos. Os movimentos sociais e populares, como também instituições que lutam em prol das populações excluídas, estão sendo criminalizados e falsamente denunciados.”

Ao final, os jesuítas afirmaram-se “chamados a manter-nos fieis ao Evangelho, que nos impulsiona a reconhecer e a denunciar as injustiças estruturais e históricas, sobretudo a grande dívida social em relação aos mais fracos e vulneráveis”.

[por Mauro Lopes]

Leia a íntegra da nota dos jesuítas:

 

NOTA DOS JESUÍTAS NA IIª ASSEMBLÉIA DA PROVÍNCIA DO BRASIL

                        “Quero ver o direito brotar como fonte  e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5, 24).

Nós, mais de trezentos jesuítas do Brasil, reunidos em Assembleia Nacional de 25 a 27 de julho de 2017, para celebrar os três anos de caminhada da nova Província do Brasil, não podemos deixar de manifestar nossa preocupação e até nossa indignação diante da maneira como as classes dominantes conduzem as crises econômica, social e política que assolam o país e afetam a população brasileira, sobretudo os mais empobrecidos. A corrupção e a promiscuidade entre interesses públicos e privados nas esferas dos poderes instituídos escandalizam a maioria do povo brasileiro e tiram legitimidade aos poderes executivo e legislativo. Nem sempre o judiciário escapa de parcialidade.

A desigualdade socioeconômica, nestes últimos anos, agravou-se significativamente. Além dos 14 milhões de desempregados, pelo menos 10 milhões de trabalhadores ficam subempregados ou desistem de procurar trabalho. Muita gente, que tinha saído da miséria e da pobreza, está voltando à assistência social. O recrudescimento da desigualdade produz mais violência de todos os tipos na sociedade, contra a pessoa e a vida, contra as famílias, tráfico de drogas e outros negócios ilícitos, excessos no uso da força policial, corrupção, sonegação fiscal, malversação dos bens públicos, abuso do poder econômico e político, poder manipulador dos meios de comunicação social e crimes ambientais.

A idolatria do dinheiro, de acordo com o Papa Francisco, dá primazia ao mercado, tanto em detrimento da pessoa humana como em detrimento do trabalho (cf. Evangelii Gaudium, 53-57). Não é justo submeter o Estado ao mercado, em nome da retomada do desenvolvimento. Quando é o mercado que governa, o Estado torna-se fraco e acaba submetido a uma perversa lógica do capital financeiro. Como nos adverte o Papa Francisco, “o dinheiro é para servir e não para governar” (Evangelii Gaudium 58).

No esforço de superação do grave momento atual são necessárias reformas, que se legitimam quando obedecem à lógica do diálogo com toda a sociedade, tendo em vista o bem comum. Por essa razão, as Reformas Trabalhista e da Previdência, como foram encaminhadas ao Congresso, carecem de legitimidade. Outras propostas em tramitação no Congresso, não poucas vezes por medidas provisórias, como a “liberação” do desmatamento, a “legalização” da grilagem de terras urbanas e rurais, a mercantilização de terras para corporações estrangeiras e a “outorga” das terras indígenas e quilombolas ao agronegócio, são afrontas à Constituição Federal que garante direitos e cidadania para todos. Os ajustes desse (des)governo para atender ao mercado, assim como o domínio do agronegócio, explicitado na CPI da Funai e do Incra, abrem espaço para mais violência e mortes no campo e nas cidades, como noticiado nestes últimos tempos. Os movimentos sociais e populares, como também instituições que lutam em prol das populações excluídas, estão sendo criminalizados e falsamente denunciados.

Essa situação interpela hoje a missão dos jesuítas no Brasil. Comprometemo-nos a manter nossa presença junto aos mais empobrecidos e excluídos, como também, pela análise das causas da persistente situação de desigualdade e de exploração desordenada da natureza, contribuir para a superação do abismo da desigualdade socioambiental, em solidariedade à esperança do povo. Sentimo-nos chamados a manter-nos fieis ao Evangelho, que nos impulsiona a reconhecer e a denunciar as injustiças estruturais e históricas, sobretudo a grande dívida social em relação aos mais fracos e vulneráveis. Na esperança teimosa em dias melhores queremos colaborar na construção de um Brasil justo.

Itaici, Indaiatuba/SP, 27 de julho de 2017.

9 respostas para “Jesuítas do Brasil alinham-se ao Papa; atacam ricos e governo Temer, que serve para “atender ao mercado””

  1. Esta é a Igreja que denuncia as raízes da miséria que estamos sendo levados. Uma boa análise de conjuntura que serve de base para fazermos uma reflexão e procurar alternativas conjuntas para enfrentar esta situação perversa.

  2. Era o que eu esperava dos Jesuítas, apoio irrestrito ao Papa, e aos pobres. Esta é a igreja que eu acredito. A carta foi concisa e disse tudo! Que assim seja.

  3. Boa iniciativa, mas infelizmente meio tarde demais, me perdoem mas entendo que o momento certo deixaram passar em branco sem manifestação alguma, numa verdadeira omissão, não dando o mínimo de apoio em desfavor ao impedimento. Acmpanhei homilias de padres favoráveis ao impedimento e agora o estrago tá feito. Chorar leite derramado por descuido ou incompetência quanto aos compromissos com a sociedade não tem sentido.

  4. Muito bom o alinhamento com o Papa Francisco. Sobre a conjuntura nacional, mais uma peça retórica no estilo “morde e sopra” tão caro aos manifestos católicos.
    Seria bom que os Jesuítas, que tanto aprendi a estimar, refletissem sobre a prática educativa em suas instituições de ensino, colégios e universidades, contumazes em reproduzir o que condenam nos seus discursos. Só para lembrar: as formaturas de preços escandalosos neste país de miseráveis!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *