Padre Júlio Lancelotti pedirá proteção à Anistia Internacional

Júlio Lancelotti abençoa na Sé carroça de Ricardo Nascimento, na missa de sétimo dia de seu assassinato pela PM

Vigário da Pastoral do Povo da Rua em São Paulo desde o fim do século passado, padre Júlio Lancelotti pensou que já tinha visto de tudo em sua caminhada com os moradores e moradoras das ruas da metrópole. “Mas o que a cidade está vivendo agora nunca vi”, disse ele na tarde desta quarta (27) ao Caminho Pra Casa. “O extremismo dos últimos tempos, agravado por uma atuação sectária da Prefeitura, deu sinal verde, liberou o extermínio daqueles que a direita vê como o lixo da cidade”, desabafou o sacerdote. Por isso, padre Júlio decidiu que irá pedir proteção à Anistia Internacional ao povo da rua e àqueles que, como ele, têm sofrido inúmeros ataques nos últimos meses.

O mês de julho tem sido particularmente dramático para o povo da rua em São Paulo. No dia 12 de julho, no fim da tarde, o catador de material reciclável Ricardo Silva Nascimento, de 39 anos, negro, foi executado com pelo menos dois tiros na altura do peito por um policial militar branco. O crime aconteceu num bairro tradicional de classe média e alta na zona oeste da cidade, Pinheiros. Ricardo era muito estimado pelos moradores da região que não tiveram seu coração endurecido e os ouvidos fechados ao sofrimento dos mais pobres. Uma semana depois, muitos deles acorreram à missa de sétimo dia de Ricardo, na catedral da Sé, que imediatamente trouxe à mente o culto ecumênico de 31 de outubro de 1975, em memória de Vladimir Herzog e protesto por sua morte pelos militares.

Piauí, poucos dias antes de morrer

No dia seguinte à missa de sétimo dia pela morte de Ricardo, seu amigo e também morador de rua Gilvan Artur Leal, o Piauí, morreu na Santa Casa de São Paulo, alegadamente de um AVC. Ele foi a principal testemunha do assassinato de Ricardo e foi torturado pelos PMs em plena rua, por protestar contra o crime: em nota assinada por algumas dezenas de moradores do bairro, eles relataram que os policiais obrigaram Piauí a esticar as mãos sobre a calçada e pisotearam seus dedos, aos gritos de “sai daqui que vai sobrar pra você”. Na mesma nota, os moradores contaram que Piauí ficara profundamente abalado, chorava diariamente e relatava ter medo das ameaças que tinha sofrido da PM. Ao lado da carroça do Ricardo, dizia para os moradores da região: “mataram meu irmão, e eu sou o próximo”.

Na manhã da morte de Piauí, uma cena chocou milhões de pessoas: após a madrugada mais fria do ano na cidade (7°C), moradores de rua foram acordados às 6h30 no centro de São Paulo com jatos de água gelada de equipes municipais –que também removeram barracas e deixaram roupas e cobertores molhados.

Durante todo o inverno, equipes do prefeito João Doria têm confiscado ilegalmente cobertores dos moradores de rua, o que levou o padre Júlio a protestar: “Tem muita gente distribuindo cobertores, mas só um recolhe” –a Prefeitura.

“Os moradores de rua estão entregues ao que vier, e os que estão ao lado deles acabam sofrendo retaliações de todo tipo”, afirmou o sacerdote num tom de voz que denuncia cansaço extremo. O Conselho de Segurança da Prefeitura Regional  da Mooca tem feito uma série de ameaças ao padre das ruas, que é também pároco da Igreja São Miguel Arcanjo, e lançou recentemente um documento exigindo a remoção de Lancelotti da paróquia. “Mas eles não entendem que só tem dois jeitos de eu sair da paróquia, por decisão do arcebispo ou num caixão”, ironizou.

Moradores e moradoras de rua abençoam o Papa, no Vaticano, em novembro de 2016

Júlio Lancelotti foi ordenado em 1985 por dom Luciano Mendes de Almeida (1930-2006) e se tornou um seguidor de um dos principais líderes da Igreja brasileira comprometida com os pobres, dirigente da CNBB por mais de 15 anos e continuamente perseguido pelo regime militar e pela Cúria romana. Hoje, é um entusiasta do papado de Francisco, com quem compartilha a opção pelos últimos da cidade, os moradores de rua. Como bispo de Roma, Francisco tem tomado seguidas iniciativas de acolhimento dos moradores e moradores de rua. Abriu um refeitório e uma lavanderia para eles ao lado da Praça São Pedro, animou um encontro com moradores e moradoras de rua no Vaticano em 2016, com eles comemorou seu 80º aniversário, num emocionante café da manhã.

Júlio Lancelotti -o solidéu do Papa de mão em mão dos moradores e moradoras das ruas.

Há dois anos, Francisco enviou seu solidéu para os moradores de rua de São Paulo. Numa caixa de acrílico transparente, ele fica na Casa de Oração do Povo da Rua, no centro da cidade e, de vez em quando, é levado por agentes da pastoral em suas jornadas noturnas. Júlio Lancelotti: “O Papa sabe que é nesses irmãos e irmãs que está o Cristo encarnado”,

[Mauro Lopes]

28 respostas para “Padre Júlio Lancelotti pedirá proteção à Anistia Internacional”

  1. Meu irmão Julio, meus irmãos moradores de rua, Deus abençóe vocês. Vocês são os profetas de Deus na cidade grande. Em sua voz, em seu grito de dor e de revolta, é Deus que faĺa .Não abaixem a cabeça, a voz de vocês é a voz de Deus para a cidade grande. Coragem.

    1. Lindo e triste demais ! Pé Júlio está sumido do face…. ficamos desamparados sem vê-lo com a frequência que víamos… precisamos do conforto da sua mão acariciando as cabeças e rezando, cantando com moradores de rua … nossa inspiração! LUZ padre, sempre…

  2. Padre Júlio, que orgulho de tê-lo na proteção desses homens. Quanta maldade tem acontecido nas cidades. Horrorizada com minha cidade de São Paulo.

  3. Essa onda de obscurantismo, reacionarismo, corrupção e opressão que assola o pais, tem esse vetor macabro de eliminar fisicamente os moradores de rua, principalmente se forem negros ou homossexuais.

    Total apoio ao trabalho corajoso, cheio de fé cristã e cidadã do Padre Júlio Lancelotti e da Pastoral do Povo da Rua. Fora João Dória, Fora Bolsonaro e todos os reacionários obscurantistas, corruptps e opressores!

  4. Que grandes homens, o Papa Francisco e o Padre Julio. Tem todo o meu respeito e admiração. Essa é a real igreja do Nosso Senhor!

  5. é muito triste que grande parte do povo brasileiro tenha o cérebro e o coração lavajateado.

    escutar a fala de estudantes universitários (até de universidades federais), classe mé(r)dia, defendendo políticas comprovadamente em contra do seu pais…

    e até pobres, atacando aos outros como eles, mas que sim lutam contra a injustiça.

    brasil, onde estou morando, e meu pais, argentina, estao sofrendo a onda global de um fascismo que nunca morreu.

  6. A direita brasileira na pessoa do Sr. Dória é a mesma que exterminou os pobres em Canudos na Bahia. É uma república que nasceu ladra, assassina.É facil retirar o povo das favelas e jogar no relento das ruas e perseguir. Difícil é tirar esse ódio organizado de uma elite fria que quer transformar as pessoas em Macunaímas, Lulas e jogar todos no lixo da história.
    Graças a Deus temos um Francisco nascido no fim do mundo e um Lanceloti nascido aqui para ser anteparo aos abusos.

  7. Meu Deus que país é este ?? Que estado é esse?? Vocês não estão acima de Deus!! Verão Deus acolhendo os oprimidos e vcs conhecerãos sua ira!!
    ” Quem acolhe um desses pequenos, é a mim que acolhe.”
    Gente, não podemos nos calar!! Estão fazendo extermínio dos moradores de rua em SP!! Até o Pe Júlio que está ajudando já está sendo ameaçado! E nós clvamoa nos calar!!? SÃO PAULO foi um grande discípulo de Cristo, e por ele deu sua vida! Façam jus ao nome do seu Estado!
    Eatamoa em oração, mas a ação tem q vir junto e proteger o Pe e os moradores de rua! Não ctuzem os braços em nome de Deus , acordem!!🙏

  8. Mas a própria esquerda colaborou para isso quando se aliou a grande besta babilônica (Temer), essa falsa esquerda hipócrita que surrupiou as estatais e os fundos de pensão junto com a famigerada Odebrecht, não existe mais direita e nem esquerda , eles simplesmente se uniram para massacrar o povo brasileiro, aliás, fascistas tem tanto na falsa esquerda como na direita, e isso é histórico.

    1. Qual a sua idade? Quantos jornais você lê ou assiste diariamente? Como você encara opiniões diferentes das suas? Sabe de nada, inocente. Procure informar-se melhor. O Brasil precisa de gente que pense. Mas que tenha um espírito crítico apurado.

  9. Caro Mauro, você tem provas documentária que o Conseg tenha falado “O Conselho de Segurança da Prefeitura Regional da Mooca tem feito uma série de ameaças ao padre das ruas, que é também pároco da Igreja São Miguel Arcanjo, e lançou recentemente um documento exigindo a remoção de Lancelotti da paróquia. “Mas eles não entendem que só tem dois jeitos de eu sair da paróquia, por decisão do arcebispo ou num caixão”, ironizou.” Onde estão as ameaças, cadê o documento. O Conseg tem trabalhado para POLÍTICAS PÚBLICAS AOS MORADORES DE RUA. No dia 25.12.2017, entregamos ao Dr. Odilo um ofício solicitando apoio para que os órgãos públicos fizessem trabalhos em prol ao povo de rua. O próprio Júlio respondeu. Desde então não estamos medindo esforços enquanto sociedade civil/comunidade para que se estabeleçam políticas como preceitua a Constituição Federal/Estatuto da Cidade e tudo mais. Tenho Curso de Educação em Direitos Humanos Memória e Cidadania, ministrado pelo Memorial da Resistência – antigo DEOPS onde vários de meus colegas de faculdade foram torturados e onde o Magnífico Dom Evaristo foi um grande arauto da resistência. A minha reflexão de vida está assimilada pelos ensinamentos Madre Cristina, grande defensora dos direitos humanos na PUC-SP. Na verdade – não trabalho em função de “fofocas” e interpretações errôneas. Não permito que publique inverdades. Na realidade as pessoas estão exaustas de ver pessoas – seres humanos cm a cabeça no chão em cabaninhas, amontoadas no frio e no meio de insetos. Também nos papelões. Hoje mesmo falei via fone e encaminhei à Dra. Fabrina do Consultório na Rua da UBS MOOCA, para tratar de um amigo morador de rua, que fica em frente ao Metrô Bresser Mooca, para tratar de feridas cheias de bichos. Nos domingos a minha amiga atende ele dando comida, cobertor e tudo mais. Fora muitos casos que nos encaminhamos via Hospital João XXIII, moradores de rua com tuberculose para ir para Campos do Jordão. Moradores com bicho já foram muitos. Não gosto de dar entrevista e nem tirar foto – “”Que a tua mão esquerda não saiba o que faz a tua direita”. Sou humanista de ambientalista. Abraços a todos.

    1. Cara senhora Wanda, paz. O padre Júlio é a fonte da informação de que o Conseg tem ameaçado-o, estimulou um abaixo assinado contra ele, e ameaçado os moradores de rua da região. O que senhora diz é que o padre Júlio está mentindo, que os moradores de rua que se dizem ameaçados na sua região têm mentido e que o Conseg da Moooca tem atuado na defesa dos moradores de rua e da ação do próprio padre Júlio, apesar de eles afirmarem o contrário? Vejo aqui uma reunião do Conseg da Mooca com a presença de nove pessoas -seis delas fardadas, PMs ou GCMs. Parece um ambiente de acolhimento? Um abraço. Mauro

      1. Eu gostaria de ver o abaixo-assinado, bem como a ameaça escrita e falada. Querido é um Conselho de Segurança e a presença do Capitão – membro nato, delegado membro nato, GCM de acordo com a lei municipal como também da Prefeitura Regional Mooca e da CET. Favor ler na internet o que são os Conseg. Favor entender que na reunião era em um ambiente de escola – Senai – favor entender que é aberto ao público – favor entender que não tinha nenhum irmão de rua sendo abordado, pelo contrário até dei uma cópia para o Wanderley de uma Exposição de Motivos que encaminhamos em reunião para a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania. Estamos sim contemplando um cenário muito triste – pessoas dormindo na rua e tenho sensibilidade é triste e temos sentimento. Estava inclusive uma funcionária da SAS Mooca, informando dos CTS, que propõe acolhimento onde tem vagas para os que estão dormindo na rua. Favor estamos lhe convidando – no dia 30.08.2017, às 20h no Senai Theobaldo De Nigres, situado na Rua Bresser, 2.315 ( estacionamento no local) e eu lhe mostrarei os documentos que tenho encaminhado solicitando Políticas Públicas Para Moradores de Rua. Está havendo informações truncadas. Muito truncadas as declarações que andam por ai. Precisamos ter clareza e discernimento. Ninguém está ameaçando ninguém. Vamos conversar pessoalmente. Abraços. Estamos juntos para a melhoria dos moradores de rua, com certeza.

  10. Um grande abraço Pe. Júlio. Parabéns pelo seu trabalho, acompanho seu trabalho a muito tempo. Sou Padre da Diocese de São José dos campos, sp, mais já trabalhei na Prelazia de São Félix do Araguaia com Dom Pedro Casaldaliga. Um grande abraço do tamanho da nossa utopia.

  11. Precisamos de muitos padres assim, que levam a vivência do Evangelho às últimas consequências. Viver exclusivamente de normas canônicos, vestuários e cerimônias exuberantes só tem valor diante de Deus quando somados ao heroísmo da conversão. Sou padre, no Recife, e me sinto irmanados ao Pe Júlio em seu ptofetismo.

  12. Um verdadeiro cristão de um lado e um governo farisaico do outro, numa evidência indiscutível de que os assassinos de Cristo se multiplicaram.

  13. É necessário que a população se una ao padre e outras pessoas que se importam com moradores de ruas e aumentem as fileiras do bem. Católicos, espíritas, evangélicos, umbandistas e outras tantas religiões e pessoas sem religiosidade também. Todos devem fortalecer este movimento pela vida e pelo respeito aos nossos irmãos.

  14. Matéria forte, uma gravíssima denuncia de crimes pe que não podem ficar impunes.
    Quem deveria provar que está fazendo algo positivo e concreto em favor dos moradores de rua é o Doria e seus asseclas. Os independentes dos blogs e das redes sociais estamos atentos. Até quando Ó DORIA ABUSARAS DA NOSSA PACIENCIA!!! Estamos de olho!!!
    Antonio Braga

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *