Agronegócio e madeireiros ameaçam único trecho protegido da Caatinga, 1% do bioma

In De Olho no Ambiente, Em destaque, Principal, Últimas

Atlas das Caatingas analisou 14 unidades de conservação e revela ameaças de hidrelétricas e da mineração aos territórios protegidos pela União

Por Izabela Sanchez

Único bioma completamente brasileiro, a caatinga tem apenas 1% do território sob proteção federal. Ainda assim, essa parcela do bioma encontra-se ameaçada pela exploração. É o que mostra o Atlas das Caatingas, extensa pesquisa científica iniciada em novembro de 2013 e concluída em dezembro de 2016, fruto de um Acordo de Cooperação Técnica entre a Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj) e a Universidade Federal de Campina Grande (UFCG).

O agronegócio é mencionado como ameaça em vários capítulos. Desmatamento, extração de madeira, hidrelétricas e mineração também chamaram a atenção dos pesquisadores, que analisaram 14 unidades de conservação do bioma, na pesquisa intitulada “Mapeamento e análise espectro-temporal das unidades de conservação de proteção integral da administração federal no bioma caatinga”.

Pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco, Neison Cabral Ferreira Freire diz no relatório que o bioma caatinga – que se estende por cerca de 10% do território brasileiro – e as unidades de conservação estão em risco. Ele destaca o problema de gestão federal , que oferece “nenhuma ou quase nenhuma atenção a essas unidades de conservação”.

EM ESTAÇÃO ECOLÓGICA, GADO

Localizada no semiárido baiano, entre os municípios de Paulo Afonso, Rodelas e Jeremoabo, a Estação Ecológica Raso da Catarina possui uma “alta concentração de renda nas mãos de poucos privilegiados”, segundo o Atlas das Caatingas. A pesquisa identificou que os conflitos na área protegida vêm de ameaças da caça predatória e do gado, realizada por grandes proprietários de terra.

A pesquisa de campo mostrou que a caça de animais silvestres pelos fazendeiros está relacionada à avifauna e pequenos mamíferos. “É um tipo de lazer de origem cultural de larga tradição na região, com pouca relação com a necessidade de alimentação por parte das populações locais”, diz o relatório específico sobre a estação ecológica. “A equipe de fiscalização do ICMBio, embora reduzida, relatou diversas apreensões de caça ilegal na Esec, com a utilização de carros de luxo esportivos que vêm de outros municípios”.

O gado e outros rebanhos também prejudicam a vegetação em razão da pastagem extensiva. Os fundos de pasto não apresentam corpos d’água superficiais, o que facilita os processos de desertificação: “Fogo e incêndios são frequentes, principalmente devido às características geoambientais da área combinadas com as práticas predatórias e ilegais de caçadores que fazem fogueiras sem controle”.

NA SERRA DA CAPIVARA, O AGRONEGÓCIO

O Parque Nacional Serra da Capivara, no sudeste do Piauí, tem uma área de 214 quilômetros quadrados nos municípios de São Raimundo Nonato, São João do Piauí, Coronel José Dias e Canto do Buriti. O Atlas identificou o avanço das fronteiras agrícolas do agronegócio, que tem promovido a desertificação do território:

– Em decorrência do inadequado manejo do solo, através da agricultura, a região possivelmente fará com que os agricultores familiares que vivem nos arredores da área passem a usar outros locais ainda não cultivados – o que poderá aumentar a pressão sobre as áreas protegidas do parque.

A expansão do agronegócio tem atingido, conforme o levantamento, os municípios do Vale do Gurguéia, como Colônia do Gurguéia, Eliseu Martins e Alvorada do Gurguéia. Isto por causa do surgimento de uma Zona Estratégica de Produção de Água Subterrânea, pelo alto potencial dos aquíferos Cabeças e Serra Grande. “Eles apresentam níveis rasos, água de excelente qualidade e vazões muito elevadas”, explica o capítulo sobre o parque.

PLANTAÇÃO DE BATATA NA CHAPADA DIAMANTINA

(Foto: Nelson Freire)

Criada em 1985, a famosa Chapada Diamantina tem mais de 152 mil hectares e abrange mais de 20 cidades no centro do estado. É na Chapada, também, que nascem os rios das bacias do Paraguaçu, Jacuípe e Contas. A região, na porção oeste, é hoje ameaçada pela expansão do agronegócio e pela contaminação com agrotóxicos.

Em entrevista aos pesquisadores, o analista ambiental do ICMBio, Bruno Soares, explica a questão:

– O carro chefe é a produção de batata. Tem alguns produtos secundários, mas a atividade principal é batata, com barramentos no alto Paraguaçu e grande quantidade de utilização de defensivos agrícolas. Esse rio depois vai cortar o parque, vai passar por dentro, e vai seguir seu rumo até Salvador, até o recôncavo baiano.

De acordo com a Associação Brasileira de Horticultura (ABH), a produção está concentrada nos municípios de Mucugê e Ibicoara (a 441 km e 492 km de Salvador). Nessas regiões, chega-se a plantar de 4 mil a 5 mil hectares durante o ano, cerca de 240 mil toneladas.

Com poucos servidores e orçamento escasso, a preservação no local sofre a pressão do aumento da atividade mineradora. Ali, a extração de ferro, diamante e a mineração da construção civil têm promovido dificuldades, junto com a quantidade de assentamentos rurais.

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA

Na Chapada Diamantina e em outras unidades de conservação da Caatinga, o avanço do perímetro urbano e a especulação imobiliária têm preocupado os pesquisadores. Além da Chapada, a Serra da Itabaiana, em Sergipe, e o Parque Nacional de Ibajara, no Ceará, apresentaram o mesmo problema.

Gilson Mota, analista ambiental do ICMBio no Parque Nacional do Ibajara, explica que o território protegido foi ampliado em cerca de dez vezes o perímetro original. Ainda assim, uma pequena parte do território foi regularizada, segundo o analista ambiental. Além da pressão urbana, a caça predatória e a expansão agrícola nas nascentes dos rios aumentaram.

NO SÃO FRANCISCO, TURISMO PREDATÓRIO

Degradação ambiental no Mona São Franscisco.

O Monumento Natural do Rio Francisco caracteriza-se especialmente pelo lago da Usina Hidrelétrica de Xingó. No local, as ameaças vêm das pressões do turismo, além do cultivo de peixes em tanques-rede, invasões de terra e atividades agrícolas. A própria hidrelétrica ameaça a biodiversidade da unidade, em processo intensificado no período entre 1982 e 1994, como pontua a pesquisa:

– A vegetação do entorno da UHE-Xingó foi afetada diretamente pelo desmatamento antecipado, havendo um deslocamento e fuga da fauna associada, enquanto as áreas de entorno modificaram-se em função do uso do solo para agricultura irrigada e de sequeiro, além das pastagens para a pecuária extensiva.

TERRAS INDÍGENAS

O Parque Nacional do Catimbau está localizado em quatro municípios pernambucano: Buíque, Ibimirim, Sertânia e Tupanatinga. Conforme o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), as comunidades indígenas que vivem no local exigem a demarcação dos territórios. O Atlas das Caatingas informa que a etnia Kapinawá não teve suas terras reconhecidas e regularizadas pela Fundação Nacional do Índio (Funai) quando o parque foi criado, em 2002.

A pesquisa aponta também tensões com agricultores de pequeno e médio porte: “Estes proprietários estão impossibilitados de investir e produzir em suas propriedades, pois é uma norma imposta pela condição das áreas que estão dentro do Parque”.

EXTRAÇÃO DE MADEIRA

Cavernas do Peruaço. (Foto: Nelson Freire)

Localizado no norte de Minas Gerais, o Parque Nacional Cavernas do Peruaço está ameaçado pela extração de madeira. Criado em 1999, o parque é cercado por grandes fazendas que cultivam eucalipto. Incêndios florestais e caça predatória também ocorrem no local, o que preocupa Alan Vieira Gonzaga, analista ambiental do ICMBio:

– As principais ameaças que a gente encontra hoje são a caça, o corte seletivo de madeira, principalmente aroeira, angico. O fogo é um fator que tem prejudicado muito o parque, principalmente o que vem da área externa ao parque, comprometendo a preservação.

Para o idoso Livino, um dos moradores do local, o governo é responsável pela diminuição dos peixes no Rio São Francisco, o que dificulta a subsistência de comunidades inseridas no parque: “O governo tomou uma atitude muito tarde da fiscalização do Rio São Francisco, porque a pendência, pode dizer que já está acabada já, o peixe do rio já está acabado. A gente vai aí, não acha um peixe”.

PRÓXIMOS CAPÍTULOS

Os capítulos sobre os Parques Serra das Confusões, Chapada Diamantina, Serra de Itabaiana, Sete Cidades, Ubajara, Furna Feia, e sobre as Estações Ecológicas de Aiuaba e do Seridó e sobre a Rebio de Serra Negra ainda não foram divulgados.

O projeto elaborou um documentário de mais de uma hora, ainda não disponível. Os pesquisadores fizeram diversas imagens de satélite, após um trabalho exaustivo de geoprocessamento. O acesso aos trabalhos divulgados pelo Atlas pode ser feito aqui.

You may also read!

Executivo da JBS nos EUA recebe 450 vezes mais que os trabalhadores

Funcionários da Pilgrim's não têm tempo de ir ao banheiro; empresa de frango controlada pelo grupo é uma das

Read More...
Vidal Helgeser e Sarney Filho Crédito: José Cruz/ Agência Brasil

Ministro diz que “apenas Deus” pode garantir queda no desmatamento

Manobra para aprovar medida contra reservas ambientais é revelada, em meio a cortes de incentivos pela Noruega; Sarney Filho culpa

Read More...

Prefeitura de Campo Grande demite únicas tradutoras indígenas na Casa da Mulher

MS aparece no 5º lugar em violência doméstica contra mulheres e tem 2ª maior população indígena; demitidas faziam tradução

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu