JBS: PP concentra metade das doações para deputados ruralistas

In Bancada Ruralista, De Olho na Política, De Olho no Agronegócio, Em destaque, Empresas brasileiras, Principal, Últimas

De R$ 31 milhões nas eleições de 2014, R$ 15 milhões foram para o partido; somados, PP, PR, PMDB, PTB e SD concentram 95% das doações para a Câmara

Por Alceu Luís Castilho

A bancada da JBS na Câmara tem suas siglas de preferência. E elas passam longe do PT e do PSDB. Entre R$ 31 milhões doados pela JBS – conforme as delações na Lava-Jato – nas eleições de 2014, 95% (R$ 29 milhões) concentraram-se em apenas cinco partidos: PP, PR, PMDB, PTB e SD. Pelo relato de Joesley Batista, um dos dois controladores da empresa, e do presidente Ricardo Saud, somente o PP reuniu praticamente a metade das oferendas, com R$ 15 milhões.

De Olho nos Ruralistas mostrou nesta quarta-feira (31/05) que 99 deputados ruralistas foram financiados pela JBS, legal ou ilegalmente, de acordo com as delações. E que 66 desses deputados pertencem à Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). Entre eles, constata agora o observatório, PP e PR concentram R$ 14,8 milhões dos R$ 21,6 milhões doados pelo frigorífico:

O PP é o atual partido do ministro da Agricultura, Blairo Maggi. Antes ele era do PR. Uma de suas figuras mais conhecidas é o deputado paulista Paulo Maluf, ex-prefeito, ex-governador e candidato à Presidência nas eleições indiretas de 1984, contra Tancredo Neves.

NA LISTA DA JBS, MAS NÃO DA FPA

Lembremos que nem todos os deputados que representam os interesses de grandes fazendeiros fazem parte da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). Entre 99 políticos ruralistas na planilha da JBS, 23 não fazem parte dessa frente, diretamente financiada pelo agronegócio.

Entre esses 23 deputados, os nove políticos do PP receberam muito mais verbas do frigorífico que os demais:

Mesmo os deputados do PMDB, PTB e SD são coadjuvantes do PP e do PR, entre os ruralistas financiados pela JBS nas eleições para a Câmara. E não somente porque os valores totais são menores. Mas porque as doações para deputados do PR e, principalmente, do PP, têm valores maiores.

E isso pode ser constatado numericamente – conforme mais um levantamento feito pelo De Olho nos Ruralistas. Entre os 22 deputados ruralistas do PP (13 deles da Frente Parlamentar da Agropecuária) que, segundo os chefes do frigorífico, receberam dinheiro da JBS em 2014, apenas 2 receberam abaixo de R$ 500 mil. Vejamos:

MUITO ALÉM DO PT x PSDB

Isso não acontece com os outros partidos. Em todos os casos a proporção é inversa: uma minoria recebeu acima de R$ 500 mil. O PTB, por exemplo, só aparece no topo da lista dos agraciados pela JBS por causa da doação de R$ 1,8 milhão para a deputada fluminense Cristiane Brasil. Ela faz parte da FPA, mas não é conhecida pela atividade ruralista – e sim por ser filha do presidente nacional do partido, o ex-deputado Roberto Jefferson.

Em alguns poucos casos, como o da deputada Bruna Furlan (PSDB-SP), a planilha da JBS indica a doação de valores irrisórios para os padrões das campanhas eleitorais, abaixo até de R$ 1 mil, mas isso não acontece com o PP – que funciona quase como um partido do agronegócio no Congresso.

A relação da JBS com a Câmara, portanto, nada tem a ver com a injeção de dinheiro nos candidatos majoritários, PT e PSDB no caso de 2014. Em relação ao Senado o quadro só se altera porque um dos senadores financiados, Aécio Neves, foi justamente o candidato tucano à Presidência.

LEIA MAIS:
JBS: delações apontam R$ 31 milhões para 99 deputados ruralistas

You may also read!

Executivo da JBS nos EUA recebe 450 vezes mais que os trabalhadores

Funcionários da Pilgrim's não têm tempo de ir ao banheiro; empresa de frango controlada pelo grupo é uma das

Read More...
Vidal Helgeser e Sarney Filho Crédito: José Cruz/ Agência Brasil

Ministro diz que “apenas Deus” pode garantir queda no desmatamento

Manobra para aprovar medida contra reservas ambientais é revelada, em meio a cortes de incentivos pela Noruega; Sarney Filho culpa

Read More...

Prefeitura de Campo Grande demite únicas tradutoras indígenas na Casa da Mulher

MS aparece no 5º lugar em violência doméstica contra mulheres e tem 2ª maior população indígena; demitidas faziam tradução

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu