Governo do MS fornece carne podre para comunidades indígenas

In De Olho na Comida, De Olho na Imprensa, Em destaque, Povos Indígenas, Principal, Últimas

Situação foi denunciada pela imprensa local; governo estadual já foi acusado, pelo Consea, de negligência na entrega de cestas básicas

O jornal Top Mídia News denunciou uma situação degradante para comunidades indígenas Terena no Mato Grosso do Sul: “Empresa repassa para índios carne podre ‘que nem cachorro come’“. A reportagem afirma que a empresa escolhida pelo governo estadual para fornecer cestas básicas tem levado carne podre para aldeias Terena na região dos municípios de Aquidauana, Anastácio e Miranda.

As cestas são fornecidas pela Secretária de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho. Elas já foram alvo de críticas pelo Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), pela negligência junto às comunidades indígenas no estado.

O Ministério Público Federal no Mato Grosso do Sul teve de intervir e firmar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para que as cestas chegassem até as áreas retomadas pelos Guarani Kaiowá. Essas terras são reivindicadas como tradicionais, mas não foram demarcadas pela União.

CONTRATO DE R$ 8,5 MILHÕES

Os indígenas contam que estão recebendo carne podre que “até os cachorros se recusam a comer”. A equipe do jornal visitou os locais e constatou a situação. A empresa que fornece as cestas básicas para as aldeias da região de Aquidauana, segundo o portal, é a Tavares & Soares Ltda, nome fantasia Farturão Alimentos. O contrato foi renovado em agosto de 2016, com vigência de um ano e valor total de R$ 8,5 milhões.

O Top Mídia News informa:

 – A carne entregue na última cesta básica enviada em 3 de maio chegou já fora do prazo de validade. Os indígenas mostraram à reportagem a embalagem fechada, com a validade de 1º de maio, dois dias antes da entrega. A carne apresentou visual apodrecido, cheio de sebo. Ao abrir o pacote foi constatado o odor de podridão.

Os Terena contam que tentaram ferver o alimento para tirar o cheiro. “Mas a carne é podre. Não serve para consumo. Demos para os cachorros, mas nem eles quiseram comer”. Segundo o jornal, foi sugerida a troca da carne por sardinhas em lata, na tentativa de “resolver o problema”.

A reportagem relata que o arroz e o feijão também apresentaram má qualidade. “Em algumas das cestas básicas o arroz entregue continha carunchos e corós, conforme o vídeo realizado pelos moradores da aldeia”, descreveu o jornal. “Os grãos do feijão carioquinha apresentam coloração totalmente pretejada, inclusive interno”.

CONSEA VIU TRAGÉDIA HUMANA

Após visita ao Mato Grosso do Sul, o Consea produziu este ano um relatório com críticas ao papel do governo estadual no atendimento às comunidades indígenas, em especial as Guarani Kaiowá. O relatório afirma que o estado é palco de uma tragédia humana. De Olho nos Ruralistas contou aqui esta história: “Consea relaciona ‘tragédia humana’ dos Guarani Kaiowá ao agronegócio“.

“Apesar desse Inquérito Civil, o governo estadual deixou de entregar cestas de alimentos para famílias que residem em áreas de retomada, alegando que vivem em áreas não regularizadas”, afirmou a presidente do Consea, Maria Emília Lisboa Pacheco.

O documento deu atenção especial à situação das crianças Kaiowá, que enfrentam a desnutrição, a falta de políticas de saúde e a marginalização da educação pública. O Consea cita dados do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional sobre a desnutrição de crianças menores de 5 anos. No município de Antônio João, um dos principais cenários de conflitos com fazendeiros, as crianças apresentaram um déficit de altura em relação à idade de 24,6%. (Izabela Sanchez)

 

You may also read!

Livro mostra grilagem em Belo Monte e conflito dos povos do Xingu com fazendeiros

Livro organizado por pesquisadores da SBPC relata o processo de ocupação das terras da região; Sudam subsidiou grileiros e

Read More...

Seca extrema é provável causa da contaminação no Rio Iriri

Pesquisadora diz que sobrevoo e investigação por terra não detectaram atividades ligadas ao agronegócio; etnias sofrem com fome ou

Read More...

PL sobre agrotóxicos visa lucro e ignora questões sanitárias e ambientais, diz procuradora

Projeto no Senado exclui Ibama e Anvisa da aprovação dos venenos; segundo Fátima Borghi, seria "pueril" imaginar que Ministério

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu