Cortes no Censo Agropecuário vão atingir produtores como Pedro, 60 anos

In Agricultura Camponesa, De Olho na Comida, Em destaque, Últimas

Ele vive em assentamento no interior de SP e tem as mãos rachadas pelo uso de agrotóxicos; IBGE passa a ignorar, em 2017, a produção com venenos

Por Izabela Sanchez

Pedro Angelo Mazin tem 60 anos e vive no assentamento Pasto do Planalto, em Guarantã, interior de São Paulo. Ele é uma das pessoas responsáveis, no Brasil, por levar alimentos às mesas dos brasileiros. Nas estufas, Pedro cultiva pimentão e tomate. No assentamento – que antes era um latifúndio de 10 mil alqueires e hoje abriga 27 famílias – ele também produz leite. Quem chega cedinho na casa desse produtor é recebido com café fresco, ali produzido.

A vida dele, no entanto, enfrenta batalhas. Com pouco incentivo do poder público, Pedro e outros milhares de camponeses Brasil afora resistem para continuar. Mas a resistência dele vai além. O pequeno produtor quer diminuir a abrangência dos agrotóxicos na rotina de quem lida com estufas e produção para o mercado interno.

Desde os 14 anos ele esteve próximo dos venenos que pulverizava. Hoje, sofre com rachaduras nas duas mãos. A opinião médica: culpa dos agrotóxicos. Esse tipo de realidade, no entanto, corre o risco de passar despercebida aos olhos do governo federal e de toda a sociedade. Isso porque o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anunciou que diversas questões relacionadas à agricultura familiar serão suprimidas do Censo Agropecuário 2017.

A pesquisa começa a ser aplicada em outubro. Entre as questões que ficam de fora está a que permite entender como está a relação entre os agrotóxicos e a agricultura familiar, ou camponesa. Assediados por agrônomos que representam o lobby das empresas dos venenos e com nenhum fomento à produção alternativa, o que Pedro relata é a dificuldade para se livrar dos agrotóxicos:

– O movimento sempre briga contra o uso indiscriminado. Eu procuro evitar, mas muitas vezes não tem como, pra fazer agricultura orgânica precisaríamos de um apoio do governo. No começo quase não tinha [agrotóxicos], depois que começou a aparecer estufa, que é uma renda – porque toda semana a gente entrega pra mercado -, aí começou a aumentar. Tem gente que usa indiscriminadamente, até produtos proibidos. Nem pensar, porque acaba com tudo, até com as minhocas.

Pedro conta que começou a lidar com os venenos quando trabalhava em uma plantação de algodão. “Eu mexi muito com veneno, desde os anos 1970 eu já pulverizava algodão e usava até venenos proibidos”, descreve. “Eu tenho até sequela, eu tenho uma rachadura nas mãos. Quando chega no inverno começa a rachar. Eu fui em um monte de dermatologista e me disseram que eu tinha resíduo no sangue”.

CRIANÇAS TAMBÉM SÃO AFETADAS

É o que também explica Susana Prizendt, coordenadora do Comitê Paulista da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida. Ela diz que a utilização dos agrotóxicos na agricultura camponesa, embora ocorra em menos intensidade do que nas grandes monoculturas, causa impactos violentos em diversas esferas: “Em primeiro lugar, esse uso traz graves problemas de saúde para os integrantes de toda a família, já que os agricultores não conseguem atender aos padrões, exigidos por lei, em relação aos equipamentos de segurança e à estrutura para armazenagem e descarte dos agrotóxicos”.

Além do contato direto na hora de aplicação, relata Susana, há o contato devido à contaminação do solo, da água e do ambiente em geral, expondo todos os camponeses às substâncias tóxicas. “As mulheres costumam sofrer com um contato extra”, observa, “ao assumirem a tarefa de lavagem de roupas e equipamentos usados para pulverização”. Ela conta que as crianças e mesmo os animais correm riscos de intoxicação por causa da falta de condições de segurança.

O Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo, e utiliza diversos venenos vetados em outros países. A preocupação com a incidência dos agrotóxicos na agricultura brasileira foi recentemente divulgada pelo Ministério da Saúde, no relatório nacional 2016 do programa de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos.

AO REDOR DO ASSENTAMENTO, SOJA

Outra questão que tem preocupado Pedro Mazin é o aumento de lavouras de soja no entorno do assentamento. De acordo com ele, nos últimos dois anos a monocultura aumentou na região:

– Tem um vizinho plantando soja e com isso aumenta as pragas, porque eles passam um veneno forte lá. Aumentou a mosca branca, e não consegue controlar. Eu ouço falar de outras pessoas doentes, porque é uma coisa que aparece em longo prazo. Em outros assentamentos tem um pessoal com câncer.

Para ele, os cortes no Censo mostram que o governo federal quer favorecer apenas as empresas e o agronegócio. “Governo não quer saber de agricultura familiar”, diz. “Falta um apoio do Estado, um estímulo pra não usar o produto. É mais caro produzir sem e muita gente não tem as informações. A gente tenta, mas nem sempre consegue, porque não adianta a gente não usar e o vizinho não controlar”.

LEIA MAIS:
MPF e sociedade civil reagem aos cortes no Censo Agropecuário 2017

You may also read!

Em carta ao observatório, dona de usina inaugurada por Temer diz que não pratica land grabbing

FS Bioenergia confunde o termo inglês com "grilagem", palavra que não foi utilizada pela reportagem; land grabbing é um

Read More...

Livro mostra grilagem em Belo Monte e conflito dos povos do Xingu com fazendeiros

Livro organizado por pesquisadores da SBPC relata o processo de ocupação das terras da região; Sudam subsidiou grileiros e

Read More...

Seca extrema é provável causa da contaminação no Rio Iriri

Pesquisadora diz que sobrevoo e investigação por terra não detectaram atividades ligadas ao agronegócio; etnias sofrem com fome ou

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu