Bancada ruralista indica e emplaca ministro da Justiça

In Bancada Ruralista, De Olho na Política, De Olho nos Conflitos, Em destaque, Governo Temer, Povos Indígenas, Principal, Últimas
Osmar Serraglio na Câmara: defesa do impeachment e de Eduardo Cunha / Foto Carta Capital

Aliado de Cunha, Osmar Serraglio foi relator da PEC 215, sobre terras indígenas, e é um dos responsáveis pela CPI da Funai e do Incra

Por Cauê Seignemartin Ameni

O deputado federal Osmar Serraglio (PMDB-PR), membro das bancadas ruralista e evangélica, diretor jurídico da Frente Parlamentar da Agropecuária, será o novo ministro da Justiça. Ele chamou atenção em 2015, ao protagonizar a luta contra as demarcações de terras indígenas: foi relator da PEC 215 na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. A PEC transfere do Executivo para o Legislativo a palavra final sobre demarcações de terras indígenas, territórios quilombolas e unidades de conservação.

Desde 1973, quando o Estatuto do Índio entrou em vigor, apenas o poder Executivo, junto aos seus órgãos técnicos, pode decidir sobre demarcações indígenas. Por isso a proposta é considerada por indigenistas e ambientalistas como uma das maiores ameaças, nos últimos anos, contra os povos tradicionais.

Quando a PEC 215 foi apresentada por Almir Sá (PPB-RR), em 2000, já era considerada inconstitucional, por ferir a separação entre os poderes da República. O substitutivo apresentado por Serraglio e aprovado em 27 de outubro de 2015 é considerado ainda mais agressivo, por inviabilizar novas demarcações e criar insegurança para as áreas já demarcadas.

Esse ponto polêmico ficou conhecido como “marco temporal”, e determina que os índios só terão direito à terra que ocupavam desde 1988. A PEC aguarda votação, atualmente, na Câmara – onde Serraglio foi eleito deputado, pela primeira vez, em 1998. Ele foi reeleito nas últimas quatro eleições.

APOIO DA FRENTE AGROPECUÁRIA

Indígenas protestam na Câmara contra PEC215 / Foto Cimi
Indígenas protestam na Câmara contra PEC215. (Foto: Cimi)

A bancada ruralista declarou abertamente apoio à indicação de Serraglio para o ministério. A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) – onde ele foi reeleito como diretor jurídico – postou, anteontem, o seguinte recado para os jornais Estadão, Valor e para a revista Globo Rural: “Deputado é o nome indicado p/ bancada ruralista p/ Ministério “.

O grupo – composto por pelo menos 220 parlamentares – foi decisivo para o impeachment de Dilma Rousseff e chegada ao poder de Michel Temer e sua trupe de ministros ruralistas. E também apoiou a indicação de Alexandre de Moraes ao Supremo Tribunal Federal.

Osmar Serraglio declarou ao Tribunal Superior Eleitoral, em 2014, um patrimônio de R$ 5,4 milhões. Os bens mais valiosos estão ligados ao mercado imobiliário. Imóveis rurais, ele declarou dois. Um de 24 hectares em Nova Prata do Iguaçu (PR), por R$ 5.966,54, e outro em Umuarama (PR), que ele possui desde 1976, por R$ 409, 20. Em 1997 o deputado possuía R$ 704 mil.

A maior doação feita legalmente para Serraglio, em 2014, foi do frigorífico JBS, com um aporte de R$ 200 mil. Da maior exportadora brasileira de açúcar e etanol, a Copersucar, o deputado recebeu R$ 100 mil.

Ao lado dos deputados Nilson Leitão (PSDB-MS), Alceu Moreira (PMDB-RS), Valdir Colatto (PMDB-RS) e Tereza Cristina (PSB-MS), Serraglio foi um dos responsáveis pela recriação, no fim de 2016, da CPI da Funai e do Incra A CPI visa amedrontar, com quebra de sigilos, entidades que apoiam a luta indigenista.

O deputado paranaense também ficou conhecido por defender o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no ano passado, ao pautar recursos que poderiam anular o processo contra seu aliado no Conselho de Ética. Quando Cunha foi finalmente preso, Serraglio lamentou: “É a queda da República!” (Colaborou Alceu Luís Castilho)

Osmar Serraglio e Eduardo Cunha na sessão da CCJ / Foto Jornal do Brasil
Osmar Serraglio e Eduardo Cunha na sessão da CCJ / Foto Jornal do Brasil

LEIA MAIS:
Ministros de Temer possuem R$ 200 milhões e 250 mil hectares
Golpe de 2016 se afirma também como um golpe ruralista
De Olho TV – Chalana com Alexandre de Moraes tinha maioria ruralista

You may also read!

Em carta ao observatório, dona de usina inaugurada por Temer diz que não pratica land grabbing

FS Bioenergia confunde o termo inglês com "grilagem", palavra que não foi utilizada pela reportagem; land grabbing é um

Read More...

Livro mostra grilagem em Belo Monte e conflito dos povos do Xingu com fazendeiros

Livro organizado por pesquisadores da SBPC relata o processo de ocupação das terras da região; Sudam subsidiou grileiros e

Read More...

Seca extrema é provável causa da contaminação no Rio Iriri

Pesquisadora diz que sobrevoo e investigação por terra não detectaram atividades ligadas ao agronegócio; etnias sofrem com fome ou

Read More...

2 commentsOn Bancada ruralista indica e emplaca ministro da Justiça

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu