Agrotóxicos: a história de 1 milhão de envenenados

In Agrotóxicos, De Olho na Comida, Transgênicos

Professora da USP prepara “Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil”; repercussão de entrevista mostra importância de um observatório do agronegócio no Brasil

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

Entre 2007 e 2014, 25 mil pessoas foram atingidas pelo uso de agrotóxicos no Brasil. Intoxicadas. Dessas, 1186 morreram. Mas essa é apenas a ponta do iceberg, aponta a professora Larissa Mies Bombardi, do Departamento de Geografia da USP. Estima-se que, para cada caso notificado, ocorram outros 50. Em outras palavras, o país teve nesse período mais de 1 milhão de pessoas envenenadas por pesticidas.

Larissa finalizará neste semestre a “Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil”. Com dados atualizados por Unidades da Federação, municípios, gênero, idade. De Olho nos Ruralistas – um observatório jornalístico sobre o agronegócio no Brasil – entrevistou a professora e detalhou esses dados, mapa a mapa.

agrotoxicos-larissaOs pontos escuros no mapa significam as regiões com maior número de casos. Alguma surpresa pela alta concentração nas regiões Sul e Sudeste? Ela se explica por um determinado modelo de apropriação do território e dos recursos naturais, que atende pelo nome de agronegócio.É nas áreas com produção de soja (como no Paraná), cana de açúcar (como em São Paulo), ou fruticulturas (caso de Ceará e Pernambuco) que se concentra boa parte dos casos de envenenamento por agrotóxicos. São venenos de fácil acesso: assim como as armas nos Estados Unidos.

Em texto no Outras Palavras, o jornalista João Peres resumiu na semana passada a entrevista concedida ao De Olho nos Ruralistas: “Um Atlas de nossa agricultura envenenada“.

agrotoxicos-larissa02DE OLHO NOS RURALISTAS

A entrevista com Larissa faz parte de um programa-piloto do De Olho nos Ruralistas.  O projeto (do qual eu sou o editor) está em campanha de financiamento coletivo, a dez dias do fim da arrecadação. Prevê um programa de TV pela internet e um site com atualização diária: notícias, reportagens e artigos sobre o agronegócio e seus efeitos sociais e ambientais. Além de boletins diários – De Olho na Comida, De Olho no Ambiente, De Olho nos Conflitos, De Olho no Agronegócio e oficinas sobre questão agrária.

Em outro trecho do programa, Larissa Bombardi falou sobre os riscos da pulverização aérea de venenos contra a dengue (com os mesmos princípios ativos dos agrotóxicos) nas cidades: “Agrotóxicos: agora despejados sobre você“.

A repercussão desses trechos do programa mostra a importância de um observatório jornalístico sobre o agronegócio no Brasil. Para que esses e outros dados (sobre ambiente, sobre alimentação, sobre conflitos agrários) sejam esmiuçados, debatidos, atualizados – todos os dias. Sempre com a perspectiva de fiscalizar o poder político e econômico.

Entre os que republicaram os vídeos – ou os textos aqui no Outras Palavras – estão o Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST), o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), o Centro de Ciência do Sistema Terrestre do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, a Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais (Abong) e o canal Do Campo à Mesa, além de sites jornalísticos (Envolverde, Sul21) e dezenas de milhares de compartilhamentos nas redes sociais.

You may also read!

Pedro Rocha, assentado em Restinga (SP): “Fui jantar com o Chico Mendes, em 88, e ele morreu no meu braço”

Camponês militou com o sindicalista, no Acre; conheceu com ele o socialismo e hoje comemora seu pedaço de terra

Read More...

Pesquisadores dizem porque apoiam o De Olho nos Ruralistas

Campanha de financiamento do observatório tem grande adesão de professores universitários; eles destacam as reportagens investigativas e os boletins

Read More...

Senado abre consulta sobre liberação de arma na zona rural

Mesmo com escalada da violência no campo, e após três massacres, senador Wilder Morais (PP-GO) apresenta lei para facilitar

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu