Por que não dou dinheiro para a cerveja do trote

Seria assumir lenda da meritocracia (“parabéns, vocês passaram no vestibular”). Seria celebrar um privilégio enorme, de um sistema muito desigual

Por Marília Moschkovich, em Mulher Alternativa

Essa semana começaram as aulas na Unicamp. Desde ontem pode-se ver “bixos” em vários semáforos de Campinas pedindo “contribuições” em dinheiro para festejar a chegada ao desejado ensino superior público paulista. Jovens de todos os cantos do país, tamanhos, formatos. Mas nem de todas as cores e com apenas algumas exceções em relação ao grupo social predominante (algumas pessoas gostam de chamar de “classe”, mas eu prefiro não usar esse termo aqui). O chamado “pedágio” é uma das atividades mais tradicionais do trote universitário, pelo menos no estado de São Paulo.

Enquanto opção pessoal – contribuir ou não com a compra da cerveja para bixos e/ou veteranos (depende do curso) – não há grandes controvérsias. Cada pessoa faz o que acha melhor e o que acha que deve. Penso, porém, que esta opção pessoal seja também uma opção política. Na minha posição política me recuso a dar dinheiro para a cerveja do trote.

TEXTO-MEIO

Sim, já fui caloura. Sim, participei de pedágio. Sim, tomei cerveja com dinheiro arrecadado. Meu problema está longe de ser a cerveja – que não considero um motivo mais ou menos legítimo que nenhum outro pra se pedir grana em farol. A questão pra mim é outra: a universidade pública e o trote são privilégios sociais.

O conhecimento não é igualmente distribuído na sociedade. Diferentes famílias, de diferentes grupos sociais, dominam diferentes conjuntos de códigos sociais, simbólicos e outros tipos de conhecimento e assim os transmitem a suas crias. Só um conjunto muito específico destes, porém, é considerado “legítimo” e dá acesso a oportunidades de ocupar posições de maior prestígio, poder e renda (embora esta não seja sempre o cerne da desigualdade social). As crias que dominam este conjunto específico, “legítimo”, que a escola é encarregada de ensinar – e continuar legitimando – e que é cobrado. Nos vestibulares, por exemplo, já saem na frente antes mesmo de que seja dada a “largada”.

A meritocracia do vestibular é uma lenda. Seria talvez um pouco menos lenda caso todos os candidatos com notas maiores do que X, Y ou Z tivessem direito a vagas. Não é. Um candidato que pontuou exatamente o mesmo do que outro mas é mais novo pode ficar de fora da universidade. Não significa de forma alguma que esteja menos preparado. Pra ficar num exemplo bobo.

Dar dinheiro para os calouros no trote, considerando que não dou dinheiro para outros pedintes na rua e nem faço doações em dinheiro a instituições “filantrópicas” (que muitas vezes não têm nada de “filo”, por assim dizer), seria assumir que aquela “causa” é mais legítima que outras. Seria assumir a lenda da meritocracia – “parabéns, vocês merecem essa cerveja mais do que quem não passou no vestibular”. Seria celebrar um privilégio enorme de um sistema educacional muito desigual.

Então comemorem, aproveitem a universidade, bebam muita cerveja. Vocês, afinal, merecem. Não mais, porém, do que qualquer outra pessoa que prestou – ou não – vestibular este ano.

> Edições anteriores da coluna:

Mulheres: corpos disponíveis?
Toda a delícia do carnaval vem da liberdade. Nas três histórias a seguir, as mulheres foram violentamente privadas desta festa
(23/03/212)

Bispos, sexo morno e os “bem-amados”
Das duas, uma: ou o religioso que atacou ministra Eleonara projetou suas frustrações afetivas; ou deixou aflorar seus desejos políticos…
(14/2/2012)

Aos indignados da sacolinha
E se a resistência à mudança de hábitos indicar que colocamos a Ética do Consumidor acima de todas as outras?
(6/2/2012)

O emblemático Oscar de Melhor Atriz
Pergunta que não quer calar: a escolha da Academia levaria em conta algo mais, além da capacidade de interpretar?
(30/1/2012)

A Casa
Sete rolos compressores sujando as minhas e as suas mãos de sangue. A intimidade violada de milhares de famílias. No domingo, dia de “casa”
(23/1/2012)

A cena do Big Brother é um problema do Brasil
“Estupro de vulnerável” consta no Código Penal. Comum e terrível, precisa ser punido: a Globo não está acima da lei
(16/01/2012)

“Mulher Alternativa” estreia em Outras Palavras
Coluna semanal defende radicalmente a igualdade, não crê em libertação “definitiva” e aposta que feminismo combina com liberdade sexual
(9/1/2012)

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Marília Moschkovich

(@MariliaMoscou) é socióloga, militante feminista, jornalista iniciante e escritora; às segundas-feiras contribui com o Outras Palavras na coluna Mulher Alternativa. Seu blog pessoal é www.mariliamoscou.com.br/blog.