Cursos populares, ascensão e desafios

170921-Uneafro3

Eles espalharam-se pelo país, contra o elitismo do vestibular. Formam, questionam e mobilizam. Enfrentam problemas, ligados à desigualdade social. Um encontro em SP debaterá alternativas


II JORNADA DE EDUCAÇÃO POPULAR
30 de setembro e 1º de outubro (sábado e domingo), as 8 às 19h
Escola Estadual Oswaldo Catalano — R. Felipe Camarão, 350 — Metrô Tatuapé (mapa)
Confirme presença e ajude a divulgar; veja programação ao final

Quem acompanha os espaços da luta política em São Paulo tem notado o surgimento de um número cada vez maior de cursinhos populares por toda a cidade e até mesmo na região metropolitana. Trata-se de um fenômeno que representa a conformação não apenas de uma tendência de prática voluntarista de ensino, mas essencialmente a de um movimento social cada vez mais sólido e de grande inserção junto à juventude da classe trabalhadora.

Permeando esse processo, está a gigantesca e histórica demanda represada de jovens que almejam acessar as principais universidades públicas do país. A grande maioria – residente nas periferias e sem condições de arcar com os custos dos cursinhos tradicionais – vê nos cursinhos populares uma alternativa para se prepararem para o vestibular e para o Enem.

No entanto, ainda que o objetivo central seja o de propiciar o acesso à universidade por jovens oriundos da classe trabalhadora, os cursinhos populares também visam estimular a formação e atuação política em diversas áreas, como no combate às desigualdades sociais, ao racismo, ao machismo e à homofobia. É justamente esse viés militante, de questionamento do status quo, a grande distinção dos cursinhos populares para alguns cursinhos comunitários/universitários que prescindem de um projeto político, concentrando-se tão somente no viés filantrópico.

TEXTO-MEIO

Em meio a esse entusiasmo por  transformação, enormes desafios marcam o dia-a-dia dos cursinhos populares. Na lista, há desde a falta de educadores para determinadas disciplinas, dificuldades para obtenção de material didático, problemas para se conseguir salas de aula, evasão de estudantes por motivos de trabalho, entre vários outros pontos.

E é para debater todas essas questões de forma aprofundada que diversos cursinhos populares de São Paulo organizam no próximo dia 30 de setembro e 1º de outubro a II Jornada de Educação Popular. A iniciativa é tocada por representantes de diversos cursinhos populares da capital paulista e região metropolitana, e acontecerá na Escola Estadual Oswaldo Catalano, que fica na rua Felipe Camarão, 350, próximo à estação Tatuapé do Metrô.

Os dois dias de evento contarão com mesas de debate, oficinas, rodas de conversa, além de um curso sobre histórias e práticas de educação popular e atividades culturais (veja mais abaixo a programação completa).

No sábado (30) pela manhã, a mesa de debate abordará os efeitos da crise política e econômica na educação do Brasil, enquanto no domingo (1º) o tema da mesa tratará da relação entre a educação e a democracia. Nos dois dias, o período da tarde será reservado para as atividades de oficinas e rodas de conversa.

A cobertura do evento ficará a cargo de um grupo voluntárias e voluntários, que produzirá conteúdo que será publicado por Outras Palavras. Também haverá transmissão ao vivo pela internet.

A II Jornada de Educação Popular é voltada não apenas para educadoras e educadores, mas ainda para educandos e educandas de cursinhos populares e demais pessoas interessadas. Foi pensada também como um espaço para o fortalecimento da articulação entre os cursinhos populares em seu ímpeto de incidência política na sociedade.

Quem quiser participar da Jornada deverá preencher um formulário de inscrição com alguns dados pessoais.

Vale informar que o local do evento terá creche para quem precisar levar crianças. Também haverá certificados às pessoas participantes.

PROGRAMAÇÃO

||| Sábado (30/09)

8h00 às 9h00 | Café da manhã coletivo

9h00 às 12h00 | Mesa “Brasil em Crise: os efeitos da crise política e econômica na educação”, com Lúcia Bruno (socióloga, USP), Mirian Helena Goldschmidt, Marcos Cassin e Denise Carreira

12h00 às 13h30 | Horário livre para almoço

13h30 às 17h30 | Curso “Histórias e Práticas da Educação Popular”, com Samara Marino (educadora popular) e Luis Scapi (educador popular)

13h30 às 15h30 | Oficinas
> “Oficina de confecção de bonecos para teatro de sombras” com Agnaldo Gonçalves
> “Oficina: Diálogos do Corpo: vivência de consciência corporal em movimento vital expressivo” com Juliana Duarte Arraes
> “Oficina EGRÉGORA: aplicativo para cursinhos populares e trabalho de base em geral” com André da Silva Takahashi
> “Oficina de escultura em papietagem”, com Ednaldo Carmo dos Santos

16h00 às 17h30 | Rodas de conversa
> “Roda de conversa: Técnicas e postura de entrevistas” com Pâmela Ribeiro Nascimento
> “Roda de Conversa: contação de histórias” com Amanda Gerez e Viviane Rocha
> “Roda de Conversa: Política Brasileira” com Vinícius Bento Chamlet
> “Roda de conversa: O que é empoderamento? Somos todas iguais?” com Cristiane Martins Araujo e Taynara Lira Cristiane Martins
> “Roda de Conversa: O momento que vivemos exige novos desafios na formação pessoal e profissional.” com Alice Mara Tepedino
> “Roda de Conversa: Educação Libertária e a Experiência dos Cursinhos Livres” com Vitor Ahagon e Rodrigo Rosa

17h30 às 19h00 | Finalização com atividade cultural

||| Domingo (01/10)

8h00 às 9h00 | Café da manhã coletivo

9h00 às 12h00 | Mesa “Educação e Democracia”, com Carlinhos (Missão Paz), Estorvo Silva (Ação Educativa) + 1 convidada

12h00 às 13h30 | Horário livre para almoço

13h30 às 15h30 | Oficinas e Rodas de Conversa
> “Oficina: Jornada de Pandora” com Samanta Lopes
> “Oficina: Auto-gestão como autoconsciência: gestão e sustentabilidade financeira para cursinhos populares” com Carolina Munis
> “Oficina: Vivência teatral através do Teatro Jornal” com Clarissa Oliveira da Silva
> “Oficina de tecnologias para Educação” com Viviane Rocha e Amanda Gerez
> “Oficina Livre de Podcast” com Fernando Araujo Konesuk
> “Oficina de teatro” com Maria Creuza Oliveira. “Roda de Conversa – Transição capilar e o resgate da identidade” com Mariana Santos

> “Roda de Conversa: O conhecimento e o autoconhecimento como ferramentas de crescimento do vestibulando” com Billy Cordelli Eugênio
> “Roda de conversa: Cineclube Educação Popular” com Larissa Santos
> “Roda de conversa: Educação Popular e Capitalismo” com Gabriel Martins e Leandro Neves
> “Roda de conversa: Retorno às raízes: O estudante do curso popular e sua contribuição acadêmica para a comunidade.” com Winner Batista Rocha
> “Roda de Conversa: Educação Popular na Venezuela e seu papel nas Transformações e na Resistência” com Hector Ilich Melean Duran
> “Roda de conversa: Momento de trocar saberes” com Jessica Beatriz Silva

 

16h00 | Agenda estratégica dos Cursinhos Populares

 

Cursinhos e redes que constroem a Jornada 2017:

CURSINHO CLARICE LISPECTOR

CURSINHO CORA CORALINA (GUARULHOS)

CURSINHO DA ACEPUSP

CURSINHO DA EACH

CURSINHO DOS ESTUDANTES DA PUC-SP

CURSINHO PROFA. LEILA REGINA

CURSINHO LIVRE DA LAPA

CURSINHO LIVRE DA NORTE

CURSINHO POPULAR LIMA BARRETO

CURSINHO TRANSFORMAÇÃO

CURSINHO VILA GOMES

CURSINHO VIRAMUNDO (FERRAZ DE VASCONCELOS)

CURSINHO VITO GIANNOTTI

CURSO MAFALDA

CURSO POPULAR PRÉ-UNIVERSITÁRIO TETRIS (SUZANO)

REDE EMANCIPA

UNEAFRO NÚCLEO JABAQUARA

 

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.