Para tentar entender o imbróglio paraguaio

1490977940_157080_1491037115_noticia_fotograma

Em 30 de março, manifestação contra a reeleição

Incêndio no Congresso não foi nem insurreição popular, nem ataque de gângsters neoliberais. Mas Fernando Lugo pode estar entrando em arapuca

O cenário em Assunção permanece turvo e contraditório. O Senado debate, dividido, um projeto que permite a reeleição presidencial, Na sexta-feira, foi tomado e parcialmente incendiado por manifestantes em protesto. O fato foi visto por muitos, nas redes sociais, como início de insurreição.

Horas depois, militantes como Breno Altman sugeriram uma versão contrária. A lei de reeleição seria um caminho para permitir a candidatura do ex-presidente Fernando Lugo, deposto por golpe parlamentar em 2012 e hoje líder nas pesquisas. Para viabilizar a lei, a Frente Guasú, de Lugo, teria se aliado ao Partido Colorado, do presidente Horacio Cartes, eleito em 2013. O Senado teria sido incendiado por marginais a serviço de uma oposição neoliberal descontente, porém sem voto. Continuar lendo

TEXTO-FIM

Possível revoada de indústrias brasileiras

1218247237o03h3w

Para engordar os lucros e driblar direitos trabalhistas, empresas como a Hering transferem-se para Paraguai, onde encontram frágil legislação. Fiesp comemora

Por Igor Fuser

Assimetria é uma palavra usada, na retórica diplomática, para se referir às desigualdades – principalmente, econômicas – entre países. Dez anos após a adoção de uma política externa brasileira mais progressista, ainda não está claro se a atuação do Brasil contribui para aumentar ou para diminuir as assimetrias na relação com os vizinhos mais pobres.

A questão tem a ver com notícia publicada pelo Valor Econômico (3 de abril), com o título “Fiesp mostra vantagens de se levar indústrias para o Paraguai”. A partir de fontes da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, o jornal explica como os empresários podem engordar os lucros transferindo as fábricas para o Paraguai e exportando a produção de lá para o Brasil – com tarifa zero, graças ao Mercosul. Entre as vantagens, destacam-se em primeiro lugar os salários, em média 35% menores do que no Brasil, e a energia elétrica, 65% mais barata. Outro atrativo são os impostos, bem mais baixos. De acordo com a Fiesp, já há mais de 20 empresas brasileiras em território paraguaio, entre elas a Hering, que possui três fábricas do outro lado da fronteira. A mudança, conclui a entidade patronal, é altamente benéfica para os setores intensivos em mão-de-obra, como a indústria têxtil e de confecções, cerâmica, calçados, couros e móveis. Continuar lendo

Golpe paraguaio e América dividida

Ilustração: Santiago

Ilustração: Santiago

Reunião da OEA revela existência de dois blocos e declínio da influência dos EUA. Mas defensores da legalidade não parecem dispostos a ir além da retórica

Por Hugo Albuquerque

Nessa última terça, (10/7), a Organização dos Estados Americanos (OEA) realizou uma sessão extraordinária para debater como reagir diante da situação no Paraguai, mas não chegou a conclusão. O país sul-americano entrou na pauta dos principais blocos e organizações do continente depois que um processo de impeachment, votado de forma relâmpago e afastando qualquer possibilidade de defesa, destituiu o presidente Fernando Lugo. Um típico caso de golpe branco, no qual tanques e aviões deram lugar ao parlamento e a togas.

Na semana passada, o Mercosul (bloco econômico do Cone Sul) e a Unasul (União das Nações da América do Sul) haviam decidido, por unanimidade, suspender o Paraguai até que a ordem democrática seja reestabelecida. Com a OEA, foi diferente. Além de reunir os integrantes da Unasul e Mercosul, ela tem como membros os países norte e centro-americanos (exceção feita a Cuba) – isto é, a zona de influência direta de Washington. A correlação de forças é naturalmente mais complexa e tensa. Continuar lendo