Meus professores (lembranças a partir do massacre de Curitiba)

batalhadocentrocivico

Duzentos feridos durante repressão a professores em Curitiba (Agência Paraná/ Fotos Públicas)

Batalha do Centro Cívico, em Curitiba, ou Massacre do 29 de Abril, completou um ano; blog relembra texto publicado na época em homenagem aos professores

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

O Ministério Público chama de Batalha do Centro Cívico. Os professores, de Massacre do 29 de abril. Centenas deles foram espancados em Curitiba, há um ano, durante protesto contra o governo de Beto Richa (PSDB). Duzentas pessoas ficaram feridas.

No dia seguinte escrevi em minha página de Facebook o texto abaixo. Título: “Meus professores”.

Lembro-me do Seu Deusdedit, de português. No ginásio. Sou do tempo do 1º grau, mas falávamos ginásio, lá em São Carlos, sempre em escolas públicas. (E como tenho saudades delas.) Se hoje concateno um pouco melhor as palavras devo muito a ele e à Dona Ângela, do colegial. Misto natural de professora e psicóloga. Uma motivadora. Nunca entendeu por que eu fui estudar exatas, antes de trilhar o caminho das humanas. Continuar lendo

2015 – Mais um ano de naturalização da violência policial

Paraná29abril

Agressão a professores em Curitiba (Foto: José Gabriel Tramontin / Lente Quente)

Tortura, chacinas, grupos de extermínio, execução de crianças, repressão a protestos; show de horrores da PM ganha noticiário, mas de forma dispersa, sem coesão

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

As chacinas ainda ganham algum destaque na imprensa – em ciclos. Em 2015, a matança em Osasco em Barueri foi uma das principais notícias de segurança publica, ao lado da tradicional truculência em manifestações de estudantes, professores e movimentos sociais. Esta, disfarçada em “confronto”. De um modo geral, porém, a sociedade brasileira segue assimilando a violência policial. Sem que ela apareça – apesar da ampla escala – nas retrospectivas televisivas ou impressas de fim de ano.

Esta sequência diz muito sobre o que aconteceu em Osasco:

14/08 (Osasco, Barueri, SP): Série de ataques deixa ao menos 18 mortos e 6 feridos na Grande SP
27/08 (Osasco): Adolescente morre em hospital e é a 19ª vítima de chacina na Grande SP (Letícia tinha 15 anos.)
28/10 (Osasco e Barueri): PMs queriam vingança e mataram 23 inocentes na Grande SP, diz secretário
07/11 (Osasco): Principal testemunha de chacinas é assassinada a tiros na Grande SP
Continuar lendo

Salvador Allende, República de Cuba: os nomes das escolas que Alckmin quer fechar

allende

Fechamento de 93 escolas em SP significa também descaso com a história de homenageados, entre eles 45 professores; alunos resistem e põem Alckmin em xeque

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

Primeira chamada: as professoras.

Adalgiza Segurado da Silveira (São Paulo); Alayde Maria Vicente (Guarulhos); Antonieta Grassi Malatrasi (Lençóis Paulista); Dinora Rocha (Iguape); Elza Salvestro Bonilha (Sorocaba); Eurydice Zerbini (São Paulo); Iolanda Vellutini (Pindamonhangaba); Iracema Brasil de Siqueira (Mogi das Cruzes); Iracema de Oliveira Carlos (Ibitinga); Ivani Maria Paes (Barueri); Laís Amaral Vicente (São Paulo); Lâmia del Sistia (Guarujá); Maria Aparecida Soares de Lucca (Limeira); Miss Browne (São Paulo); Regina Pompeia Pinto (Cachoeira Paulista); Sebastiana Paie Rodella (Americana); Sonia Aparecida Bataglia Cardoso (Santa Bárbara D’Oeste); Sueli Oliveira Silva Martins (Mogi das Cruzes); Yonne Cesar Guaycuru de Oliveira (Pindamonhangaba). Continuar lendo