Placar da PEC 55 no Senado: R$ 836 milhões x R$ 16 milhões

pec550eunicio

Diferença dos bens entre blocos de senadores é ainda maior que a do impeachment de Dilma; lado do “não” despencou de R$ 35 milhões para R$ 16 milhões

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

Total de bens dos senadores que votaram pela PEC 55: R$ 836.956.237,46. Total de bens dos senadores que votaram contra: R$ 15.897.590,85. Isto conforme as declarações de bens entregues na última eleição disputada pelos políticos.

A diferença é desproporcional em relação à quantidade de senadores que votaram pelo “sim” (53 senadores) e pelo “não” (16 senadores).

Em relação à votação do impeachment de Dilma Rousseff, a desproporção aumentou. Entre os que votaram contra a queda da presidente, no dia 31 de agosto, a soma dos bens era de R$ 35 milhões. O total entre os favoráveis ao impeachment era de R$ 876 milhões. Mais senadores votaram naquela votação (81) do que nesta (69).

Vejamos a relação dos que votaram contra a PEC 55, que limita os gastos sociais por 20 anos: Continuar lendo

Placar do impeachment no Senado: R$ 876 milhões x R$ 35 milhões

Essas são, respectivamente, as somas dos bens declarados pelos 61 senadores que votaram pela queda de Dilma Rousseff e pelos 20 que foram contrários

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

Quanto possui cada um dos 81 senadores que decidiram o destino de Dilma Rousseff, neste dia 31 de agosto? Difícil saber ao certo, pois muitos deles declararam bens, pela última vez, em 2010. A maioria o fez em 2014. Com base na última declaração entregue à Justiça Eleitoral, fiz o levantamento a partir de cada um dos blocos: o do “sim” e o do “não”.

Vejamos primeiro aqueles que votaram pelo impeachment:

senadores-sim01senadores-sim02

O total é de R$ 875.847.188,51. Arredondando, R$ 876 milhões. A média é de R$ 14,3 milhões por senador. Continuar lendo

Sim, era açúcar; caso Imbassahy ilustra o quanto perdemos o bom senso

blowup

Espécie de “Blow-Up” às avessas, investigação nas redes não passou de suposição; apego excessivo a um detalhe ocorre enquanto ocorre um golpe, estrutural

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

Viramos caçadores de imagens fugidias. Durante a sessão de anteontem no Senado, subitamente decidiu-se, nas redes sociais, que o deputado federal Antonio Imbassahy (PSDB-BA), postado logo atrás do senador Aloysio Nunes (PSDB-SP). portava um papelote de cocaína. E essas conclusões súbitas têm-se tornado irrevogáveis. Como se fossem a verdade absoluta e como se fossem… relevantes.

Um olhar atento para o vídeo do G1, em alta resolução, mostra que o objeto que o deputado batuca na mesa é retangular – e branco. Compatível com um sachê de açúcar. E não com um papelote de cocaína. (Droga muito consumida em Brasília, no Congresso e fora dele, e em todo o Brasil.) O leitor mais teimoso poderá ter certeza do contrário. Mas estará sendo leviano se acusar sem provas. Continuar lendo

Arenistas e filhos da Arena foram decisivos para a queda de Dilma

Sarney-e-Maluf

Ministro do TCU que rejeitou pedaladas foi arenista, assim como 7 senadores e 13 deputados que apoiaram impeachment; PP, PSB e PSDB abrigam filhos da Arena

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

A derrubada de Dilma Rousseff teve a ação direta de ex-integrantes da Arena, o partido da ditadura. Seja na linha de frente do impeachment (ministro Augusto Nardes, deputado Heráclito Fortes), seja nas votações na Câmara e no Senado. Pelo menos 13 deputados e 7 senadores que votaram “sim” nos dias 17 de abril e 11 de maio foram da sigla inventada pelos militares, fundada no dia 4 de abril de 1966. Cinquenta anos atrás.

Esses sete votos no Senado, por exemplo, seriam suficientes para reverter o impeachment, após o afastamento por seis meses da presidente.

No mínimo outros 15 deputados e 7 senadores são parentes (filhos, sobrinhos, netos ou cônjuges) de deputados e senadores arenistas. Ou de governadores biônicos, igualmente da Arena. Michel Temer chega ao poder não somente pela força do antigo MDB, portanto. O principal desmembramento do PMDB, aliás, o PSDB, é o segundo partido no Congresso que mais abriga os descendentes de arenistas, atrás do PP.

Confira aqui essa história que conecta diretamente 2016 aos ares que se respirava entre 1964 e 1985. Continuar lendo

Esquerda erra ao minimizar “Deus e a família”

bosch

Plenário da Câmara? Não: “Cristo Carregando a Cruz” (Bosch, início do século 16)

Direita nada de braçadas no que se refere ao convencimento direto de setores majoritários da população; votos pelo “sim” no impeachment precisam ser estudados

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

Onde a direita acerta? Há tempos penso em escrever algo nessa linha. Tentando identificar alguma fundamentação – ainda que tortuosa – em argumentos e fatos por ela utilizados em seu discurso. Ou estará ela errada o tempo todo, sob todos os aspectos? A esquerda precisa ignorar o papel do medo, por exemplo, na definição das opções políticas de cada cidadão? Por que deixar a direita nadar de braçadas em relação a determinados temas que interessam a todos os brasileiros?

Fiquei pensando nisso ao tentar rever a votação de domingo, em meio ao show de horrores na Câmara. Ainda que seja mais fácil maximizar uma fala especialmente grotesca, como a de Jair Bolsonaro (de certa forma bancando sua estratégia violenta), talvez falte refletir sobre o papel de Deus e da família na conquista de mentes e corações – e no quanto sair demonizando as duas palavras pode significar mais uma compra do jogo do adversário. Continuar lendo

Escolinha do Professor Cunha expôs ao Brasil sua face bizarra e violenta

impeachment

Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Edição especial da aula no Congresso foi didática em relação ao potencial expressivo dos nobres deputados; de certos tiques e esquisitices, de certas farsas e farras

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

O dia 17 de abri foi uma aula de Congresso. Macabra. Com Eduardo Cunha à frente (e sua eterna ironia de cantinho de boca), os deputados puderam se expor à sociedade brasileira em uma espécie de dramaturgia sincera. A hora do voto foi a mais falada, pela sucessão de falas constrangedoras. E já simbolizaria o show de horrores caso o fundo fosse neutro – pensemos num azulzinho básico. Mas não. Ao fundo, o Brasil assistiu a um painel humano extremamente representativo de certa grosseria, de uma vulgaridade atroz. Ou alguém acreditava que Felicianos e Bolsonaros eram pontos fora da curva nesta nossa bufocracia?

Aqueles papagaios de pirata não impressionaram somente pelo oportunismo, pela disputa abjeta por alguns centímetros de tela, enquanto os colegas votavam. Aos poucos eles foram se soltando, e ao painel inicial de faces irrelevantes foi se sucedendo uma sequência de fotografias de cinismo explícito, como se aqueles senhores (ao final, também duas senhoras) fizessem questão de apresentar ao país em poucos segundos – como se fossem uns Enéas das imagens – uma síntese de suas expressões mais vergonhosas, desprovidas de algum senso de ética e beleza. Continuar lendo

17 de Abril: um golpe marcado para o dia do massacre de Eldorado dos Carajás

eldorado_dos_carajas

Vinte anos após o assassinato de 19 sem-terra na Curva do S, no Pará, ruralistas estão entre principais apoiadores de deposição que beneficia um deles: Michel Temer

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

A história brasileira da infâmia se repete como data: 17 de abril. Há 20 anos, exatamente nessa data, policiais militares a mando do governo paraense executavam 19 integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) na Curva do S, na estrada que liga Marabá a Eldorado dos Carajás.

Será também no dia 17 de abril (Dia Nacional de Luta pela Reforma Agrária) a votação, na Câmara, do impeachment da presidente Dilma Rousseff. Ou seja, a elite política e econômica brasileira – essa quatrocentona – não se contenta somente com violência. Precisa do escárnio. Continuar lendo

Muro do impeachment é o Brasil que expõe paradoxos e vísceras

Cerca construída por presidiários ainda será estudada por sua multiplicidade de símbolos; povo revê sua percepção de cordialidade enquanto elite faz as contas

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

Está nos jornais de hoje: presidiários (improvisando para se protegerem do sol) construíram no domingo o que a imprensa chamou de “muro do impeachment“. Uma grande barreira de ferro que separará os manifestantes pró-impeachment (à direita da Esplanada dos Ministérios) e contra o impeachment (à esquerda, olhando de frente para o Congresso). É, desde já, uma das imagens do ano. E uma prova de que o processo em curso ultrapassou os limites da irresponsabilidade, ao pressionar pelo impeachment em um país tenso e dividido.

Lúcio Costa e Oscar Niemeyer já tinham se revirado no túmulo com a invasão da paisagem de Brasília por um pato gigante. Agora, estrebucham. À tentativa de infantilização da política brasileira, pela Fiesp (algo como chamar ecstasy de “bala”, ácido de “doce”, fascistas de coxinhas), se sucede esse símbolo da dissensão – e do risco. Curiosamente, o golpista Movimento Brasil Livre vem desafiando o próprio nome ao ameaçar – com outra leitura da palavra “muro” – os deputados que faltarem à votação: Continuar lendo

Esquerda indiferente a golpe maximiza Dilma e relativiza democracia

cunha

É preocupante ver a proliferação de um pensamento conformista em relação às manobras da direita; como se defeitos da presidente justificassem o retrocesso

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

Está em curso um raciocínio distorcido, à esquerda do espectro político. São enumerados todos os incontáveis defeitos do governo Dilma Rousseff (o horror das políticas indígena, agrária e ambiental, a conivência com mineradoras, sua truculência pessoal, a política econômica, as traições de campanha) para em seguida se dizer: não importa, portanto, que ela caia; ela não representa a mim e nem os excluídos, e sim aquela nossa velha plutocracia de sempre.

Essa percepção ignora o decisivo fato de que estamos em uma democracia. Imberbe, um arremedo, mas uma democracia. E traz embutida uma certa ingenuidade. Como se vivêssemos em uma curiosa espécie de parlamentarismo onde só esses setores da esquerda apitassem. Um jogo de xadrez só com as nossas peças. “Não gostamos?” – pensam esses indignados veementes subitamente transformados em indignados blasé. “Que troquem – pois não faz diferença mesmo”. Continuar lendo