Imprensa alternativa precisa somar forças para resistir e avançar

midiaalternativa02

Veículos contra-hegemônicos têm agido de forma atomizada nos anos 2010; chegou a hora de resgatar parcerias que marcaram outras épocas; a começar do financiamento

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

Como financiar a imprensa alternativa? Com a palavra, o leitor. Também o leitor. E, para mostrar a esse leitor que depende dele a própria sobrevivência de uma rede de veículos independentes, os editores desses veículos precisam rever alguns valores. Ou cacoetes, vícios. Principalmente, precisam refletir sobre a tendência ao atomismo que se afirmou nos anos 2010. A do “cada um por si” – nada condizente a com a perspectiva política de todos. É preciso promover a união e a sinergia.

Diante de um governo golpista, alguns veículos que, em boa parte, viviam de verbas do governo também começaram a olhar para o financiamento coletivo. Outros nunca quiseram essas verbas e, igualmente sem verbas de outros mecenas (como fundações estrangeiras), já enxergavam no crowdfunding – ou em um sistema de assinaturas – a solução para pagar as contas. A mão de obra, os gastos básicos. Até mesmo advogados, quando necessário. Continuar lendo

Quem financiará a mídia alternativa para que ela seja “livre e independente”?

deolho-ponte-amazonia-reporterb

Esquerda brasileira ainda não acordou para a necessidade de bancar projetos de comunicação contra-hegemônicos, como multiplicadores de uma agenda da resistência

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

Todo jornal que eu leio
Me diz que a gente já era
Que já não é mais primavera
Oh, baby, oh baby
A gente ainda nem começou

(Raul Seixas, “Cachorro Urubu”)

Estas reflexões partem de uma situação muito concreta: a campanha de arrecadação de um projeto jornalístico alternativo, o De Olho nos Ruralistas, um observatório sobre agronegócio no Brasil. Esse projeto que eu coordeno – uma parceria de jornalistas com o Outras Palavras e a TV Drone – está em pleno processo de financiamento coletivo. O que me torna suspeito em relação ao tema, parte diretamente interessada. Mas as reflexões oriundas dessa saga (fazer crowdfunding no Brasil é uma saga) nos permitem refletir sobre alguns rumos dos projetos de comunicação independentes. Independentes de quem? Continuar lendo