Pergunta à Frente Parlamentar da Agropecuária: quem manda na bancada?

fpa-hummel2

Michel Temer e ministros já participaram das reuniões-almoço, numa mansão em Brasília; mas repórteres foram expulsos pelo diretor executivo por fazer perguntas

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

As reuniões-almoço da Frente Parlamentar da Agropecuária ocorrem há vários anos numa mansão no Lago Sul, em Brasília. Costumam ser fartamente divulgadas pela bancada ruralista, com menção a veículos de imprensa e jornalistas. A imprensa alternativa sempre se perguntou: quem banca esses almoços, dos quais já participaram vários ministros (entre eles o da Agricultura, Blairo Maggi) e o próprio presidente da República, Michel Temer?

Na terça-feira (29/11), mistério resolvido: um homem se apresentou como dono da casa. Sem que houvesse acontecido nada – a não ser entrevistas jornalísticas com dois deputados -, sem pedido prévio, ele se julgou no direito de pegar um repórter pelo braço (este editor do De Olho nos Ruralistas, um observatório sobre agronegócio no Brasil), com força, e empurrá-lo em direção à saída, aos berros: “Saia já desta casa! Você invadiu minha casa! Se não sair vou chamar a polícia”.

Esse homem se chama João Henrique Hummel. Ele é o diretor executivo da FPA. Foi assessor especial do Ministério da Agricultura (destituído em 2008), e costuma falar pelo Instituto Pensar Agro e pela Associação dos Produtores de Soja (Aproja). Ele não disse o nome ao interpelar – expulsar – o repórter, enquanto um jovem (não se sabe se segurança ou não) tentava arrancar a lente do cinegrafista.

Diante do ocorrido (as entrevistas com os deputados podem ser vistas aqui e aqui; cenas da expulsão, aqui), cabem algumas perguntas à Frente Parlamentar da Agropecuária, composta por 220 parlamentares (198 deputados, 22 senadores) de 19 partidos. E a cada parlamentar, e a cada um desses partidos:

1) As reuniões são públicas ou privadas?

2) Se são privadas, o presidente da República participou de uma reunião de interesse privado? Os ministros Blairo Maggi, Moreira Franco e Zequinha Sarney participaram – como divulgado por eles mesmos e pela Frente Parlamentar – de reuniões de interesse privado?

(A assessoria de imprensa da FPA informa que as reuniões são públicas. “A gente dá acesso à imprensa”, informa Tito Matos. “Não tem nada escondido, nada em segredo. Na saída os jornalistas falam com o deputado que quiser”.)

3) Se são públicas, por que a equipe do De Olho nos Ruralistas foi expulsa?

4) Por que o deputado Marcos Montes, presidente da FPA, não tomou nenhuma iniciativa para barrar a expulsão agressiva?

5) Quem manda na FPA? Montes ou Hummel?

6) Os deputados só respondem a perguntas que não signifiquem um contraponto, que não atendam aos interesses deles – ou do setor que eles dizem representar?

7) Só é possível cobrir a Frente Parlamentar se forem feitas perguntas que agradem os parlamentares?

8) Qual a posição da FPA em relação à liberdade de imprensa?

9) O presidente da República continuará participando dessas reuniões? E os ministros?:

10) Quem escolherá os jornalistas que estarão presentes? Hummel?

(Foto: Beto Barata/PR)

(Foto: Beto Barata/PR)

Perguntas ao presidente da República, Michel Temer:

1) O senhor continuará participando dessas reuniões?

2) Aprova esse tipo de conduta dos representantes da frente, como a expulsão de repórteres que não sigam determinada cartilha? É a favor da liberdade de imprensa?

3) Sente-se refém da bancada ruralista – que participou diretamente da queda da presidente Dilma Rousseff – ou entre seus pares?

4) Temos democracia no Brasil?

* Alceu Luís Castilho, repórter desde 1994, jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP), é editor do De Olho nos Ruralistas, um observatório crítico sobre agronegócio no Brasil. É autor do livro “Partido da Terra – como os políticos conquistam o território brasileiro” (Editora Contexto, 2012)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *