Já são cinco os casos de mães com bebê agredidas por uso de vermelho

bebê-Rio

Macacão da Minnie: motivo para agressão no Rio (Arquivo: Monique Ranauro)

Em SP, uma mãe recebeu uma pedrada, na altura da criança; outra foi acuada em um supermercado; no Rio, motoqueiro disse que ia dar um tiro na mãe e na bebê

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

São Paulo teve na semana passada dois casos em que as mães estavam vestidas de vermelho, com bebê no colo, e mesmo assim foram agredidas. Uma delas foi acuada. Outra viu uma pedra ser atirada na altura da criança. No Rio, mais um caso envolvendo a ira criminosa de fascistas. A diferença é que o próprio bebê era quem estava vestido de vermelho.

Dois desses casos foram relatados pela imprensa, mas isoladamente. Um pelo portal R7, outro pelo blog do Luis Nassif. Não se tornaram um tema nacional. O caso da blogueira Rafaela Freitas, em São Paulo, ainda não foi divulgado. Vejamos seu relato:

– Quinta feira,por volta das 13 horas, fui levar meu filho de 3 anos na escola, no Butantã, como de costume. Por acaso eu estava usando uma blusa vermelha. Ao parar no farol ouvi xingamentos, buzinadas e me jogaram uma pedra que pegou na minha perna, na altura da cabeça do meu filho de 3 anos. Assustador, triste e lamentável. A pedra machucou minha perna mas poderia ter acertado meu filho.

Na quarta-feira, foi a vez da blogueira Matê da Luz testemunhar o refúgio de uma mãe com bebê um supermercado. Também em São Paulo. Conforme seu relato reproduzido pelo site do Luis Nassif, ela estava na fila quando a mãe entrou com um bebê de colo:

– Vestia uma camiseta vermelha. O bebê chorava muito. Ela pediu abrigo ao segurança do mercado: “Moço, estou sendo praticamente apedrejada na rua, estou com medo por causa do nenê’”. A moça atrás de Matê decidiu dar sua opinião: “Claro, né, ela é louca, petista andando pela rua com nenê de colo, tá pedindo pra apanhar”.

O terceiro caso ocorreu no Rio, na sexta-feira. Foi relatado pelo portal R7: De roupinha vermelha, bebê e mãe sofrem agressão: “Disse que ia me dar um tiro”. Aconteceu com a fotógrafa Monique Ranauro, de 29 anos, que saiu de casa para comprar comida. A filha de cinco meses estava com um macacãozinho vermelho da personagem Minnie, da Disney. Dormia:

– Achei que fosse um assalto. O homem se aproximou de nós com a moto e, sem tirar o capacete, me chamou de puta. Disse que se eu não fosse pra casa ele iria dar tiro em mim e na minha filha. Saí apressada, trêmula, ouvindo ele me chamar de desgraçada por vestir a criança de vermelho.

Com medo, Monique pressionou a criança no peito. Como ela estava com um colar, o bebê ficou com um pequeno machucado na testa. Ao relatar o caso nas redes sociais, foi ameaçada e criticada. “Senti um medo absurdo e ainda sinto. Meu marido e eu estamos preocupados, com medo. Mas nós não fizemos absolutamente nada. Estamos vivendo numa sociedade que distorce o certo e o coloca como o errado”.

Esses são três casos conhecidos envolvendo bebês. No Rio, sobrou também para uma cachorrinha, de acordo com o colunista Ancelmo Gois, de O Globo: Cachorrinha é chamada de petista e hostilizada por estar com… lencinho vermelho.

Este é o relato do jornalista:

– Quinta, um dia antes das manifestações pró-Lula e Dilma, uma carioca levou esta cachorrinha vira-lata com um lencinho vermelho no pescoço, na pracinha do Bairro Peixoto, no Rio. Foi hostilizada aos gritos de petralha.

MAIS DOIS CASOS

Após o fechamento do texto, inicialmente com três relatos, fiquei sabendo de mais dois casos envolvendo mães com bebês, ambos em São Paulo. Como aguardo autorização para divulgar o nome de uma das vítimas, um dos relatos segue, por enquanto, de forma anônima.

É o relato da mãe de uma vítima, publicado no Facebook:

– Minha filha vinha vindo para minha casa, moramos a um quarteirão de distância, com uma camiseta vermelha, empurrando o carrinho com minha neta de 2 anos. Foi xingada e ameaçada. Chegou aqui tremendo. Se não estivesse com a bebê, poderia correr. Mas estava indefesa. São covardes, por isso agridem mães com bebês.

A professora Dani Takara, moradora da Santa Cecília, divulgou sua história na sexta-feira:

– Saí pra comprar almoço. Tô com um vestido azul com bolinhas brancas, uma fofura. Resolvi ir com o meu Wrap dryfit porque faz tempo que eu não uso e queria ver como estava a sustentação dele com a Nina, agora que ela tem quase 8 quilos. Quando eu tava saindo do restaurante, ouvi lá de dentro (pasmem!) uma voz de ômi dizendo: “Conselho tutelar devia tirar teu filho de você, petista vagabunda!”. Olhei ao redor e pensei: “Nossa, pra quem esse idiota falou isso?” Foi então que percebi que meu Wrap é vermelho…

LEIA MAIS:
Casos de agressão por uso de vermelho se multiplicam; por que autoridades se calam?
“Parecia petista”: na Paulista, dois casos de violência fascista
Rubrofobia: fascismo brasileiro consolida sua intolerância bruta a uma cor

33 ideias sobre “Já são cinco os casos de mães com bebê agredidas por uso de vermelho

  1. Se algumas câmeras filmaram os motoqueiros tem que ir na polícia denunciar esses crimes certo, não pode ter medo 😱 e a do Super Mercado gera uma discriminação o que é um outro crime!
    Ninguém tem o direito de ficar olhando pra gente e por causa do jeito que você veste ou a cor que é a sua roupa ou alguma outra coisas qualquer, ninguém tem o direito de negar uma ajuda quando nós estamos correndo riscos, isso também é um crime e ao ajudar ninguém tem o direito de perguntar ou falar alguma coisas, porque nós vamos ajudar sem querer ajudar né!
    Me desculpe eu sou só um cidadão consciente e que poderia ajudar vocês com alguma coisas com o meu comentário né

    • A Turba de FASCISTAS está cada vez mais enfurecida. ESTÃO POSSESSOS e cada vez mais truculentos. E não tem respaldo popular. Estão cada vez mais desmoralizados. Uma Horda de intolerantes infestou as ruas do país

  2. Do jeito que vai quem usa vermelho viverá à margem da sociedade. Mas esse povo agressivo deveria vir ao Nordeste para falar assim. São uns safados covardes! Merecem umas porradas para respeitar as mulheres e as crianças.

    • Eu mesmo andei com minha camisa vermelha sexta sábado e no domingo não apareceu uma desgraça dessa covarde moro em Lauro de Freitas Bahia quem quiser aventurar paulista ou carioca que si acha racista do um prêmio a vcs desgraça covarde em mãe com bebês e fácil né vem aqui o baiano os recebera com os braços abertos

  3. O nome disso é fascismo. Eu tava com uma camisa vermelha do Instituto Cervantes de língua espanhola e fui xingado no estacionamento do supermercado. Se usar uma camisa do Chapolin, que todo mundo cresceu assistindo, é “petralha”? E se for, democracia é ter liberdade de escolha, inclusive/especialmente política.

  4. As agressões são inomináveis, de tão odiosas e covardes, mas compreensíveis. Calma, vou explicar. Quando a instituição “Judiciário” se omite, se cala, e não intervém diante das arbitrariedades cometidas por um “juiz” arbitrário, e ainda, se conjuga à obscenidade de uma mídia vulgar e ignorante , para assaltar o poder político a qualquer custo, qual a mensagem que deixa para a população? A violência compensa.

  5. ABSURDO!!!! ESTE PAIZ PRECISA DE EDUCAÇAO URGENTE!!!
    Não se pode confundir as coisas! Mais um preconceito, é isto?
    Onde podemos chegar com tanta ignorância?!

  6. Está muito claro o que está acontecendo em nosso país! Mídia, Justiça, políticos e grandes empresários!! O crescimento do regime facista é evidente. E a mídia não mostra esses casos, é uma manipulação clara e povo não vê… Se estivesse acontecendo o contrário, manifestantes ” do PT” agredindo pessoas ou destruído patrimônios, estaria sendo massificado pela mídia, e gerando cada vez mais ódio da extrema direita que crece no país! É triste!!

  7. Estamos vivenciando um clima pré-fascismo e não podemos ficar de braços cruzados. É chegado o momento de resistir e lutar, nem que tenhamos de marcar as nossas mãos com o sangue do inimigo.

    • Que canalhas,hein! Estava tudo indo tão bem, até aquela história de Passe Livre, manifestação legítima que a Elite Fascista de São Paulo cooptou e redirecionou para o seu Grande Plano: destruir as realizações do Governo do PT, de preferência tirando Lula e Dilma (e Dirceu e Genoino, etc) do mapa político. Ou seja, os nomes de maior expressão política do partido. Que canalhas! E o povão da Paulista aplaudindo no seu ódio de classe. Ah, burguesada asquerosa!

  8. Nao tem piores cegos que aqueles que nao querem ver!
    Compreensivel!,Nasceroncom a ditadura intelectual da Globo,Folha,Veja,e agora Uol!>
    O grande Darcy Ribeiro,esta chorando,la,onde se encontre!.

  9. Já virou palhaçada e vandalismo. Uma coisa não tem nada a ver com a outra. O problema da destruição do Brasil não está na cor vermelha e sim nos brasileiros que governam o mesmo. Eles é que deveriam ser apedrejados se é que tem alguém em condições para fazer isso. Se temos que escolher cor de roupa para vestirmos que escolhamos então não usar as cores da nossa bandeira . Já imaginaram sermos apedrejados porque usamos roupas com as cores da bandeira nacional? E aí como ficará? Os que tiverem sorte de sobreviver terá que usar preto por resto da vida em sinal de luto e protesto e tudo continuará do mesmo jeito. Violência gera violência. Temos que promover a paz e não a guerra, lembrando que tudo que vai volta e que um dos nossos poderão ser atingidos também.

  10. Eu achava que era mentira, até nesse domingo, quando estava trabalhando na minha barraca, com meu vestido indiano vermelho e uma pashmina quadriculada, também vermelha. Sempre ando nesse estilo, tenho várias cores de vestidos indianos e pashminas. Gosto de vermelho independente de políticas. Um casal de aproximadamente uns sessenta anos, fez um cochicho e a mulher falou olha que horrorosa, essa PETISTA se veste igual a uma vagabunda. Eu saí da barraca e perguntei “como é que é?!” Os dois abaixaram a cabeça e saíram andando. Já fui chamada de “red block”, de ” mulher bomba ” e de “terrorista”, tudo por causa da tal pashmina vermelha. Ridículo.

  11. Amigos, não sei não, mas tenho uma opinião, que não vi aqui em cima ainda. Trata-se do juiz Moro, que, no meu modo de ver, por absoluta má-fé, divulgou para a população, propositadamente, diálogos falados em contexto particular, e que adquirem outra conotação quando levados a público. (acredito que isto deve ter levado 200.000 pessoas a mais para a ãv. paulista). E, pior ainda, na divulgação, quando não contem o famoso “pi-pi” na hora dos palavrões, também a meu ver, por total má-fé, com o objetivo maior de chocar os espectadores. Colocaram mais 100.000 na paulista. Isto acirrou os ânimos de uma maneira tal que origina fatos como esses, de total irracionalidade, além de falar a linguagem da violência.Solicito às autoridades constituídas, e à mídia irresponsável, que parem para pensar: quando vcs perderem o controle disso tudo, talvez o caminho seja outra vez uma DITADURA, O QUE NÃO É BOM NEM PARA MIM NEM PARA NINGUÉM. Obrigado.

  12. O que está ocorrendo lembra os horrores do fascismo e do nazismo na Europa no período anterior à Segunda Guerra Mundial. No caso brasileiro essa imbecilidade toda tem como principais responsáveis a midia canalha e a ação irresponsável , para dizer o mínimo de representantes da “justiça”, como esse tal de Moro, ávido por notoriedade e quem sabe o que mais.

    • Que por sinal “estudou” em Harvard e baba-se de adoração pelo juizinho semelhante lá da Itália, que depois foi fazer política , caiu em desgraça, apurou-se mil mutretas dele e desistiu da política. Isso destruindo todo o sistema político da Itália, o que possibilitou, naquele vácuo todo, o surgimento do tenebroso Mussolini, digo Berlusconi (mesma merda). São coisas assim que nos aguardam se esta canalhada conseguir chegar à realização de seus sinistros projetos. Temos que reagir..

  13. Igual evangélicos loucos agredindo católicos, espíritas, ubandistas, budistas… o falso pastor põe merd* na cabeça deles de propósito e eles saem fazendo merd*.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *